Casagrande admite que aplicou ‘tática Hamilton’ contra Nonô na corrida 1: “Tinha que fazer alguém ultrapassá-lo”

Gabriel Casagrande segurou Nonô Figueiredo de propósito, uma tática que levaria o veterano a ser acertado por Thiago Marques. Seria ótimo para as chances de título do piloto da Renault no Brasileiro de Marcas, mas uma quebra na penúltima volta acabou com tudo

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Gabriel Casagrande teve uma prova decepcionante neste sábado (10). Depois de segurar a liderança nas primeiras voltas e fazer uma prova próxima do ideal, um problema mecânico forçou o abandono na penúltima volta da corrida 1 do Brasileiro de Turismo em Interlagos.
 
A quebra do mocinete tornou inútil a tática aplicada na etapa – Casagrande segurou o grid nas primeiras voltas, na expectativa de forçar perda de posições de Nonô Figueiredo, então líder do campeonato. Sim, é exatamente a mesma coisa que Lewis Hamilton fez com Nico Rosberg no GP de Abu Dhabi.
 
O problema é que, preso atrás de Casagrande, Nonô virou vítima de Thiago Marques – o piloto da Toyota bateu em Figueiredo, que terminou a corrida em oitavo. Seria ótimo para Casagrande, não fosse o abandono.
 
“A gente tinha um carro mais rápido, mas precisou segurar. Se ele (Nonô) terminasse em segundo, o título ficava mais difícil”, explicou Casagrande, falando ao GRANDE PRÊMIO. “Eu tinha que fazer alguém ultrapassar ele. Fui segurando o ritmo, como o Hamilton em Abu Dhabi, até que na sexta ou sétima volta o Thiago (Marques) acabou dando um toque nele. Não era isso que era pra acontecer, mas eles se enroscaram”, completou.
Gabriel Casagrande (Foto: Fernanda Freixosa/Vicar)
Mesmo com o acidente de Figueiredo, Casagrande parte para a última corrida do ano com chances remotas de título. Com 35 pontos em jogo, o piloto da Renault vai precisar reverter 31 de vantagem de Gustavo Martins, novo líder do campeonato.
 
“A corrida estava sob controle, a gente ia se tornar os maiores vencedores da categoria”, disse. “Depois que deu o enrosco eu pude seguir em frente, cuidando o carro, sem subir em zebras, e acabou quebrando. Não acusa, simplesmente quebra. Estava andando bem, tranquilamente, e no meio do Pinheirinho eu fui acelerar e não tinha potência. Fui até o carro parar, quase abrindo a última volta”, lamentou.
 
“Faz parte, o cara lá de cima quis e a gente tem que aceitar. O campeonato ficou muito difícil, mas a gente sabe que fez o nosso dever. Tanto eu quanto a equipe, a gente estava em uma condição perfeita. Bola pra frente. A gente ainda tem muito a conquistar. Não foi esse ano, talvez no próximo”, completou.
fechar

function crt(t){for(var e=document.getElementById(“crt_ftr”).children,n=0;n80?c:void 0}function rs(t){t++,450>t&&setTimeout(function(){var e=crt(“cto_ifr”);if(e){var n=e.width?e.width:e;n=n.toString().indexOf(“px”)

var zoneid = (parent.window.top.innerWidth document.MAX_ct0 = '';
var m3_u = (location.protocol == 'https:' ? 'https://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?' : 'http://cas.criteo.com/delivery/ajs.php?');
var m3_r = Math.floor(Math.random() * 99999999999);
document.write("”);

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar