Vettel segue sem rivais na Índia e termina na frente terceiro treino. Senna coloca Williams em sexto

Sebastian Vettel nem precisou se esforçar muito neste sábado (27) no terceiro e último treino livre para o GP da Índia. Com a marca de 1min25s842, o piloto da Red Bull voltou a ditar o ritmo em Buddh e liderou a sessão da manha com tranquilidade. Bruno Senna colocou a Williams em sexto

Sebastian Vettel precisou de apenas de 19 voltas para novamente provar quem manda no circuito de Buddh. Na manhã indiana deste sábado (27), o piloto da Red Bull não encontrou qualquer dificuldade para determinar o ritmo e liderar o último treino livre antes da classificação. Não precisa ser um gênio para cravar que o alemão entra na disputa da pole hoje como o grande favorito. O incrível tempo de 1min25s842 foi só mais uma prova da força do bicampeão na Índia, que foi o único a virar na casa de 1min25s.
 

Sebastian Vettel voltou a comandar o ritmo em Buddh neste sábado  (Foto: Red Bull/Getty Images)

O segundo lugar da tabela foi bastante disputado na parte final da sessão e acabou surpreendentemente nas mãos de Jenson Button, que virou 1min26s034 nos minutos finais. Sem conseguir acompanhar o desempenho do companheiro de equipe, Mark Webber completou a lista dos três primeiros. Lewis Hamilton ainda tentou no fim, mas não passou de um quarto posto, à frente de Kimi Räikkönen. A sexta colocação ficou com Bruno Senna, que passou boa parte em terceiro com a Williams.

A Ferrari continua seu drama no fim de semana indiano. E Fernando Alonso foi o melhor dos carros vermelhos, com um pouco competitivo sétimo lugar. Nico Hülkenberg, Michael Schumacher e Romain Grosjean completaram os dez primeiros. Felipe Massa fechou a atividade em 11°.

Confira como foi o terceiro treino livre da F1 na Índia:

Com apenas uma hora de duração, as equipes não perderam tempo e logo mandaram os carros à pista para iniciar os trabalhos deste sábado. Por causa da pouca aderência do traçado de Buddh, nesta sexta-feira, muitos times não haviam conseguido completar o programa de treinos. Por isso, os pilotos não perderam tempo e logo deram as primeiras voltas de instalação para avaliarem as condições do asfalto.

Quem liderou o primeiro comboio foi Mark Webber, que havia ficado com a segunda colocação no primeiro dia de atividades. Alguns segundos depois, Sebastian Vettel também deixou os boxes da Red Bull. A McLaren, aliás, foi bastante esperta. O chefe da equipe, Martin Whitmarsh, aproveitou para dar uma boa olhada no carro da escuderia rival antes de liberar Lewis Hamilton.

Apesar da movimentação inicial, levou 13 minutos para que algum piloto registrasse a primeira volta rápida. A honra, digamos assim, coube a Kimi Räikkönen, que cravou 1min28s173. Na sequência, Romain Grosjean e Charles Pic também completaram as voltas. Os tempos, no entanto, ainda estavam muito acima de algo que pudesse ser chamado de competitivo.

Nessa tentativa de baixar as marcas, Nico Rosberg se tornou a primeira vítima do treino, ao escapar na curva 8, mas o alemão conseguiu se recuperar e retornar ao treino.

O domínio de Räikkönen, aliás, não durou muito. O piloto logo foi batido pela dupla da Red Bull, que colocou Mark Webber na frente, com 1min26s887. Alguns segundos depois, foi a vez de Sebastian Vettel pular para a primeira colocação, com 1min26s822 e mostrar que a escuderia austríaca é, sim, o adversário a ser batido em Buddh.

Nesses primeiros minutos da sessão, quem também mereceu destaque foi Bruno Senna. O brasileiro conseguiu o quinto melhor tempo, ficando atrás apenas dos dois carros da Red Bull, além de Räikkönen e de Lewis Hamilton, o quatro colocado. Pastor Maldonado era o oitavo.

Enquanto isso, a briga rubro-taurina continuava. Na passagem seguinte, Webber cravou 1min26s657, pulando para o comando do treino. Só que Vettel veio forte logo atrás, pulverizando o tempo do companheiro de equipe em cerca de 0s5. No fim, o germânico anotou 1min25s892, destruindo a concorrência.

Com 30 minutos para o fim da atividade, Hamilton marcou 1min26s151 e assumiu a segunda colocação, ficando apenas 0s3 atrás de Vettel. A Red Bull parecia invencível, mas o britânico começou a mostrar que era possível, sim, chegar próximo da equipe austríaca.

Logo depois, foi a vez de Felipe Massa marcar a volta rápida. Com o primeiro giro rápido deste sábado, o brasileiro pulou para o 11º posto, antes de abrir uma nova passagem. Quando voltou a cruzar a linha de chegada, o piloto da Ferrari ganhou apenas duas posições, indo para nono. Como Alonso era apenas o 18º, a impressão é que a escuderia italiana aproveitou a segunda atividade para avaliar os pneus. Na nova volta, o espanhol conseguiu melhor um pouco mais, subindo para sétimo.

Faltando 20 minutos, Nico Hülkenberg foi o primeiro piloto a completar uma volta com pneus macios. Com isso, o alemão marcou o quarto tempo, sendo 0s6 mais lento que Vettel.

Nessa perseguição o piloto alemão, quem não deu sorte foi Mark Webber. O australiano voltou à pista ainda com pneus duros, mas acabou rodando na entrada dos boxes, sendo obrigado a recolher para a garagem. Quase ao mesmo tempo, com o pneu mais mole, Senna voltou a andar bem, colocando o carro da Williams em terceiro.

Faltando menos de cinco minutos para o fim, Jenson Button veio rasgando nas duas primeiras parciais e parecia que ia desbancar Vettel. No entanto, o britânico acabou perdendo muito tempo na parte final e ficou em segundo, 0s3 atrás do adversário. O germânico, aliás, também melhorou logo em seguida, mas foi só alguns milésimos mais veloz do que já havia conseguido.

Apesar disso, essa melhora foi o suficiente para que conseguisse garantir a primeira colocação pela terceira vez no final de semana indiano. Jenson Button encerrou em segundo, assim como já havia acontecido no primeiro treino livre, enquanto Mark Webber foi o terceiro. Entre os brasileiros, Bruno Senna foi o sexto, quase 1s mais rápido que Pastor Maldonado, enquanto Felipe Massa terminou em 11º.

F1, GP da Índia, Buddh, treino livre 3:

 

 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube