Wilson Fittipaldi Júnior, 1943-2024

Wilson Fittipaldi Júnior morreu nesta sexta-feira (23) e deixa registrado uma bela contribuição para o crescimento do automobilismo no Brasil

O automobilismo brasileiro perdeu nesta sexta-feira (23) um de seus grandes nomes. Filho do “Barão” Wilson e irmão do bicampeão mundial Emerson, Wilson Fittipaldi Junior foi um histórico nome do esporte a motor no país, correndo na Fórmula 1 e sendo responsável por um dos mais ousados projetos já vistos no automobilismo nacional, fundando a CopersucarFittipaldi, única equipe brasileira no grid.

Antes de chegar à F1 em 1972, Wilsinho deu os primeiros passos no automobilismo na década de 1960. Fittipaldi guiou uma variedade de carros, tanto de monopostos como de turismo, e se destacou ao construir carros de corrida vencedores quando participou das provas no automobilismo brasileiro, na Fórmula Vee, com o irmão Emerson.

Relacionadas


O primeiro passo no automobilismo internacional foi em 1970, quando correu na Jim Russell Driving School com o chassi Lotus 59 na Fórmula 3 britânica. Com duas vitórias e cinco pódios, Wilsinho fechou o ano na quarta colocação, dividindo o grid com nomes como James Hunt e José Carlos Pace.

Isso lhe permitiu avançar para a Fórmula 2 Europeia em 1971 defendendo a Bardahl. Em mais uma campanha convincente, tendo como rivais Ronnie Peterson, Carlos Reutemann e Niki Lauda, Fittipaldi terminou a temporada no sexto lugar, tendo como melhor resultado a terceira posição na prova disputada em Hockenheim

Wilsinho Fittipaldi foi um dos grandes nomes do automobilismo brasileiro (Foto: Reprodução/Instagram)

O resultado foi o suficiente para garantir um contrato com a Brabham na Fórmula 1 em 1972. No ano de estreia na principal categoria do esporte a motor, teve o sétimo lugar nos GPs da Espanha e da Alemanha como melhores resultados. Porém, acabou terminando a temporada zerado, uma vez que apenas os seis primeiros marcavam pontos naquela época.

Foi em 1973, no entanto, que Wilsinho Fittipaldi desencantou e marcou os primeiros pontos na Fórmula 1. O primeiro deles foi fruto do sexto lugar conquistado logo na primeira corrida daquele ano, na Argentina. Depois, somou mais dois tentos ao terminar a corrida na Alemanha em quinto.

Em 1974, cansado de ser tratado como segundo piloto dentro da equipe, Wilson Fittipaldi deu uma pausa na pilotagem e voltou o foco para a criação da primeira equipe de Fórmula 1 totalmente brasileira. Uma das premissas do então chefe era que, além dos trabalhadores envolvidos no projeto, o carro também deveria ser o mais nacional possível. Para viabilizar a ideia, foi atrás de fornecedores parceiros que topassem encarar o desafio.

Algumas empresas que entraram como fornecedoras auxiliaram com componentes como caixa de direção, rodas e peças fundidas, rolamentos e carbonos especiais. A Embraer também entrou na jogada com experiência na produção de aviões e fabricou o chassi e o túnel de vento para desenvolver a carroceria. O apoio financeiro veio da cooperativa de produção de açúcar Copersucar. Com isso, o Copersucar-Fittipaldi FD01, primeiro carro da escuderia, foi quase todo construído no Brasil, com exceção apenas do motor Cosworth, o câmbio e os pneus Goodyear.

No entanto, a estreia em 1975 não foi das melhores e, após as 14 etapas daquele ano, a temporada chegou ao fim e o time brasileiro terminou o campeonato zerado, tendo o 10º lugar nos Estados Unidos como melhor resultado.

Em 1976 o bicampeão Emerson abraçou de vez o projeto do irmão, deixando a McLaren e se tornou titular na Copersucar-Fittipaldi. A chegada do bicampeão ainda aumentou a estrutura da equipe, que passou a contar com um segundo carro, guiado por Ingo Hoffmann. Assim, a escuderia fechou o ano com três pontos, graças ao sexto lugar que Fittipaldi conquistou nos GPs dos Estados Unidos, Mônaco e Inglaterra.

Emerson Fittipaldi e Keke Rosberg conquistaram pódios com a Copersucar na F1 (Foto: Reprodução)

Na temporada seguinte, mais um avanço. Emerson pontuou em quatro oportunidades, sendo três delas com o quarto lugar (Argentina, Brasil e Holanda), e um quinto posto, nos Estados Unidos. Isso resultou em 11 pontos e o nono no Mundial de Construtores. O crescimento fez a equipe mudar sua sede do Brasil para a Inglaterra.

Mas foi em 1978 que a Copersucar-Fittipaldi teve a melhor campanha de sua história e começou a colher os frutos do árduo trabalho. Logo no segundo GP do ano, na estreia do autódromo de Jacarepaguá, no Rio de Janeiro, na F1, Fittipaldi terminou a corrida em segundo, cravando o primeiro pódio da equipe em casa. Naquela temporada, embora estivesse com apenas um carro no grid, o time brasileiro ficou com o sétimo posto entre os construtores com 17 tentos e à frente de nomes como Williams, Renault e McLaren.

Depois da boa performance em 1978, Wilsinho decidiu que era hora de investir ainda mais pesado no projeto e, para 1979, contratou Ralph Bellamy a peso de ouro. O objetivo era que o engenheiro outrora da Lotus construísse um carro tão bom quanto o do time britânico. O resultado, no entanto, foi totalmente o contrário do esperado, o bólido não performou bem e a equipe regrediu. Somou apenas um ponto no GP da Argentina e foi 12º entre os construtores.

O regresso resultou em matérias extremamente negativas nos jornais do país, o que atrapalhou os planos da equipe. Com isso, fizeram inúmeras piadas com o projeto brasileiro, o que fez a Copersucar encerrar o patrocínio ao fim de 1979.

Para 1980, Wilsinho precisou ir atrás de um novo patrocinador, e conseguiu o apoio da cerveja Skol. A campanha até foi melhor que a do ano anterior e também marcou a aposentadoria de Emerson na F1. Ao todo, foram dois pódios, um com Keke Rosberg e outro com Fittipaldi. No fim, a escuderia ficou com 11 pontos e o oitavo posto na classificação.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

Em 1981, a Fittipaldi já estava completamente endividada, o que tornava inviável qualquer tipo de melhoria no carro. Assim, não conseguiu somar pontos. A última participação da equipe na F1 foi em 1982, quando Chico Serra conseguiu um ponto no GP da Bélgica. Com isso, o time brasileiro encerrou sua trajetória na principal categoria do esporte a motor com 44 pontos e 104 GPs.

Depois de encerrar sua passagem pela Fórmula 1, correu na Stock Car Brasil em diferentes oportunidades entre 1982 e 1996, com direito a um vice-campeonato em 1991. Outro momento de destaque foram as vitórias nas Mil Milhas Brasileiras, em 1994 e 1995. A primeira, inclusive, foi vencida junto do filho Christian. Inspirada na italiana Milli Miglia, as Mil Milhas foram criadas pelo seu pai, Wilson.

Depois de se aposentar como piloto, Wilsinho esteve ligado com a Stock Car em 2004, quando atuou como coordenador-técnico da equipe WB Motorsport, de Washington Bezerra, campeã entre 1999 e 2001. Ainda teve outras participações competitivas no esporte a motor, como a parceria com o irmão Emerson no Brasileiro de GT3, em 2008, além de participação na Copa Chevrolet Montana, em 2011.

Chamada Chefão GP Chamada Chefão GP 🏁 O GRANDE PRÊMIO agora está no Comunidades WhatsApp. Clique aqui para participar e receber as notícias da Fórmula 1 direto no seu celular! Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.