Vettel reconhece que não tinha ritmo para brigar pela pole-position em treino com pista seca na Malásia

O tricampeão afirmou que o principal objetivo da Red Bull neste sábado era poupar pneu para a corrida. Apesar disso, a chuva veio na hora certa e garantiu a 38ª pole-position da carreira do piloto alemão

Sebastian Vettel tem todos os principais ingredientes para brigar pelo tetracampeonato da F1. Ele conta com carro rápido e sorte de campeão. E o germânico precisou abusar de tudo isso para garantir a 38ª pole-position da carreira, neste sábado (23), na Malásia. Depois de avançar ao Q3 apenas com o nono melhor tempo, o piloto fez uso da pista molhada, mas secando para cravar 1min49s674 e superar Felipe Massa, o segundo colocado, em quase 1s.

Embora o desempenho tenha sido avassalador, essa não foi a tônica da Red Bull durante o treino classificatório. Mais preocupado em poupar pneus, o time austríaco viu Sebastian Vettel e Mark Webber terem dificuldades para se garantirem na fase final da classificação.

Vettel teve dificuldades para garantir a pole na Malásia (Foto: Red Bull/Getty Images)
As informações do GP da Malásia em tempo real
Especial F1 2013, a temporada imprevisível
A volta virtual em Sepang, narrada por Massa
As imagens deste sábado na Malásia

Por causa disso, o alemão reconheceu que se não fosse pela chuva o resultado deste sábado poderia ser bem diferente. “É difícil dizer. O momento nos ajudou”, disse. “Eu acho que tínhamos ritmo para chegar ao Q3, mas a chuva nos ajudou ainda mais a salvar um jogo de pneus para amanhã. Nós estávamos competitivos em todo o final de semana, me sentia feliz no carro”, declarou.

Apesar de ter liderado o primeiro treino livre, com Mark Webber, a Red Bull vem sofrendo na Malásia com uma forte degradação nos pneus. Por causa disso, a equipe optou apenas por economizar a borracha ao máximo neste sábado. Assim, Vettel evitou dizer se conseguiria superar Nico Rosberg – o mais veloz no Q2 – se a chuva não tivesse chegado.

“O ritmo do Q2 foi rápido, uma volta muito boa, e eu não se tínhamos um carro forte o bastante. Se dava para superar aquele tempo ou não, eu não sei”, disse.

O piloto, por fim, explicou que a estratégia da equipe taurina era dar o menor número de voltas possível no Q1 e no Q2 para economizar a borracha. Dessa maneira, ainda é cedo para avaliar as chances para a corrida deste domingo.

“É difícil dizer o quão rápido podemos ir se não tentarmos estar a 100%. E podemos dizer que nós tentamos isso. O treino classificatório foi bastante apertado. Com pista seca, eu cruzei a linha de chegada e pensei que talvez não fosse o bastante porque estava tarde. Assim que foi o suficiente, eu voltei aos boxes para tentar salvar pneus”, encerrou.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube