Foyt anda para trás em 2019 e dá carro muito aquém do que merecem Kanaan e Leist

A temporada 2019 da Indy chega na metade com a Foyt parecendo estar cada vez mais atrás das principais forças do grid. O veterano Tony Kanaan e o jovem Matheus Leist fazem o que podem, mas seguem tomando atraso dos rivais

A Foyt vive uma temporada complicada. Está aí uma frase que vem se repetindo ano após ano, não é? Em 2019, após metade do campeonato, o time do lendário AJ Foyt aparece se arrastando em boa parte das corridas e, por diversas vezes, tem o pior carro do grid.
 
Para se ter uma ideia, até aqui, em 18 oportunidades somando os dois pilotos brasileiros, foram apenas dois top-10 e ambos em situações que não são comuns ao todo da temporada: um quarto lugar de Matheus Leist na chuva no GP de Indianápolis e um nono de Tony Kanaan na Indy 500 – são apenas cinco ovais no ano.
 
Na pontuação, praticamente uma repetição de 2018. Kanaan fechou o GP do Texas do ano passado com 157 pontos e, hoje, tem 147. Leist tinha 133 e agora aparece com 135. Quase nada mudou.
Tony Kanaan sofre para alcançar resultados com a Foyt… (Foto: Indycar)

O que se vê é uma equipe andando para trás, regredindo mesmo após reestruturações constantes. De 2017 para 2018, veio a primeira, com promessa de mecânicos mais ágeis e engenheiros de renome chegando junto com os novos pilotos. De 2018 para 2019, mais uma, mas as novas peças em nada agregaram até aqui.

 
E o clima na Foyt é de tanto conformismo que o próprio Larry Foyt, presidente da equipe, já fala em "modo reconstrução para 2020". O mesmo admite que o time tem piorado em relação ao ano passado e que, mesmo nos ovais, foco total para o ano, o desempenho não vem sendo dos melhores – o GP do Texas foi péssimo, por exemplo.
 
Mesmo após a Indy 500, de longe a melhor corrida do time em termos de consistência – e até de resultado, com dois top-15 -, Leist foi sincero e admitiu que não é o que espera para sua carreira. E tem toda razão. O garoto já mostrou que merece ter um carro melhor em mãos.
 
“Foi um bom maio para nós. Estou evoluindo a cada vez que volto para essa pista, que é um lugar muito especial e no qual é muito bom andar na frente. Então, o quarto lugar no GP foi meu melhor resultado na Indy até aqui e esse 15º lugar na Indy-500 tem seu valor. Obviamente não é onde eu quero estar andando, não é o que eu quero para minha carreira, mas tudo tem seu tempo e com certeza minha hora vai chegar”, disse Leist semanas atrás.
…assim como Matheus Leist (Foto: IndyCar)

E aí está um ponto importante. Matheus mostrou diversas vezes que pode andar no grupo da frente se tiver equipamento e, mais do que isso, a Foyt trava sua evolução, é quase que uma barreira para seu desenvolvimento e para que sua carreira ganhe maior projeção. Leist ainda é jovem, mas chegou a hora de respirar novos ares, as oportunidades devem aparecer.

 
Para Kanaan, o cenário é bem diferente. Se o companheiro, amigo e quase aprendiz vem no começo da trajetória e não pode andar tanto tempo no fundo do grid, o veterano está na reta final da carreira e já garantiu que só se aposenta quando deixar a Foyt em um lugar melhor.
 
Tony não esconde de ninguém o desejo de seguir e mostra que tem lenha para queimar, especialmente, nos ovais. O brasileiro inclusive demonstra bastante paciência e não mede esforços para fazer o time crescer. O caminho pode ser investir mesmo nos ovais, já que a Foyt parece uma Williams atualmente nos mistos e nas ruas.
 
Impressiona o fato dos brasileiros cometerem tão poucos erros, mesmo parecendo que sempre precisam tirar muito mais do que o carro pode oferecer. O que se pode dizer é que Kanaan merece que as coisas na Foyt funcionem e até que um sonhado segundo anel da Indy 500 venha. Leist, por sua vez, merece um carro melhor e construir uma carreira tão bonita quanto a do companheiro e mentor.
 

Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar