Na Rússia, Vettel acaba com jejum de mais de um ano e meio para marcar segunda pole-position pela Ferrari

Durou 30 corridas, ou 589 dias, o jejum de poles do piloto com maior número de títulos da F1 na década de 2010. Coroando a grande fase da Ferrari, Sebastian Vettel vai largar na frente no GP da Rússia e voltará à posição de honra do grid após o distante mês de setembro de 2015, em Singapura. Naquela ocasião, Vettel venceu de ponta a ponta


google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Depois de uma vitória consagradora na Austrália, do segundo lugar na China e de nova vitória no Bahrein, Sebastian Vettel tem novos motivos para comemorar neste início de temporada 2017 da F1. No seu terceiro ano pela Ferrari, o alemão finalmente tem um carro vencedor e capaz de lutar pelo pentacampeonato. Neste sábado (29), em Sóchi, Vettel deu mais uma amostra do enorme potencial da SF70-H e cravou a pole-position do GP da Rússia. Uma pole que representou o fim do jejum de mais de um ano e meio, exatos 589 dias, e que é ainda mais emblemática por ter sido lograda em um território até então dominado pela Mercedes.

 
A última vez que Seb conquistou a posição de honra do grid de largada foi no GP de Singapura, em 19 de setembro de 2015. Portanto, foram nada menos que um ano, sete meses e dez dias de intervalo até que Vettel novamente comemorasse uma pole-position na F1. Foram 30 GPs de jejum, portanto.
 
Naquela oportunidade em Marina Bay, Vettel tirou proveito do péssimo fim de semana da Mercedes, que não foi nem sombra da equipe dominante que varreu a concorrência em 2015. Com Hamilton e Nico Rosberg irreconhecíveis, Seb aproveitou o segundo melhor carro do grid naquela temporada para faturar a pole.

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 3
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);

A última vez que Vettel havia conquistado a pole foi há pouco mais de um ano e meio. O jejum foi quebrado na Rússia (Foto: AP)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Durante a corrida em Singapura, Vettel foi soberano e conquistou uma vitória acachapante, liderando todas as 61 voltas da corrida, superando o número de triunfos de ninguém menos que Ayrton Senna.

 
Se em Singapura 2015 Vettel aproveitou o fim de semana ‘fora da curva’ da Mercedes, o cenário é bem diferente na Rússia. A Ferrari dominou todo o fim de semana, liderando os três treinos livres em Sóchi, sendo um com Kimi Räikkönen e os outros dois com Vettel, sendo muito mais forte que a rival prateada. Vettel, assim como a Ferrari, jamais venceu no circuito russo, que recebe a F1 desde 2014 e só viu triunfos da Mercedes (Hamilton em 2014 e 2015 e Nico Rosberg no ano passado).
Sebastian Vettel mostra ter um carro capaz de fazê-lo lutar por vitórias e títulos em 2017 (Foto: AFP)
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Ao largar da posição de honra em Sóchi, Vettel tem todas as credenciais para conquistar mais uma vitória na temporada 2017. Afinal, a Ferrari mostrou ótimo ritmo de corrida em todas as corridas até agora e, caso confirme a performance com a bem-nascida e equilibrada SF70-H neste domingo, o alemão poderá ter a chance de abrir uma boa diferença para Hamilton, seu adversário direto na luta pelo título.

 
O GP da Rússia, o quarto do campeonato, acontece neste fim de semana, e o GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades em Sóchi AO VIVO e em TEMPO REAL.

 
PADDOCK GP #75 DEBATE: FERNANDO ALONSO VAI SE DAR BEM NA INDY 500?

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube