No dia do aniversário, Abt se aproveita de erros de Rosenqvist e Mortara e vence segunda corrida do eP de Hong Kong

Após uma primeira corrida alucinada da Fórmula E em Hong Kong, a corrida deste domingo (3) terminou com o novato da Venturi, Edoardo Mortara, entregando uma vitória categórica para Daniel Abt por conta de uma rodada. Algo semelhante ao que o líder anterior, Felix Rosenqvist, havia feito. Mesmo assim, o sueco e o italiano foram ao pódio. Sébastien Buemi e Lucas Di Grassi seguem sem pontos

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Apesar de algumas situações incomuns até antes da largada, a segunda corrida do fim de semana da Fórmula E em Hong Kong, neste domingo (3), não foi tão fora da normalidade. No que diz respeito especificamente à briga pela vitória, a grande mudança chegou logo na primeira curva: Felix Rosenqvist, o pole, rodou sozinho e entregou a posição de bandeja para Edoardo Mortara. O novato da categoria então soube controlar a corrida irrepreensivelmente e nunca foi ameaçado de fato. Até que duas voltas antes do fim também errou sozinho e rodou. Vitória nas mãos de Daniel Abt – é a primeira vitória do ex-DTM no campeonato dos monopostos elétricos.

 
O fato mais incomum chegou quando os pilotos estavam no meio dos procedimentos de largada e, misteriosamente, a partida foi adiada. O problema foi com as luzes do semáforo, algo que não teve solução imediata. Resultado: o safety-car entrou na pista driblando os carros enfileirados para liderar uma segura primeira volta.
 
Na partida, Rosenqvist errou e deixou Mortara na frente com Daniel Abt e Mitc Evans logo atrás. Briga pela vitória? Não chegou exatamente. Mortara foi desafiado para valer apenas por Nick Heidfeld, que era retardatário após seu carro desligar, mas estava extremamente veloz. Fora isso, nada que o incomodasse. Um erro completamente sozinho, parecida a de Rosenqvist, jogou tudo na mão de Abt.
 
Rosenqvist, fora a rodada, se apressou para começar a recuperação e acabou tocando Luca Filippi, que largava bem e nada tinha com a história. O sueco caiu para 12º, mas colocou a cabeça no lugar e começou a limpar o caminho. Tanto foi que chegou ao pódio. Abt, Rosenqvist e Mortara nessa ordem. Mitch Evans, Jean-Éric Vergne, Sam Bird, Oliver Turvey, Maro Engel, Nicolas Prost e Alex Lynn fecharam o top-10 – Rosenqvist teve a melhor volta dentre aqueles elegíveis para receber ponto.
Daniel Abt (Foto: Audi)

Confira como foi a corrida:

A largada foi atrasada por alguns minutos por problemas nas luzes do circuito. Com comandos manuais, os pilotos foram chamados para as posições de largada e o safety-car foi chamado para liderar os carros na primeira volta. Em cena no mínimo incomum, o safety-car foi cruzando por entre os carros enfileirados para preparar a partida.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Com a punição imposta a Mitch Evans, que caiu duas posições por conta do gasto excessivo de energia na Superpole, Edoardo Mortara foi quem herdou a primeira fila. E rapidamente já era ele quem liderava a corrida. Isso porque, logo na primeira curva após a bandeira verde, Felix Rosenqvist rodou sozinho e caiu para o meio do pelotão. Enquanto tentava se recuperar, tocou Luca Filippi e jogou o novato da NIO para as barreiras e o último lugar.

 
Nelsinho Piquet largou muito bem e saltou de 12º para oitavo acompanhado por Sam Bird, que subiu de 14º para nono – e com direito a uma linda manobra contra Nicolas Prost. Um pouco mais atrás, Nick Heidfeld parou na pista. Num dos problemas eletrônicos que a FE tem tido como comuns, logo na sequência a máquina da Mahindra voltou ao normal e Heidfeld foi para a melhor volta: mas no último lugar da corrida.
 
O resultado do FanBoost: Kamui Kobayashi, Filippi e Daniel Abt foram os agraciados.
 
Abt e Evans pareciam em condições para atacar o novato Mortara, mas não foi o que aconteceu no primeiro momento. Após 12 voltas, tinha 1s6 de vantagem na ponta.
 
Enquanto Buemi ganhava algumas posições no fim do grid e aparecia em 15º, Lucas Di Grassi se via preso atrás de Nicolas Prost pela última colocação dos pontos. Para Piquet, no entanto, uma queda sequencial de posições o pôs atrás de Bird, Di Grassi, Prost, Maro Engel e André Lotterer em questão de instantes.
 
Di Grassi conseguiu tirar Prost da frente na 15ª volta, mas uma questão se mostrava evidente: a Renault não era rápida em ritmo de corrida em Hong Kong. Mais na frente Rosenqvist seguia a toada da recuperação e ultrapassava Oliver Turvey para assumir o sétimo posto.
Na liderança, Mortara estava singrando a corrida de forma muito tranquila. A primeira vez que sofreu uma ameaça real foi de Heidfeld. Sim, isso mesmo. O piloto alemão, que foi para o fim do pelotão por problemas do carro, estava tão rápido que apareceu logo atrás do líder após a troca de carro e começou a perseguir como quem brigava pela vitória. Mortara se incomodou um pouco, mas tratou de evitar maiores problemas.
Sam Bird (Foto: DS Virgin)
A situação foi ruim para António Félix da Costa, que vinha na quarta colocação e depois do pit-stop saiu da zona de pontos. De outro lado, Rosenqvist entrou na zona de pódio à frente de Vergne e Evans. 7s atrás de Abt com seis voltas para o fim, o sueco havia chegado onde era possível a não ser que alguma outra coisa diferente acontecesse.
 
Outra coisa diferente aconteceu.
 
Porque Mortara, que controlava a corrida com uma segurança ímpar, rodou sozinho a duas voltas do fim – bem parecido ao erro de Rosenqvist. Abt herdou a primeira colocação e a vitória, claro, enquanto Felix passou para assumir o segundo posto. Mortara, apesar do erro, se segurou em terceiro.
 
Na disputa pela 13ª colocação na última curva, Piquet entrou na reta por dentro e André Lotterer foi direto no muro. Completou a corrida, mas nem conseguiu levar o carro para casa sem a ajuda de um guincho.
 
Abt venceu, de fato, e realmente com Rosenqvist e Mortara no pódio. Evans, Vergne, Bird, Turvey, Engel, Prost e Alex Lynn fecharam a zona de pontos. Como Di Grassi, 15º, teve a melhor volta, então Rosenqvist, melhor volta do top-10, fica com o ponto extra.

Mais de três horas depois do fim da corrida, a categoria informou a desclassificação de Abt, alterando completamente a classificação do campeonato ao dar a vitória para Rosenqvist.

FE, eP de Hong Kong 2, Classificação Final com a desclassificação de Abt:

1 FELIX ROSENQVIST SUE MAHINDRA 45 voltas  
2 EDOARDO MORTARA SUI VENTURI +7.031  
3 MITCH EVANS NZL JAGUAR +10.619  
4 JEAN-ÉRIC VERGNE FRA TECHEETAH +12.593  
5 SAM BIRD ING VIRGIN DS +12.879  
6 OLIVER TURVEY ING NIO +14.199  
7 MARO ENGEL ALE VENTURI +15.676  
8 NICOLAS PROST FRA RENAULT +18.905  
9 ALEX LYNN ING VIRGIN DS +19.025  
10 SÉBASTIEN BUEMI SUI RENAULT +22.139  
11 ANTÓNIO FÉLIX DA COSTA POR ANDRETTI +23.359  
12 NELSINHO PIQUET BRA JAGUAR +27.904  
13 ANDRÉ LOTTERER ALE TECHEETAH +28.591  
14 LUCAS DI GRASSI BRA AUDI ABT +39.137  
15 JÉRÔME D'AMBROSIO BEL DRAGON +55.189  
16 NICK HEIDFELD ALE MAHINDRA +1 volta  
17 KAMUI KOBAYASHI JAP ANDRETTI +1 volta  
18 NEEL JANI SUI DRAGON +1 volta  
19 LUCA FILIPPI ITA NIO +9 voltas NC
20 DANIEL ABT ALE AUDI ABT   DSQ

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube