Pensando em despedida da McLaren, Hamilton diz que "vencer em Interlagos seria fenomenal"

Em dois circuitos em que nunca venceu, Lewis Hamilton espera ter a oportunidade de subir ao degrau mais alto do pódio para deixar a McLaren em grande estilo antes de rumar à Mercedes. Ele disse que não saberá como lidar com uma possível vitória no Brasil

A vitória que parecia certa para Lewis Hamilton no GP de Abu Dhabi escapou por entre os dedos graças a um problema na pressão de combustível de sua McLaren, neste domingo (4), no circuito de Yas Marina. Certamente, algo frustrante para o piloto, que deixará o time de Woking no fim desta temporada. Mas Hamilton deixou claro que quer vencer mais uma vez em 2012, para se despedir da equipe que o levou até a F1 em grande estilo.

E uma vitória nos Estados Unidos no Brasil não parece algo distante para o britânico, desde que seu MP4-27 apresente o mesmo desempenho deste fim de semana, sem as falhas mecânicas das últimas cinco corridas. “Eu sinto que, se o carro andar tão bem nos Estados Unidos e no Brasil quanto andou em Abu Dhabi, eu terei mais uma chance”, afirmou, em entrevista ao ‘Daily Mail’.

Lewis Hamilton voltou a pé para os boxes do circuito de Yas Marina (Foto: McLaren)

Nos dois circuitos que restam para que mais uma volta ao mundo seja completada pelo circo da F1, Hamilton nunca subiu ao degrau mais alto do pódio. Em um deles, obviamente, é porque se trata da corrida inaugural do Circuito das Américas, em Austin, no Texas. Mas o campeão mundial de 2008 sonha em triunfar em terras norte-americanas após cinco anos. “Depois de vencer o último GP dos EUA, amaria vencer o primeiro do retorno do GP dos EUA”, admitiu o piloto.

Hamilton destacou o desejo de fazer história na pista recém-construída no Texas: “Para ser honesto, eu não me lembro de ter colocado meu nome na história como o primeiro vencedor de nenhum circuito. Nunca tive o carro para fazê-lo, mas talvez eu tenha agora”.

Já com relação ao Brasil, a vitória teria um sabor ainda mais especial para Hamilton, afinal, será o seu último GP com a McLaren: “Se eu vencer lá, não sei como lidaria com isso”. Em São Paulo, no ano de 2008, ele levou a melhor na mais cinematográfica decisão de campeonato de todos os tempos, ao bater Felipe Massa na penúltima curva do Autódromo José Carlos Pace – “a pista”. “Nunca venci lá, mas, novamente, se o carro estiver tão bom quanto em Abu Dhabi, vencer em Interlagos seria absolutamente fenomenal”, falou. Seria uma despedida que remeteria à de Ayrton Senna, tricampeão com o time de Woking e que fez a festa no GP da Austrália de 1993, em Adelaide, naquela que viria a ser a sua última festa na F1.

Sobre o abandono em Abu Dhabi, o segundo por conta de problemas mecânicos na temporada 2012, Hamilton adotou um discurso de ‘menos mal que não estou brigando por mais nada’ – suas chances de ser campeão eram quase nulas antes do começo da prova árabe. “Se eu ainda estivesse lutando pelo título, seria ainda mais difícil digerir o que aconteceu ontem”, disparou.

“É uma pena, porque eu estava felizmente na liderança, em modo de cruzeiro, e a equipe havia feito um grande trabalho durante o fim de semana, até o momento em que o carro parou”, lastimou o piloto. “Mas não é a primeira vez que isso acontece. Tive algumas experiências como esta na minha vida, então estou melhor preparado para lidar com dias como esses”, completou.

O britânico relembrou os demais contratempos recentes com os quais precisou lidar. “É a segunda vez nas últimas cinco corridas que isso aconteceu comigo na liderança. E, com a exceção da Índia, eu tive problemas em quatro das últimas cinco [provas]. Foram quatro fins de semana ‘hardcore’, sendo que, normalmente, temos uma mega confiabilidade”, finalizou.

Após 17 corridas, Hamilton é o quinto colocado no Mundial de F1, com 165 pontos. O piloto chegou a ser um dos fortes candidatos ao título, mas foi perdendo terreno depois de sua vitória no GP da Itália – que foi também o seu último pódio. Desde então, Lewis somou somente 23 pontos, contra 115 de Sebastian Vettel e 66 de Fernando Alonso.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube