Por disputa a respeito do direito à premiação da F1, Haas entra com protesto contra Force India

A Haas quer reparação. Após receber premiações menores que as demais equipes em 2016 e 2017 por se tratar de um time novo, o time norte-americano entrou com um protesto formal contra a Force India, que oficialmente, após a venda, também é uma nova escuderia. A Haas entende que tem de receber retroativo aos últimos dois anos caso a Force India seja paga com uma quantia de equipe veterana

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

A FIA confirmou, no começo da tarde desta quinta-feira (22), que a Haas entrou com um protesto formal contra a Force India e seus dois carros. Em meio a uma briga ferrenha na 'F1 B' por pontos e em busca do quarto lugar do Mundial de Construtores, a equipe norte-americana acredita que a negociação envolvendo a rival no meio da temporada descaracterizou o sentido de um construtor, segundo as regras esportivas do Mundial.

 
Uma reunião foi marcada para as 5h (de Brasília, 11h locais) da sexta-feira e vai reunir FIA e membros responsáveis das duas equipes. 
 
Embora a razão não tenha sido oficializada pela FIA, a reclamação está relacionada à venda da equipe fundada por Vijay Mallya para um consórcio de investidores liderado por Lawrence Stroll. Oficialmente falando, a equipe Sahara Force India deixou de existir, enquanto a Racing Point Force India nasceu, o que fez com que o começasse do zero na pontuação do Mundial de Construtores, deixando para trás os pontos conquistados antes da mudança.
Sergio Pérez (Foto: Racing Point Force India)

Mas a Haas protesta a fim de explorar o regulamento, já que a nova equipe, a Racing Point Force India, comprou todos os ativos da equipe antiga. Assim, ao menos na letra fria da lei, não construiu os próprios carros, mas já comprou ambos prontos, o que vai de encontro às regras da FIA.  As equipes, segundo a federação, precisam possuir a propriedade intelectual de seus projetos para que participem do campeonato como construtores e recebam a premiação financeira da F1 ao fim do campeonato. 

 
Quando a Haas chegou à F1 em 2016 e depois novamente em 2017, não foi considerada apta a receber prêmios de 'Coluna 1' da F1 por ser um time novo, mas a Force India, ao menos por enquanto, está apta a receber esse tipo de premiação ainda que seja oficialmente um time novato. Nos dois anos somados, o dinheiro que a Haas deixou de ganhar com a restrição foi de aproximadamente US$ 60 milhões – ou R$ 163 milhões em cotação de dezembro de 2017. Caso a Force India tenha direito a receber o prêmio nestas condições, pois, a Haas acredita que também tem direito a receber retroativamente pelos dois últimos anos.

Caso a FIA decida que a Force India de fato está em desacordo com as regras e inelegível para receber o prêmio ao fim da temporada, a quantia que seria desembolsada para a equipe dos carros rosas – hoje na sétima colocação do campeonato – ficaria nos cofres da F1 e seria redistribuída entre as nove esquadras restantes. 

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube