Red Bull ratifica força no México e Mercedes pede aderência e procura velocidade

Os treinos livres do GP da Cidade do México confirmaram a força da Red Bull, especialmente em um dia em que o asfalto não apresentou uma grande aderência. Já a Mercedes enfrentou mais dificuldades e terá uma longa noite pela frente para tentar cortar a desvantagem para a rival

A Mercedes bem que tentou driblar as expectativas ao liderar a primeira sessão de treinos livres no Hermanos Rodríguez, mas não demorou muito para que a ordem real das coisas fosse estabelecida. Tal como aconteceu em Austin, há duas semanas, quando os favoritos carros pretos determinaram o ritmo na sexta-feira, hoje o circuito mexicano acompanhou uma história parecida, só que contada pela Red Bull. A esquadra taurina comandou as ações com Max Verstappen e sabe que tem um carro mais ajustado para as exigências do traçado da Cidade do México.

É claro que o dia não foi tão simples. O asfalto estava muito sujo no início das atividades e foi difícil de encontrar a aderência, mesmo para os energéticos. Verstappen preferiu tomar mais cuidado, tatear o desempenho e optou por coletar informações com os pneus mais duros – não havia, na verdade, a necessidade de se gastar o composto médio em uma situação de pista tão verde. Assim, a borracha macia e médio só foi mais usada mesmo após o almoço.

De toda a forma, ainda pela manhã, os taurinos sustentaram uma desvantagem para os rivais de pouco mais de 0s2. À tarde, o cenário se apresentou mais próximo da realidade. A Red Bull trabalhou com os pneus macios e médios, buscou um acerto que atendesse à eficiência pressão aerodinâmica e também à velocidade.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Max Verstappen é líder do Mundial e mais veloz do dia na Cidade do México (Foto: Red Bull Content Pool)

As decisões tomadas na garagem ajudaram Verstappen a liderar a tabela. O terceiro setor é onde o holandês ganha. Em ritmo de classificação, a performance está lá. Foram 0s5 de vantagem para Lewis Hamilton. “Foi um dia muito bom. A gente sempre tenta melhorar o carro, aprender a como deixá-lo melhor. No TL1, a pista estava muito suja, o TL2 foi mais legal nesse aspecto”, disse Max após os treinos.

“O carro rendeu bem, mas ainda há muito o que melhorar, mesmo que já esteja bom. É sempre difícil de julgar. Nós nunca estamos felizes, sempre queremos melhorar. Foi bom, mas amanhã precisaremos estar ainda melhores. Começo positivo de fim de semana”, completou.

De fato, a Red Bull ainda tem questões a revisar, como o desempenho em corrida. Ainda que tenha feito um stint mais longo com Verstappen e Sergio Pérez, os registros de volta ficaram um pouco atrás do ritmo de Valtteri Bottas. E falando na Mercedes, Christian Horner, o chefão dos taurinos, admitiu que seus engenheiros ficaram de olho nos rivais. Para o dirigente, os adversários ainda não apresentaram o verdadeiro potencial no México. “Durante as sessões, tivemos um grupo de analistas em Milton Keynes estudando os dados do GPS, para que pudéssemos entender quando eles ‘ligam’ o motor e quando o ‘desligam’ e, com certeza, eles fizeram o mesmo conosco. É uma forma de monitorar o que eles ainda têm no bolso e é o que vimos hoje”, afirmou o inglês.

“O nosso motor está funcionando bem nesta altitude e temos uma configuração de downforce parecida com Mônaco”, acrescentou.

Apesar da cautela dos energéticos, a esquadra alemã teve realmente um dia complicado, do ponto de vista da compreensão dos pneus, a falta de aderência e do acerto do downforce. Os carros pretos parecem mais lentos e instáveis. Por isso, entende-se que a aderência é um ponto fundamental, mas também a eficiência aerodinâmica. “O carro está ok. Não tivemos grandes problemas e, acho, estamos dando absolutamente tudo que temos. Eles simplesmente são mais rápidos que nós no momento. Não temos preocupações reais, só temos que olhar para nosso acerto e melhorar”, falou o heptacampeão.

“Estamos com alguma falta de downforce, que é algo que definitivamente rende 0s5 de diferença entre nós e eles. O panorama parece bom para que a gente tente batalhar contra eles, mas eles são certamente mais rápidos que nós até agora”, emendou.

Uma vez mais na temporada, Red Bull e Mercedes invertem papeis. Se nos EUA, o fim de semana pareceu promissor para os atuais campeões, agora o cenário coloca os taurinos na frente. A questão é entender o quanto à frente.

Fórmula 1 volta a acelerar neste sábado no Autódromo Hermanos Rodríguez. O TL3 está marcado para 14h (de Brasília, GMT-3), enquanto a definição do grid de largada acontece às 17h. O GRANDE PRÊMIO acompanha tudo AO VIVO e em TEMPO REAL.

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar