Indy

Agressivo e cerebral na medida certa, Newgarden acha receita para justo bicampeonato

Josef Newgarden conquistou o segundo título da Indy em Laguna Seca. Em uma temporada afastada do “tudo ou nada”, o piloto da Penske trouxe uma regularidade cerebral e andou com o regulamento debaixo do braço nas corridas finais

Grande Prêmio / GABRIEL CURTY, de São Paulo / GABRIEL CARVALHO, de Campinas
Josef Newgarden é o grande campeão da temporada 2019 da Indy. Neste domingo (22), o americano da Penske selou a conquista com um oitavo lugar em Laguna Seca, confirmando a conquista no estilo que adotou o ano todo: o da regularidade.
 
A realidade é que o título veio com uma pilotagem cautelosa. Após largar em quarto, preferiu não se envolver em disputas, deixando até nomes como Felix Rosenqvist e Sébastien Bourdais o ultrapassarem. Com Alexander Rossi apagado, Simon Pagenaud foi o principal candidato, mas ficou preso atrás de Scott Dixon e estacionado 25 pontos atrás.
 
Não foi também como se o americano tivesse aberto mão completamente de seu estilo, que tenha deixado para trás a agressividade que o fez chegar na Penske com tanta moral, mas é fato que tratou-se de um piloto diferente em relação ao primeiro título, em 2017.
 
Naquela oportunidade, Newgarden foi muito mais atrás dos pontos grandes, teve mais momentos de tudo ou nada, mas isso não rolou em 2019. Agora, para encontrar o rumo do bi, soube ser cerebral em quase todos os momentos, aproveitando-se de uma gordura criada na primeira perna do campeonato e administrando bem.
Josef Newgarden (Foto: Indycar)
Por outro lado, é verdade também que o piloto da Penske não caiu na armadilha de sentar na vantagem. Tudo bem, nas últimas provas não saiu se atirando como um doido, mas também não se conformou com pouco, tentou sempre pódio ou, ao menos, um top-5. Chegou na final com nada menos que 12 em 16 provas, aproveitamento surreal de 75%.
 
Passando pela campanha, dá para dizer que Newgarden tinha cara de campeão desde a primeira corrida da temporada. A estreia teve vitória em St. Pete, depois veio um belo segundo lugar em Austin e aquela que, talvez, tenha sido sua grande exibição sem triunfo de 2019, o quarto lugar no Alabama. Em uma pista em que conta com grande retrospecto, teve um desempenho fabuloso para sair do fim do grid para perto do pódio. Emendou ainda com um segundo lugar em Long Beach.
 
Os tropeços no chuvoso misto de Indianápolis e, principalmente, na corrida 2 de Detroit, quando forçou um contato desnecessário com James Hinchcliffe, e em Mid-Ohio, quando bateu na volta final tentando um pódio, foram apagados com atuações muito consistentes desde o quarto lugar na Indy 500.
 
Vitórias em Detroit, no Texas e em Iowa mostraram como Newgarden teve um ano completo, sendo extremamente competitivo em todos os tipos de pista. Teve ainda pódio em Road America, quarto lugar em Toronto, quinto em Pocono e Portland e um sétimo posto em Gateway - com bastante azar - que ajudaram a construir a campanha vitoriosa de 2019.
 

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.