Fórmula E já cogita abandonar corridas de rua: “Se não for seguro, não faremos”

Alejandro Agag, chefe da categoria de carros elétricos, acredita que durante os próximos três anos é possível que a FE não faça corridas de rua em grandes cidades, e sim em autódromos


Com as grandes cidades em todo o mundo respeitando a quarentena e o isolamento social, sem data prevista para o fim da pandemia do novo coronavírus, a Fórmula E, categoria que disputa suas provas em circuitos de rua, já cogita – ao menos por certo período – realizar corridas em autódromos.

Foi o que disse Alejandro Agag, chefe da FE, em entrevista ao 'Motorsport': "Enquanto não for seguro correr em cidades, não correremos em cidades."

"Voltaremos assim que for possível. Então nosso DNA não vai mudar, a FE é criada para correr em cidades, mas enquanto existirem problemas de saúde, todos entendem que teremos que abrir exceções. Espero que essa exceção só dure dois meses."

"Mas pode durar seis meses, um ano, dois anos, até três anos. Acho que o pior cenário é este, de que dure três anos", completou o dirigente.

Alejandro Agag (Foto: FE)

Para Agag, outra mudança – desta vez perene – no mundo do automobilismo será o fim da presença de fãs e convidados no pit-lane e no grid: "Acho que acabou definitivamente. Grandes eventos têm um desafio enorme pela frente. Terão que criar maneiras completamente novas de se fazer as coisas."

"Isso incluia a FE e a F1, esporte a motor em geral. Como vamos organizar isso? Temos planos a curto prazo, a médio prazo e a longo prazo. No mais curto, corridas com portões fechados. Número mínimo de pessoas, aqui na Fe creio que seja menos de mil. Sem público e apenas transmissão", finalizou. 

A FE já suspendeu as corridas de Jacarta, Berlim, Sanya, Roma, Paris e Seul. Londres e Nova York devem ter o anúncio de seu cancelamento logo, já que donos de ingressos receberam aviso de que as etapas não serão realizadas.

Para se declarar um campeão, a FE exige a disputa de no mínimo seis etapas – até o momento, quatro foram realizadas.

Paddockast #58
COMO SERIA O GRID DA F1 SEM PILOTOS DA F1?

Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

assine agora