Williams associa crescimento na Fórmula 1 à ousadia: “Não temos muito a perder”

Equipe marcou todos os seus 23 pontos do ano nas últimas cinco corridas, e chefe de performance vê ousadia do time como fundamental para subida na tabela

Antepenúltima colocada no Mundial de Construtores, a Williams teve uma subida de produção inegável na segunda metade da temporada 2021. Nas últimas cinco corridas disputadas, foram 23 pontos conquistados, o que dá a totalidade dos tentos que tem no campeonato. Em todas as corridas anteriores – e em todo o ano de 2020 -, nenhum ponto havia sido somado. E justamente a dificuldade da equipe em somar pontos que ajudou a gerar novas possibilidade de terminar dentro do top-10.

É claro que a não-corrida em Spa, devido à chuva, fortaleceu o cenário: os pilotos não trocaram de posições, recebendo pontos de acordo com suas posições de largada, com George Russell na segunda colocação e Nicholas Latifi em nono. Assim, foram somados 10 pontos apenas nessa etapa (a pontuação foi distribuída pela metade, já que houve apenas uma volta e atrás do safety car).

“Tomar boas decisões te encoraja a tomar mais boas decisões, isso definitivamente ajuda”, disse Dave Robson, chefe de performance da Williams. “O carro não é tão ruim. Com pouco combustível na pista seca ainda não tem o ritmo que a gente gostaria, mas tudo bem, é algo que podemos trabalhar, como temos feito nos últimos anos”, afirmou.

Russell conseguiu chegar ao Q3 quatro vezes nesta temporada, mas o dirigente da equipe de Grove acredita que a Williams ainda não pode se dar ao luxo de esperar por uma vaga na fase final de classificação em todas as etapas. Segundo Robson, é questão de tomar as decisões certas, já que o 10º lugar passa a ser o pior dos cenários.

“Quando chegamos ao Q3 nessas circunstâncias, não temos muito a perder. Os times que esperam estar entre os três ou cinco primeiros têm muito a perder, porque se a opção for errada e os slicks derem errado, não haverá tempo para trocar por intermediários e fazer uma boa volta. É bem mais difícil para os times mais fortes arriscarem assim”, avaliou.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

GEORGE RUSSELL; FÓRMULA 1; GP DA BÉLGICA; SPA
Russell conquistou a segunda posição na largada em Spa sob condições extremas (Foto: Williams Racing)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Robson destacou a capacidade da equipe de ousar, já que em certas situações, a Williams não tem nada a perder. Por exemplo, no Q3 da classificação para o GP da Rússia, Russell foi o primeiro a decidir por pneus slick, faltando apenas seis minutos para o fim do treino, em decisão que depois foi seguida por todos. Deu certo, e o inglês se classificou na terceira posição.

“Ficamos felizes em tentar. Já estamos felizes, na verdade, com o décimo lugar. Então nos dá a liberdade de tomar essas decisões. Outra coisa que faz a diferença é ter um bom grupo de pessoas sendo colocadas em uma posição em que conseguem fazer um bom trabalho”, elogiou.

Para o próximo ano, com todas as mudanças que serão feitas no regulamento, ainda não se sabe ao certo qual será a disposição de forças na F1. De acordo com Robson, quanto mais rápido o carro for, mais a pressão aumentará na garagem para que as decisões corretas sejam tomadas. E nem todos na Williams possuem experiência com um carro que corra para vencer.

“Fizemos muito esforço nos últimos anos para manter os padrões altos. Sei que quanto mais o carro ficar rápido – e espero ver uma grande evolução ano que vem no ritmo do carro – a pressão também vai aumentar. Estamos em uma posição em que temos muito a ganhar, mas pouco a perder, o que tira um pouco da pressão. Será uma situação diferente para várias pessoas no time, que não têm muita experiência operando um carro rápido. Será uma pressão diferente”, concluiu.

Os 23 pontos marcados pela Williams até aqui se dividem em apenas quatro etapas: 10 na Hungria, 10 na Bélgica, dois na Itália e mais um na Rússia. Destes, 16 foram marcados pelo inglês Russell, que em 2022 será companheiros de Lewis Hamilton na Mercedes, e os outros sete por seu companheiro Latifi. A equipe é a 8ª colocada, à frente de Alfa Romeo (7) e Haas (0).

LEIA TAMBÉM
Com Russell em 2º na Bélgica, Williams tem melhor resultado na F1 desde fim de 2014

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar