Por distanciamento social, Fórmula 1 determina temporada sem pódio em 2020

Ross Brawn, diretor-esportivo da Fórmula 1, revelou detalhes do chamado ‘novo normal’ que vai ser apresentado pela categoria ao mundo a partir de julho com a abertura da temporada 2020. Dentre os procedimentos que vão ser adotados para evitar o contágio pelo novo coronavírus está uma medida histórica: a cerimônia de comemoração no pódio, como todos conhecem, não vai acontecer neste ano

Ao longo das últimas semanas, a Fórmula 1 estudou uma série de medidas para garantir o máximo da segurança dos pilotos, funcionários das equipes e da categoria e dos jornalistas que vão ter acesso aos eventos em 2020. As determinações do que é chamado o ‘novo normal’, para assegurar o distanciamento social, são parte de um complexo protocolo para evitar que as pessoas envolvidas não sejam infectadas pelo Covid-19. Dentre as normas, uma vai ser histórica: nesta temporada, a partir de 5 de julho, na Áustria, um dos momentos mais simbólicos e aguardados do fim de semana de corrida não vai acontecer: a cerimônia do pódio.

Ross Brawn revelou como vão ser alguns dos novos procedimentos que a Fórmula 1 vai adotar. Em entrevista ao site oficial da categoria, o diretor-esportivo explicou mudanças na formação do grid e a comemoração após o fim da corrida. E a parada dos pilotos, outro momento bastante tradicional da categoria, que antecede a largada e visa interagir os pilotos com o público, também não vai acontecer neste ano. Tudo para proporcionar o máximo de distanciamento social.

Ideia da Fórmula 1 é que os pilotos festejem suas vitórias na pista, mas sem pódio em 2020 (Foto: Mercedes)

“Em razão da implementação dos procedimentos, precisamos estar seguros e protegidos da situação do Covid-19. Os hábitos que tivemos no passado simplesmente não podem mais ser feitos. O grid muito cheio, que era uma característica das corridas da F1, simplesmente não pode acontecer”, explicou Brawn.

Sobre o pódio, o dirigente britânico explica que não há condições de realizar a entrega de troféus do jeito que acontece tradicionalmente.

“O procedimento no pódio não pode acontecer [como acontece agora], mas estamos pensando em fazer algo no grid após a corrida. Uma opção seria alinhar os carros na pista, e os pilotos ficando em frente aos carros”, comentou.

“Não podemos entregar os troféus porque você não pode ter ninguém por perto para entregar um troféu, mas nós estamos trabalhando nisso, temos planos e procedimentos e estamos vendo como podemos apresentar isso na TV”, ressaltou o engenheiro.

O cerimonial realizado minutos antes da largada também é bastante tradicional na Fórmula 1. Via de regra, pilotos, funcionários das equipes, jornalistas e, nos últimos anos, as crianças do projeto FIA Future, que ficavam próximas aos carros, faziam parte da programação. Agora, com as novas medidas, Brawn ressaltou como vai ser a partir do GP da Áustria.

“Coisas como o hino nacional… Você não pode ter todos os pilotos aglomerados e não pode ter as nossas estrelas do FIA Future. Elas [as crianças] vão fazer parte do espetáculo virtualmente, vão receber os uniformes e vão enviar vídeos deles com uma mensagem que podemos reproduzir”, contou.

“A parada dos pilotos não vai acontecer, já que não podemos colocar 20 pilotos na traseira de um caminhão e dar a volta na pista. Portanto, vamos entrevistar cada um deles em frente à garagem. Há várias maneiras de nos envolvermos sem comprometer a saúde e a segurança”, acrescentou o diretor-esportivo da F1, que não vê grandes problemas nas mudanças em si.

“Estou 100% confiante de que vamos tornar o produto atraente e emocionante. Vai ser apenas diferente. Esta é a nova normativa. Quanto tempo isso vai durar? Não sabemos, mas com certeza essa será a nova norma para o restante do ano, certamente”, finalizou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube