Pouco menos de dois meses antes da corrida, Fórmula E define traçado do primeiro eP de Zurique

Há mais de 63 anos que a Suíça não permite uma corrida de automóveis. Mas a Fórmula E, sem poluentes e segura para pilotos e espectadores, tem permissão e vai disputar o eP de Zurique no próximo dia 10 de junho. O traçado terá 2,4 km e 11 curvas

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

O evento já estava garantindo há meses, mas a Fórmula E anunciou nesta terça-feira (3) o traçado onde vai estrear o eP de Zurique. A corrida é um desejo antigo da categoria e tida como um marco, visto que a última vez que a Suíça permitiu uma corrida de carros a ser disputada em solo nacional aconteceu há mais de 62 anos. A categoria publicou os dados do traçado em seu site oficial – a venda de ingressos abre na semana que vem.

 
O circuito terá extensão de 2,4 km e 11 curvas. Os carros irão passar às margens do Lago Zurique e por dentro do Arboretum – uma espécie de parque que conecta o centro urbano de o lago em curtas caminhadas. O centro histórico da cidade também receberá os bólidos, enquanto a reta de largada será no Porto de Enge.
 
O eP de Zurique será a décima etapa da Fórmula E na temporada 2017/18 e está marcado para 10 de junho. Com a exclusão da rodada dupla de Montreal, Zurique precede apenas as duas corridas de Nova York, que encerram a temporada. 
 
Antes de chegar a Zurique, os bólidos elétricos passam ainda por Roma, Paris e Berlim. No momento, Jean-Éric Vergne lidera o campeonato com 30 pontos de vantagem para Felix Rosenqvist e 33 para Sam Bird.
A pista de Zurique (Foto: FE)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

As corridas de automóveis foram proibidas na Suíça em 1955, após o grande desastre de Le Mans. Nos meses subsequentes à carnificina vista na pista francesa, vários países da Europa continental tornaram o automobilismo ilegal – Alemanha, Espanha e Suíça foram três deles – por conta da falta de segurança sobretudo para o público. Conforme o esporte foi cumprindo as exigências de segurança, os países permitiram o retorno do automobilismo, mas a Suíça jamais permitiu. 

 
Em 2008, uma audiência pública discutiu a liberação do esporte, mas o parlamento suíço negou – não mais por questões de segurança, mas ambiental: poluentes demais. Em 2014, com o surgimento da FE, a Suíça abriu as portas para qualquer categoria que não emitisse gases poluentes e passou a ser um desejo feroz do diretor-geral Alejandro Agag.
 
A FE segue com o eP de Roma em 14 de abril.
"RIDÍCULO E LEVIANO"

AJUDA DELIBERADA DA HAAS À FERRARI? NÃO FAZ SENTIDO ALGUM

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube