F1

Mesmo com oposição das equipes, FIA escolhe Halo como proteção de cockpit da F1 a partir da temporada 2018

O Halo, testado exaustivamente ao longo de 2016 por equipes da F1, volta com tudo em 2018. O dispositivo, mesmo rejeitado por nove das dez equipes da categoria, foi apontado como o ideal pela FIA, que rejeitou o Shield
Warm Up / VITOR FAZIO, de Porto Alegre
 Sebastian Vettel testou o Halo no TL1 em Abi Dhabi (Foto: Ferrari)

Dias após o teste com o Shield, a FIA escolheu o Halo como forma de proteção do cockpit da F1. O dispositivo, muito criticado ao longo de 2016 por conta do visual estranho, foi apontado como o preferido da entidade e vai voltar com tudo em 2018.
 
A introdução do Halo desagrada equipes. De acordo com a revista britânica ‘Autosport’, nove das dez escuderias da F1 votaram contra a introdução do conceito. Todavia, o Halo tem uma grande vantagem em relação ao Shield: um já foi testado exaustivamente ao longo de 2016 e não precisa de grandes adaptações. Já o ‘escudo’, que foi às pistas pela primeira vez na última sexta-feira e recebeu críticas de Sebastian Vettel, precisaria de modificações profundas.

No comunicado publicado no site oficial nesta quarta-feira (19), a entidade informou que todas os times do grid estiveram presentes na reunião do Grupo de Estratégia que ratificou a medida para o próximo ano. "Na sequência do acordo unânime do Grupo de Estratégia, em julho de 2016, com relação à introdução de uma proteção frontal adicional para o carro da F1 e do constante apoio dos pilotos, a FIA confirma a adoção do Halo para 2018. Com o apoio das equipes, certas características e design serão aprimorados.", disse a nota.

"Tendo desenvolvido e avaliado um grande número de dispositivos ao longo dos últimos cinco anos, tornou-se claro que o Halo apresenta o melhor desempenho em termos de segurança."
O Halo foi escolhido pela FIA para fazer parte da F1 em 2018 (Foto: Williams)

Como é do interesse da FIA introduzir uma forma de proteção já em 2018, optou-se por aquela que já está praticamente pronta. O Shield exigiria um longo processo de estudo e modificações, consumindo um tempo que a federação não está disposta a oferecer.

A 'Autosport' também afirma que a FIA pressionou o Grupo de Estratégia da F1 a acelerar a decisão, alegando a necessidade de aumentar a segurança da categoria já em 2018. A decisão da federação ainda precisa ser ratificada pelo Conselho Mundial, processo pode acontecer sem que as equipes sejam consultadas novamente.
GRANDE FORMA DE BOTTAS NA F1 MOSTRA QUE PREVISÕES ESTAVAM ERRADAS: "NEM A PRÓPRIA MERCEDES ACREDITAVA"
O Halo surgiu ainda na pré-temporada de 2016 como uma solução primitiva. A Ferrari foi a primeira a testar o conceito, com Kimi Räikkönen. O finlandês não reclamou do conceito, mas a oposição não tardou em surgir. Nico Hülkenberg, por exemplo, fez duras críticas ao visual do Halo. Os questionamentos levaram a Red Bull a testar o Aeroscreen, solução que carrega um conceito muito semelhante ao Shield.

Cercado de dúvidas e questionamentos, o Halo teve sua introdução adiada de 2017 para 2018. Assim, não chega a surpreender que a FIA esteja tão preocupada com a possibilidade de um segundo adiamento seguido, que postergaria para 2019 a decisão sobre um debate que começou ainda em 2014, com o acidente e a morte do francês Jules Bianchi.