Pior fase para italianos na Ferrari foi com John Barnard, fala jornalista

As melhores fases da Ferrari foram sem italianos comandando a equipe? Para Cesare Maria Mannucci, não é bem assim. No Cadeira Cativa #14, o jornalista relembrou a passagem do desenhista John Barnard na escuderia e como afetou os italianos que lá trabalhavam

Como é ser italiano e trabalhar na Ferrari? No Cadeira Cativa #14, Cesare Maria Mannucci detalhou a situação dentro de uma das equipes mais tradicionais da Fórmula 1. E revelou que a pior fase foi durante a passagem do desenhista John Barnard, entre 1988 e 1997.

“O pior período para os italianos na Ferrari foi em 1989 e 1990, quando o Barnard chegou e disse: ‘vocês não sabem fazer nada, são todos incompetentes'”, contou Mannucci.

O Cadeira Cativa é o programa do GRANDE PRÊMIO que recebe jornalistas e personalidades marcantes da cobertura de esporte a motor do Brasil.

Assista ao trecho completo abaixo:

Os finais dramáticos da Fórmula 1

Milagre? Sorte? Azar? Não importa: a Fórmula 1 também pode trazer grandes dramas nos finais de corrida, como nos relembrou o final do GP da Inglaterra no último domingo. Lewis Hamilton teve um milagre para chamar de seu e nos dá um ótimo gancho: relembrar outros momentos chocantes (ou bizarros) nas voltas finais da categoria máxima do automobilismo.

Claro que, nestes 70 anos de F1, não faltam momentos assim. Como essa aqui é uma lista com “10+”, selecionamos dez grandes finais dramáticos na história da categoria, em ordem cronológica. Mas poderiam entrar tantos outros.

Hora de apertar os cintos e acelerar o DeLorean DMC-12 até alcançar 88 milhas por hora. Vamos começar a viagem ao passado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube