Presidente da Marussia confirma negociações para fusão com Caterham no fim da temporada 2012

Graeme Lowdon admitiu que as duas equipes conversaram sobre uma união para a temporada 2013 da F1, mas acabaram desistindo de levar o acordo à frente. Melhor para os russos, que estão em vantagem na pista

Quase que a F1 começou a temporada 2013 com apenas dez equipes. Depois de ver a saída da HRT, o presidente da Marussia, Graeme Lowdon, confirmou nesta quinta-feira (21), em Sepang, que o time russo e a Caterham negociaram uma fusão desde o fim da última temporada, mas o acordo acabou não dando certo.

“Posso confirmar que as discussões aconteceram. Eu não estava envolvido e, até onde sei, a conclusão era inaceitável para nossos acionistas, então nada aconteceu”, declarou o dirigente ao site da emissora inglesa Sky Sports.

Graeme Lowdon confirmou as negociações para uma eventual fusão com a Caterham (Foto: Marussia)

 

As imagens desta quinta-feira em Sepang
A volta virtual em Sepang, narrada por Massa
Especial F1 2013, a temporada que vem com rótulo de imprevisível

Com as últimas equipes do grid tendo problemas para encontrar patrocinadores, Bernie Ecclestone já havia sugerido no fim do ano passado que elas considerassem uma união. Essas negociações realmente ocorreram, mas a Marussia acabou desistindo de levar a ideia à frente.

A principal vantagem para as equipes a partir da união seria dividir o prêmio do décimo lugar do Mundial de Construtores, cerca de £ 10 milhões – R$ 30 milhões –, conquistado pela Caterham no último ano. Como as negociações não deram certo, os dois times serão obrigados a lutar por esse prêmio mais uma vez em 2013.

Pior para a equipe malaia, já que a Marussia parece ter começado a temporada 2013 em vantagem na pista. A Caterham, por sua vez, não comentou se houve negociações pela fusão das equipes.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube