Vettel vê aumento drástico da exigência física na F1, mas Verstappen discorda: “É parecido com o ano passado”

O que se esperava antes do começo da temporada 2017 era que a F1 tivesse carros claramente mais fisicamente exigentes que os do ano passado. Mas nem todo mundo concorda. Embora Sebastian Vettel e Nico Hülkenberg vejam uma clara mudança, Max Verstappen acredita que a diferença para os carros de 2016 não é tão grande - se é que há alguma

 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

A 'nova F1' prometia ser mais rápida e mais difícil para os pilotos do ponto de vista físico. Agora a temporada de fato chegou, e a realidade parece ser que realmente a vida das pessoas atrás do volante foi dificultada por carros mais exigentes fisicamente. O que se esperava, porém, era total concordância dos pilotos sobre a maior dificuldade  – mas existe quem discorde, como ficou claro durante a coletiva de imprensa da FIA que abriu as atividades do fim de semana do GP da China, nesta quinta-feira (6). 

 

window._ttf = window._ttf || [];
_ttf.push({
pid : 53280
,lang : “pt”
,slot : ‘.mhv-noticia .mhv-texto > div’
,format : “inread”
,minSlot : 1
,components : { mute: {delay :3}, skip: {delay :3} }
});

(function (d) {
var js, s = d.getElementsByTagName(‘script’)[0];
js = d.createElement(‘script’);
js.async = true;
js.src = ‘//cdn.teads.tv/media/format.js’;
s.parentNode.insertBefore(js, s);
})(window.document);
Vencedor do GP da Austrália, Sebastian Vettel foi um dos que falou sobre o assunto. Para o tetracampeão, apesar da pista de Melbourne não ser a mais exigente, está claro que a mudança é drástica.

 
"Mais difícil que ano passado", disse sobre guiar os F1. "Não é apenas que os carros são mais rápidos, nós também temos muito mais combustível. Temos que cuidar dos pneus por mais tempo para garantir que durem. Mas, claro, em termos de curvas de alta velocidade, são os carros mais rápidos que já tivemos. Acho que para todos nós a mudanças foi drástica", seguiu.
 
"Melbourne não é a pista mais física historicamente, então tenho certeza que será pior em outras pistas", afirmou.
 
Max Verstappen, no entanto, foi por outra direção. Disse que se preparou e que não sentiu diferença dos carros de 2016 para os da geração 2017. Mas ponderou que, aos 19 anos, ainda está em fase de crescimento e vai ficando com um corpo mais capaz de lidar com a exigência física do que nas temporadas iniciais.
Max Verstappen confia no trabalho da Red Bull para reduzir diferença para as rivais (Foto: F1/Twitter)
"Sebastian está andando 1s mais rápido todas as voltas, então com certeza é mais físico", brincou. "Foi tudo bem. Eu treinei bastante no período da pré-temporada, então para mim pareceu bem parecido com ano passado – mas eu também ainda estou ficando mais velho e mais forte normalmente. Foi tudo bem. Eu não precisei beber muito líquido", afirmou.
 
O outro piloto presente na coletiva, Nico Hülkenberg, foi mais na linha de Vettel. Para o vencedor das 24 Horas de Le Mans de 2015, o GP da Austrália realmente não é a prova mais difícil, mas está evidente que os carros são complexos.
 
"É verdade que não foi a corrida mais fisicamente desafiadora [o GP da Austrália], mas pergunte de novo depois do GP da Cingapura. Tenho certeza de que vocês verão alguns pilotos bem cansados depois dele", encerrou.

O GP da China, o segundo do campeonato, acontece neste fim de semana, e o GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades em Xangai AO VIVO e em TEMPO REAL.

 

PADDOCK GP #72 TRAZ ÁTILA ABREU E DISCUTE ETAPAS DA STOCK CAR, F1, INDY E MOTOGP

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “8352893793”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 250;

fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube