Showrun da Red Bull e projeto para GP do Líbano: a F1 na área atingida por explosão

A Red Bull conduziu uma demonstração na zona portuária de Beirute há quatro anos, enquanto a Fórmula 1 chegou a estudar uma corrida por lá no fim dos anos 1990

A explosão que sacudiu Beirute, no Líbano, no começo da noite desta terça-feira (4), foi sede de um evento da Fórmula 1 há quatro anos, em 2016. A zona portuária é uma das áreas mais nobres da capital.

O evento aconteceu em maio daquele ano e foi organizado pela Red Bull. O responsável por guiar o carro na demonstração? Carlos Sainz, atualmente piloto da McLaren e fechado com a Ferrari para 2021, defendia a Toro Rosso àquela altura.

O showrun usou exatamente a área atingida pela explosão de hoje. Há uma conexão mais antiga com a zona portuária de Beirute e a F1: em 1999 a cidade lançou um projeto para sediar uma prova em 2006. Então diretor-técnico da FIA, Charlie Whiting chegou a inspecionar o local. O acordo acabou não saindo.

Quem vive em Beirute é Carlos Ghosn, ex-presidente de Renault e Nissan. A casa dele ficou bastante danificada na explosão.

A explosão aconteceu por volta das 18h (horário local) perto do porto da capital, local que funciona como coração da economia libanesa, visto que o país fica bem perto da Europa pela via marítima (aproximadamente 200 km de Larnaca, no Chipre). Segundo o governo local, a explosão deixou ao menos 73 mortos e 2,7 mil feridos.

Veja aqui as imagens do show-run da Red Bull em Beirute justamente no local onde houve a explosão. Clique na imagem abaixo.

Arte: Rodrigo Berton/Grande Prêmio Fotos: Red Bull Content Poll

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube