GUIA 2020: Quarteto de novatos chega ao grid com realidades bem distintas

Álex Palou, Dalton Kellett, Oliver Askew e Rinus VeeKay são os estreantes da classe de 2020 da Indy, mas, em comum, praticamente só têm a falta de experiência na categoria, com expectativas e possibilidades bem diversas

GUIA 2020
_Andretti e Ganassi se reforçam, mas Indy começa com Penske favorita
_Chegada da McLaren e oficialização de Herta na Andretti sacodem grid
_Em nome de maior proteção, Indy enfim inaugura ‘Era Aeroscreen’
_Newgarden na frente e trio na cola: a primeira ordem de forças da Indy
_Fé no progresso ou conflito de interesses? A nova estreia de Roger Penske

A classe de novatos da Indy em 2020 conta com quatro nomes que farão boa parte da temporada. No campeonato todo estarão: Oliver Askew, com a McLaren, Rinus VeeKay, com a Carpenter, além de Álex Palou, que vai defender a Dale Coyne. Além deles, Dalton Kellett estará em nove etapas com a Foyt no carro #14. 
 
O Guia da Indy, então, faz um balanço do quarteto, indicando as possibilidades de cada um e um pouco dos currículos, já fazendo projeções para o que está por vir. No fim, são quatro realidades diferentes e, portanto, expectativas que não se conversam muito.
Álex Palou vai correr pela Dale Coyne (Foto: Alex Palou/Twitter)
Nome: Álex Palou
Nascimento: 1º de abril de 1997 (22 anos), Sant Antoni de Vilamajor, Espanha
Melhores resultados: 10º da GP2 2015, 10º da World Series 2017, 7º da F3 Europeia 2018 e 3º da Super Formula 2019
Em 2019: 3º lugar da Super Formula e 15º da Super GT
Equipe: Dale Coyne
Carro: #55
Expectativa para a temporada: briga por pódios
 
Seguindo a ordem alfabética, Palou é o primeiro da lista. Com um currículo que não é dos mais espetaculares, Álex bombou em 2019, se destacando muito no automobilismo japonês, conhecido por ser sempre um desafio dos mais temidos pelos pilotos ocidentais. Na Europa, viveu bons momentos em temporadas que fez apenas partes, mas nunca teve imenso destaque em anos completos.
 
O espanhol vai ser companheiro de Santino Ferrucci na Dale Coyne, ou seja, uma dupla muito jovem em uma equipe de meio de grid. No entanto, o desempenho do próprio Ferrucci em 2019 indica chances boas para Álex, que tende a frequentar o top-10 e pode, quem sabe, beliscar os primeiros pódios da carreira na Indy.
Dalton Kellett vai fazer parte da temporada com a Foyt (Foto: IndyCar)
Nome: Dalton Kellett
Nascimento: 19 de agosto de 1993 (26 anos), Stouffville, Canadá
Melhores resultados: 7º da Indy Lights 2018 e 2019, 10º da Pro Mazda em 2014 e 2015 e 14º da USF2000 em 2012
Em 2019: 7º lugar da Indy Lights
Equipe: Foyt
Carro: #14
Expectativa para a temporada: briga por algum top-10
 
A contratação de Kellett para dividir o #14 da Foyt com Sébastien Bourdais e Tony Kanaan foi uma das maiores surpresas da temporada, mas se explica pelo fato do canadense ter bastante dinheiro. Em oito anos de Road to Indy, pouquíssimo brilho e nenhuma vitória em qualquer uma das três categorias, com resultados bem modestos.
 
Dalton vai disputar apenas nove das 17 provas, então, obviamente, nem matematicamente seria candidato a alguma coisa maior na temporada. No entanto, em uma análise fria, dá para dizer que top-10 em alguma prova já seria uma surpresa vindo do canadense.
Oliver Askew é da McLaren (Foto: IndyCar)
Nome: Oliver Askew
Nascimento: 12 de dezembro de 1996 (23 anos), Melbourne, Flórida, EUA
Melhores resultados: Campeão da Indy Lights 2019, 3º da Pro Mazda 2018 e campeão da USF2000 2017
Em 2019: Campeão da Indy Lights
Equipe: McLaren
Carro: #7
Expectativa para a temporada: briga por vitórias
 
Askew tem um belíssimo currículo. O americano começou relativamente tarde nos monopostos, com 19 anos, mas cresceu de forma impressionante. No Road to Indy, foi praticamente perfeito, dando total pinta de que vai chegar na Indy com bastante maturidade e querendo incomodar.
 
Estamos, possivelmente, falando do grande favorito ao prêmio de novato do ano, não apenas por ter bastante talento, mas pelo fato da McLaren ser, potencialmente, mais forte que Dale Coyne, Carpenter e, principalmente, Foyt. Considerando currículo, momento e o que esperamos da McLaren, Oliver é candidato a vencer corridas.
Rinus VeeKay faz sua estreia com a Carpenter (Foto: Pro Mazda)
Nome: Rinus VeeKay
Nascimento: 11 de setembro de 2000 (19 anos), Hoofddorp, Holanda
Melhores resultados: Vice-campeão da Indy Lighta 2019, campeão da Pro Mazda 2018, vice-campeão da USF2000 2017
Em 2019: Vice-campeão da Indy Lights
Equipe: Carpenter
Carro: #21
Expectativa para a temporada: briga por pódios
 
Mais jovem dos quatro, VeeKay talvez seja o mais promissor. Avaliando apenas tecnicamente, é provável que o holandês esteja na frente até de Askew, que foi seu rival nos últimos três anos no Road to Indy. Vice da Indy Lights, Rinus colocou a Juncos no mesmo patamar da Andretti na disputa.
 
Não é impossível que VeeKay vença provas, mas é, até certo ponto, improvável. A Carpenter não tem conseguido grandes coisas nos últimos tempos, mas entrega a seus pilotos carros bem competitivos nos ovais. De todo modo, há chances de VeeKay já começar sua trajetória na Indy com pódios.
 
Paddockast #50
GRANDES PROMESSAS QUE NÃO VINGARAM

Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experiências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube