Indy

Em dia de nova oscilação de favoritos, Dixon se dá bem e Penske preocupa na classificação do Texas

Scott Dixon superou os adversários diretos em mais um dia em que os favoritos ao título tiveram altos e baixos. O neozelandês parte de segundo, atrás de um Takuma Sato que segue tentando tirar pontos dos favoritos. A Penske, por outro lado, preocupou com um ritmo não mais que mediano

Grande Prêmio / GABRIEL CURTY, de São Paulo / GABRIEL CARVALHO, de Campinas
A imprevisibilidade segue sendo a tônica da temporada 2019 da Indy. Na prova que marca a metade do campeonato, a classificação desta sexta-feira (7) para o GP do Texas teve mais um momento de irregularidade de alguns dos favoritos ao título.
 
E é impressionante como a montanha-russa da categoria agiu rápido. No grupo dos quatro protagonistas do grid, quem fez pior na definição do grid foi Alexander Rossi, que chegou no Texas como o mais regular da rodada dupla de Detroit. 
 
Em uma pista que a Andretti demonstrou bom acerto para a classificação, o americano decepcionou, não acompanhou o ritmo que Ryan Hunter-Reay, por exemplo, fez com a pista bem pior e, assim, largará apenas em 11º. Isso quer dizer que, mais uma vez, o californiano vai precisar de uma corrida de recuperação em um oval.
 
"Foi decepcionante. Acho que temos um carro melhor do que mostramos na classificação. Erramos na volta 1, veremos o que aconteceu e trabalharemos, analisar o que deu errado hoje. São voltas rápidas, curtas, mas temos chance de recuperação amanhã", disse Alexander, vice-líder do campeonato.
Alexander Rossi teve um dia muito ruim (Foto: Indycar)
A segunda maior decepção da lista foi Josef Newgarden. Não apenas porque fez a sétima marca, mas porque foi quem encarou a melhor condição de pista na classificação. Tudo bem que o problema maior parece ter sido a Penske, afinal, o leão de treino Will Power foi só 15º, mas é Josef quem sofre pensando no campeonato.
 
Além disso, preocupa, sim, a Penske e a Chevrolet como um todo tomando atraso da Honda em todas as atividades até aqui. A corrida é outro papo, tráfego, longa distância, vácuo, mas preocupa.
 
"Foi um dia ok. Não conseguimos muita velocidade. Quando parecíamos rápidos, ficamos para trás. O carro é bom, acho que vamos ter um bom desempenho na corrida. O motor Chevrolet é ótimo. Espero ter uma boa corrida para o time neste fim de semana, me sinto confiante e acho que teremos um bom carro para amanhã", garantiu Josef, ainda líder do certame.
Josef Newgarden não foi tão melhor que Alexander Rossi (Foto: Indycar)
Depois de treinos livres extremamente medianos, Simon Pagenaud conseguiu bater Newgarden na classificação. Aliás, após classificações tenebrosas, em geral, em 2019. O quinto lugar não é grande coisa, mas o francês pelo menos evoluiu, cresceu no confronto direto e pisou firme para seguir no páreo.
 
Se deixou uma impressão em Detroit de que foi apenas um maio iluminado e nada mais, Simon pode resgatar a confiança dos fãs com um resultado positivo e, quem sabe, sendo o melhor dos postulantes ao caneco.
 
"É divertido pilotar no Texas. É a maior inclinação que veremos na temporada, e isso é corrida pura. Aprendi a amar isso e acho que é a chave aqui. Gosto de estar aqui, de pilotar nesta pista. Você precisa estar pensando e estar à frente das suas ferramentas. O carro muda muito nos stints, e exige bastante do físico, é tudo que gosto", falou Simon, terceiro na tabela de pontos.
Simon Pagenaud parte de quinto no Texas (Foto: Indycar)
E aí que Scott Dixon, que parecia carta fora do baralho no sábado passado e voltou com tudo e meio que do nada no domingo ressurge como figura principal no oval de Fort Worth.
 
O neozelandês perdeu a pole, é verdade, mas foi no detalhe. Mais do que isso, mostrou que velocidade não vai lhe faltar e que o Texas pode ser o palco ideal para engrenar. A previsão é de calor forte, o que pode indicar uma corrida com pouca ação. Convenhamos, Dixon adora isso.
 
"Ficamos menos de um 0s01 atrás. Grande esforço do time hoje. As condições eram duvidosas da noite para o dia. Procuramos isso neste final de semana também. É claro que as condições são diferentes do que veremos na corrida, mas estou otimista que temos um bom carro e estamos prontos para lutar amanhã", descreveu Dixon.
Scott Dixon voltou a viver uma boa fase (Foto: Indycar)
A pole sobrou para Takuma Sato, o grande nome do 'resto do pelotão' no início do ano e, quem sabe, uma quinta via na briga. O japonês é muito instável, perde pontos bobos, mas a RLL está louca para disputar esse título, vem merecendo.
 
Se Sato souber aproveitar melhor as chances que estão aparecendo, pode entrar no páreo. Neste sábado, saindo na frente, tem a chance perfeita para descontar bons pontos para os líderes.
 
"Quero agradecer o time pela oportunidade. Está sendo um grande fim de semana aqui no Texas. Sonhei de ficar com a pole. Falei para os caras que esta é uma das icônicas pistas da Indy, você nunca sabe quem vai vencer até a última volta. Vimos o Graham Rahal ganhando do Hinchcliffe na última curva anos atrás. Realmente, sair da primeira fila aqui é mais seguro, você pode controlar a corrida, o que é mais importante. Mas para conseguir o resultado amanhã, será um cenário diferente. Estar na pole aqui é ótimo, mas qualquer coisa pode acontecer nesta pista. Tenho certeza que o time nos deu velocidade excepcional, é um sentimento ótimo passar pelas curvas. O carro trabalhou muito bem, crédito para os engenheiros, em especial para o Eddie Jones. Estou feliz por eles", afirmou Takuma.

 
Impressionante foi o que - não - fez a Foyt. Com um carro horroroso, o time nem pareceu o mesmo que estava confiante para os ovais. O resultado foi Matheus Leist em 20º e Tony Kanaan em último com toque no muro e tudo.
 
"O carro não virava, e acabei acertando o muro. Precisamos olhar os dados para ver o que aconteceu. Amanhã será uma longa noite para nós, caso não consigamos consertar isso para a corrida", disse Tony.
 
"Dia difícil aqui na pista, para ser sincero. Esse lugar é intimidador, e quando você não se sente bem na pista, é muito difícil. Estamos com dificuldades desde os treinos, e a classificação não foi boa, estou um pouco frustrado. Queremos fazer uma boa corrida neste lugar e fazer bonito na frente do público, vamos ter que trabalhar melhor no carro para a corrida", comentou Matheus.




 
Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo 

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.