F1

Pérez espera “poucas voltas todos os dias” e justifica: Racing Point ainda não tem peças de reposição

Sérgio Pérez não escondeu a satisfação com o contato com o novo carro, mas tratou logo de freia qualquer euforia. O mexicano relatou que a Racing Point trabalha ainda sem peças sobressalentes. Por isso, a equipe vem sendo cuidadosa com o programa técnico nesta primeira semana de testes
GRANDE PRÊMIO, de Barcelona / ERIC CALDUCH, do Circuito da Catalunha
Sergio Pérez se disse feliz por iniciar uma nova temporada à frente de uma equipe reestruturada como a Racing Point – time que adquiriu a Force India no ano passado. Só que o começo de vida da equipe anglo-canadense causa preocupação. Mesmo definido como “ótimos” os dias desta pré-temporada, em Barcelona, o mexicano completou poucas voltas na comparação com seus principais rivais. E isso tem uma razão: a ausência de peças adicionais. 
 
Além disso, em seus dois dias conduzindo o carro, enfrentou falhas mecânicas que acabaram por encerrar seu trabalho prematuramente. “Vivemos um novo início, uma nova era”, disse aos jornalistas, incluindo o GRANDE PRÊMIO
 
“E acho que vai ser bem-sucedida. Foi um ótimo começo, estou contente, mas temos muito trabalho para fazer nos próximos dias. Eu estou feliz porque esperava um início muito pior. Todas as previsões que tínhamos eram piores. Mas quando eu peguei o carro a sensação mudou. Estou feliz porque vamos melhorar bastante na primeira corrida. A concorrência é muito forte, temos poucos décimos entre o grupo do intermediário”, comentou o Pérez.
 
Sergio Pérez (Foto: Racing Point)
O piloto, que acompanhou toda a transição de Force India para Racing Point, também falou sobre as mudanças com relação ao carro ano passado. “A aerodinâmica tem pouca diferença, na verdade. No fim, acho que algumas equipes perderam downforce por conta da asa dianteira”, explicou. 
 
“Os pneus têm uma diferença importante no que diz respeito à construção. A degradação vai ser interessante. Aqui em Barcelona sempre tivemos um desgaste nos pneus da frente, mas estamos com temperaturas mais baixas na pista e, em Melbourne, será totalmente diferente”, prosseguiu Pérez. 
 
Finalmente, Sergio revelou a razão para as poucas voltas registradas até o momento e disse a que Racing Point está em uma situação bastante difícil. A equipe não tem peças sobressalentes para todos os dias e, por causa disso, tem de limitar o programa técnico. “Acho que todos os dias vão ser com poucos giros por causa das peças. Se faltar uma asa, ou assoalho ou alguma peça assim, significa que vamos ter de fechar a nossa pré-temporada muito mais cedo do que o normal. O carro é diferente do que queremos ter em Melbourne, e todas as peças, na verdade, estão preparadas para a Austrália”, relatou o mexicano.

GRANDE PRÊMIO cobre ‘in loco’ a pré-temporada da F1 em Barcelona com os repórteres Evelyn Guimarães, Vitor Fazio, Eric Calduch e o fotógrafo Xavi Bonilla. Acompanhe tudo aqui.

Assine aqui a Newsletter GP