Di Grassi brilha e vence eP de Berlim 1 em ‘photofinish’ com Mortara

Lucas Di Grassi passou a primeira metade da corrida apenas esperando atrás da dupla da DS Techeetah. Na segunda, com ótima estratégia de uso do modo ataque, ganhou posições e venceu em Berlim. O brasileiro segue na luta pelo bi da Fórmula E

Vitor Fazio analisa: quais pilotos da Fórmula 1 deveriam considerar uma ida para a Fórmula E?

O sábado (14) parecia destinado a terminar com dobradinha da DS Techeetah. Eis que, em uma corrida frenética, tudo mudou: o primeiro eP de Berlim do fim de semana terminou com vitória de Lucas Di Grassi, que acertou em cheio a estratégia de acionamento do modo ataque.

O brasileiro conseguiu usar o acionamento bem melhor do que Jean-Éric Vergne e António Félix da Costa, que despencaram. Restou a Di Grassi apenas superar Edoardo Mortara e Norman Nato, dupla da Venturi, para vencer a segunda no ano.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!
Sem BMW, Andretti renova com Dennis para 8ª temporada da Fórmula E

LUCAS DI GRASSI; EDOARDO MORTARA; BERLIM; FÓRMULA E;
Lucas Di Grassi vence na raça o eP de Berlim 1 neste sábado (Foto: Reprodução)

O auge da briga pela vitória veio justamente na última volta. Di Grassi sofreu grande pressão de Mortara, que chegou a ficar lado a lado na reta de chegada. O suíço chegou a ensaiar ultrapassagem, mas perdeu em um raro ‘photofinish’ da Fórmula E.

Mitch Evans completou o pódio, mas bem atrás dos dois primeiros. Nato salvou um quarto lugar, seguido por Jake Dennis. Jean-Éric Vergne e António Félix da Costa não se recuperaram, terminando em frustrantes sexto e sétimo. A zona de pontos teve ainda Maximilian Günther, René Rast e André Lotterer.

Sérgio Sette Câmara, outro brasileiro do grid, teve um dia apagadíssimo. O brasileiro passou a corrida inteira fora da zona de pontos, sem dar sinais de que tinha velocidade para chegar lá. O 18° lugar é ruim, mas ainda é melhor do que o 22° lugar de Nyck de Vries, líder do campeonato.

Saiba como foi o eP de Berlim 1:

A primeira corrida do fim de semana em Tempelhof seria com sol forte, mas agradáveis 26°C. O céu azul no coração de Berlim era garantia de uma prova com pista seca.

Vergne, pole, manteve a primeira posição na largada. Da Costa não atacou muito, seguindo em segundo. A zona de pontos tinha poucas mudanças, ficando ainda com Di Grassi, Mortara, Nato, Evans, Buemi, Rowland, Wehrlein e Dennis.

Os pilotos estavam agressivos na pilotagem, mas conseguiram evitar acidentes. A única vítima da primeira volta foi Blomqvist, tocado por trás e forçado a abandonar.

A corrida nas primeiras posições era estratégica. Vergne não forçava muito o ritmo, talvez por preferir economia de energia. Da Costa, 0s5 atrás, não vinha para cima, apenas respeitando o companheiro.

Lucas Di Grassi ganhou força na briga pelo título (Foto: Fórmula E)

Foram necessárias seis voltas até que o modo ataque foi acionado pela primeira vez. Lotterer e Sims o fizeram, tentando ir além de 15° e 16°. O mecanismo renderia oito minutos de potência extra, com acionamento único no eP.

O modo ataque logo virou um fator também no top-10. Buemi e Rowland acionaram a potência extra e voltaram ao traçado brigando por posição com Wehrlein. O piloto da Porsche tentou se defender, mas acabou com o pneu traseiro esquerdo furado. Bird, quase ao mesmo tempo, teve problema mecânico e estacionou na pista. O safety-car foi necessário.

A relargada foi dada três voltas depois. Os líderes seguiam colados, mas sem ultrapassagens ou acionamentos do modo ataque. A metade da corrida se aproximava, e com o seguinte top-10: Vergne, Da Costa, Di Grassi, Mortara, Nato, Evans, Dennis, Rowland, Rast e Günther. René era quem mais fazia ultrapassagens.

Rast, voando com o acionamento do modo ataque, seguia voando. O alemão engoliu uma série de pilotos em um curto espaço de tempo, virando o quarto colocado. Só que a ultrapassagem mais importante acontecia na frente: Da Costa superou Vergne, que começou a despencar. O francês perdeu posições também para Di Grassi, Rast e Mortara, virando o quinto colocado.

Edoardo Mortara chegou perto de superar Lucas Di Grassi (Foto: Fórmula E)

A corrida da DS Techeetah parecia sair de controle. Da Costa também perdeu posições para a dupla da Audi, que ficava com Di Grassi e Rast em primeiro e segundo. Não estava claro se era perda de desempenho ou consequência de não usar (ainda) o modo ataque.

A liderança de Di Grassi foi breve, já que o brasileiro também teve de acionar o modo ataque. Mortara e Nato formavam uma dobradinha da Venturi em uma corrida progressivamente mais frenética.

Mortara e Nato logo ficaram sem mais modo ataque. Di Grassi ainda tinha e ficava em posição favorável na briga pela vitória. Na volta 27, Lucas virou líder como quem tira doce da mão de criança.

A briga, entretanto, ainda era intensa pelas outras posições do pódio. Mortara passava a ser seguido por Evans, que superou Nato. Dennis, Vergne, Da Costa, Günther, Rast e Lotterer fechavam a zona de pontos.

Enquanto Evans e Nato brigavam, Di Grassi e Mortara disparavam na liderança. O brasileiro não tinha tanta velocidade assim sem o modo ataque, abrindo caminho para uma briga boa entre os dois. O suíço pressionou e, mesmo quase ultrapassando na última volta, teve de se contentar com o segundo lugar.

Fórmula E 2021, eP de Berlim, Alemanha, Corrida 1:

1L DI GRASSIAudi38 voltas 
2E MORTARAVenturi Mercedes+0.141 
3M EVANSJaguar+5.499 
4N NATOVenturi Mercedes+5.589 
5J DENNISBMW+5.830 
6J.E VERGNEDS Techeetah+6.411 
7A.F DA COSTADS Techeetah+6.777 
8M GÜNTHERBMW+7.562 
9R RASTAudi+7.798 
10A LOTTERERPorsche+14.124 
11S BUEMINissan+15.546 
12S VANDOORNEMercedes+16.214 
13O ROWLANDNissan+16.814 
14N CASSIDYVirgin Audi+16.917 
15R FRIJNSVirgin Audi+21.278 
16J ERIKSSONDragon Penske+23.666 
17A SIMSMahindra+29.019 
18S. SETTE CÂMARADragon Penske+30.962 
19O TURVEYNIO+33.199 
20A LYNNMahindra+33.438 
21P WEHRLEINPorsche+33.781 
22N DE VRIESMercedes+1 volta 
23T BLOMQVISTNIO NC
24S BIRDJaguar NC
COMO SAÍDA DA AUDI DEIXA VAZIO NO GRID DA FÓRMULA E

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar