F1

Prost vê Hamilton “maduro, mentalmente forte e impossível de bater” na melhor temporada da carreira

Alain Prost, o tetracampeão mundial de F1, teceu elogios ao agora pentacampeão Lewis Hamilton. Segundo o francês, que conquistou o último título em 1993 e hoje é consultor da Renault, superar Hamilton em 2018 era uma missão impossível para Sebastian Vettel
Warm Up / Redação GP, do Rio de Janeiro
 Alain Prost (Foto: Beto Issa)
Lewis Hamilton esteve tão bem na temporada 2018 até a conquista do título, no último GP do México, que era impossível superá-lo. Foi a avaliação feita por Alain Prost, deixado para trás na contagem de conquistas da F1 pelo agora pentacampeão mundial.
 
Prost avaliou que Hamilton trabalha de forma particular e mostrou a melhor fase da carreira. Sem mostrar defeitos e com mágica quando era necessário, a vida de Sebastian Vettel para bater o inglês era ingrata. Para o francês, o GP de Singapura representou um golpe duro demais visto que os dois deveriam estar separados naquele momento. 
 
"Multicampeões mundiais obviamente fazem coisas diferentes dos outros", afirmou. "A maior diferença que eu percebi em Lewis é que ele se força a melhorar mais e mais como piloto. Essa foi sua melhor temporada - e pode ser ainda melhor. Sebastian também teve uma boa temporada, mas não boa o bastante para superar a combinação de Lewis com a Mercedes", disse.
 
"Ainda que o carro não estivesse tão bom, ele ainda ficava em segundo ou terceiro. Se fosse necessário fazer alguma coisa especial na classificação, ele conseguia fazer, como foi em Singapura", apontou.
Lewis Hamilton (Foto: AFP)
"Lewis foi psicologicamente muito forte contra Seb. Muito maduro e, sob essas circunstâncias, foi impossível de bater. Sebastian cometeu erros nos momentos errados, como em Baku ou Hockenheim. Não fosse assim, estaria 30 pontos à frente (em Singapura) e com menos pressão", avaliou.
 
Se a Ferrari pressiona Vettel, Prost, hoje consultor especial da Renault, avalia que a Mercedes ajuda Hamilton com o tipo de relação que as partes possuem. "A equipe ajuda Lewis na forma especial como ele vive, o que dá a ele muita confiança e força. É importante."
 
Com o quinto título, Hamilton se igualou a Juan Manuel Fangio e está atrás apenas de Michael Schumacher. Mesmo assim, Prost não acredita que seja correto dizer que Lewis é melhor que ele próprio e que Ayrton Senna, por exemplo. 
 
"Não dá para comparar gerações. Senna e eu fomos os melhores da nossa. Tudo que dá para dizer é que Lewis é um dos melhores, senão o melhor, da dele", encerrou.