Castroneves bate Palou em final espetacular e vence Indy 500 pela quarta vez

Helio Castroneves conseguiu vencer a Indy 500 pela quarta vez. O brasileiro deu um show e, na estreia com a Meyer Shank, bateu Álex Palou em duelo espetacular para igualar o recorde de triunfos na maior corrida do mundo

Helio Castroneves é, oficialmente, o maior da história da Indy 500. Neste domingo (30), o brasileiro deu um show e venceu um duelo espetacular com Álex Palou para levar a maior corrida do mundo pela quarta vez, igualando o recorde de todos os tempos de AJ Foyt, Al Unser Sr. e Rick Mears.

Foi um triunfo incrível do veterano brasileiro. Em pilotagem impecável, Helio, aos 46 anos, levou a melhor em cima de Palou logo em sua corrida de estreia pela Meyer Shank. Foi, justamente em Indianápolis, a primeira vitória da equipe em sua trajetória na Indy.

Palou chegou em segundo depois de trocar a liderança com Helio durante várias das voltas finais. Simon Pagenaud, passando Pato O’Ward no finalzinho, foi terceiro, com Ed Carpenter completando em quinto. Santino Ferrucci, Sage Karam, Rinus VeeKay, Juan Pablo Montoya e Tony Kanaan ficaram no grupo dos dez primeiros.

Josef Newgarden e Scott Dixon passaram longe de qualquer briga. O americano foi o 12º, com o neozelandês em 17º. Pietro Fittipaldi completou sua primeira Indy 500 em 25º.

Helio Castroneves levou a sonhada quarta vitória em Indianápolis (Foto: Chris Jones/Indycar)

Saiba como foi a Indy 500:

Ainda nas voltas de formação, Will Power sofreu um problema de potência com a Penske #12 e precisou passar pelos boxes para ligar o carro apropriadamente. O australiano, por sorte, conseguiu alinhar em sua 32ª colocação antes da largada.

A bandeira verde para a maior corrida do automobilismo mundial veio às 13h47 (em Brasília), com o clima bastante ameno em Indianápolis, com os termômetros marcando 18ºC. Scott Dixon fez uma partida defensiva, se segurando dos ataques de Colton Herta nas primeiras curvas.

Mas Colton assumiu a dianteira logo de cara, deixando Dixon para trás e ainda puxando junto Rinus VeeKay, que engoliu o piloto da Andretti na abertura da volta 3, colocando a Carpenter e a Chevrolet no comando das ações no início do dia.

Tony Kanaan mantinha a quinta colocação, com Helio Castroneves saindo muito bem de oitavo para sexto. Pietro Fittipaldi dava uma leve recuada, de 13º para 16º, enquanto Power, impulsionado pela volta rápida que havia dado para não perder o pelotão, já surgia em 25º.

Will Power tomou um susto antes da largada, mas conseguiu voltar (Foto: IndyCar)

As voltas iniciais eram bastante conservadoras, com poucas mudanças no grupo da frente depois da largada. Mesmo assim, Castroneves deixava Kanaan para trás e entrava no top-5. Com 20 das 200 voltas, a tabela tinha VeeKay, Herta, Dixon, Ed Carpenter, Castroneves, Kanaan, Ryan Hunter-Reay, Álex Palou, Marcus Ericsson e Alexander Rossi.

A primeira janela de pit-stops começava na volta 30, com Fittipaldi indo aos boxes da Dale Coyne e sendo seguido, logo no giro seguinte, pelo então líder VeeKay. Hunter-Reay, Carpenter e Ed Jones fizeram o mesmo. Foi aí que Carpenter teve o primeiro problemão do dia, deixando o carro morrer e perdendo muitas posições.

No meio da confusão com Carpenter, a primeira bandeira amarela do dia. De forma bizarra, Stefan Wilson perdeu o carro e deu no muro dentro do pit-lane, em um acidente que, por sorte, não pegou mecânicos. De todo modo, já era o primeiro abandono do dia com sua Andretti.

Stefan Wilson bateu sozinho no pit-lane e começou uma confusão na Indy 500 (Foto: Indycar)

Aí a corrida resolveu entrar na curva completa da loucura. Dixon, o grande favorito, ficou sem combustível e foi aos boxes, que estavam fechados. Só que o carro não ligou depois, ainda com o efeito da pane seca. O neozelandês perdeu volta, bem como Alexander Rossi, que sofreu exatamente do mesmo problema. A situação se complicava completamente para ambos.

Depois do reposicionamento e de tanta doideira, a corrida tinha Herta na frente, com VeeKay, Conor Daly, Hunter-Reay, Castroneves, Palou, Pato O’Ward, Takuma Sato, Scott McLaughlin e Graham Rahal no top-10. Josef Newgarden já era 12º, com Juan Pablo Montoya logo atrás e Kanaan em 14º. Pietro vinha em 28º.

Uma série de pilotos parava novamente na reta final da amarela, com destaque para as Ganassi de Ericsson e Kanaan, que iam ao fundo do grid numa tática para puxar Dixon para frente. A relargada finalmente vinha na volta 47. E era bastante animada.

Herta segurava a ofensiva agressiva de VeeKay, enquanto Castroneves jantava Hunter-Reay por fora. O brasileiro saía lançado e até passava também Daly, mas logo tomava o troco do americano, que estava extremamente arrojado. Conor, inclusive, passou Herta e VeeKay em poucos giros, puxando um 1-2 da Carpenter, com Herta caindo para terceiro.

O segundo stint era bem mais movimentado que o primeiro e as brigas no pelotão seguiam acontecendo. Helio passava Colton para virar terceiro colocado, enquanto Pato passava Takuma na disputa pelo sexto posto. Enquanto isso, Rossi quase ia ao muro tentando tirar a volta de atraso para Dalton Kellett.

Na volta 68, completando um terço de corrida, VeeKay abria a segunda janela de pit-stops, sendo seguido por Daly, mas que só foi no 71º giro. A Carpenter parecia estar parando muito cedo daquela vez. Tanto é que Castroneves e Herta só iam aos boxes na volta 77, junto com a maior parte do grid.

Alexander Rossi tentava um milagre para voltar para a corrida (Foto: IndyCar)

A janela era finalmente fechada com Rahal e Hildebrand, com o reposicionamento acontecendo na volta 82. VeeKay era novamente o líder, seguido por Daly, Herta, Palou, O’Ward, Hunter-Reay, Castroneves, Rahal, Sato e Newgarden. Pato vinha muito rápido e já tirava Palou do caminho na sequência.

O’Ward seguia muito veloz e a Chevrolet chocava a Indy 500 ao montar uma trinca na volta 85, com VeeKay, Daly e Pato na frente. Herta e Hunter-Reay puxavam a fila de seis Honda, com Newgarden no top-10, observando de perto a disputa.

Chegava a volta 100 e o terceiro stint vinha bastante tranquilo, meio típico do que acontece na Indy 500, com todo mundo guardando a ação maior para o quarto final de corrida. A Penske, então, resolveu arriscar: Newgarden era quem abria a terceira janela de paradas, tentando um undercut em cima dos líderes.

Josef Newgarden surgiu bem no grupo da frente (Foto: IndyCar)

Novamente, VeeKay e Daly iam aos boxes cedo, deixando a liderança da corrida com O’Ward. Quando a dupla da Carpenter voltava para a pista, a grande notícia: ambos estavam atrás de Newgarden, que, do nada, surgia como um real candidato a vencer.

O reposicionamento na pista trazia uma confusão na pista. Newgarden e Herta quase se encontravam, enquanto Castroneves escalava o pelotão na frente dos dois e de VeeKay. Foi aí, enquanto Rahal parava, que Palou surgia na dianteira e puxava Helio junto, passando O’Ward.

Veio, então, a segunda bandeira amarela do dia, encerrando o sonho da primeira vitória para Rahal. A RLL fez um pit-stop tenebroso, soltando o americano de volta para a pista com o pneu traseiro esquerdo solto. Graham nem teve o que fazer, ficou em três pneus e deu no muro. O pneu solto ainda acertou o bico de Daly, mas sem maiores danos. De todo modo, corrida parada.

A ordem apontava Palou, Castroneves, O’Ward, VeeKay, Newgarden, Hunter-Reay, Sato, Herta, Daly e Harvey. Montoya vinha em 11º, com Power em 13º, Kanaan em 20º, Fittipaldi em 25º e Dixon, já na volta do líder, em 26º. O neozelandês estava de volta.

Os pilotos relargaram na 125 e veio a briga de foice no escuro. Castroneves e O’Ward logo tiraram Palou da frente, mas o brasileiro foi superado pelo mexicano logo depois, com Pato virando líder de novo. Palou, se recuperando no stint, passava Castroneves também. Álex virava líder de novo na 131.

Na volta 136, Palou parecia implorar para ser superado, mas Helio estava satisfeito com a segunda colocação naquele ponto da corrida. Newgarden, enquanto isso, parava de novo mais cedo que o resto, caindo para 30º. Daly foi o segundo nos boxes, abrindo de vez a janela.

Palou parava na 148, logo depois de não conseguir colocar uma volta em Newgarden. Castroneves, por sua vez, foi na 150, seguido por O’Ward e Montoya. Na pista restavam apenas Sato, Power, Ericsson, Ferrucci, Rosenqvist, Hildebrand, Fittipaldi, Dixon, Bourdais, Jones, Chilton e McLaughlin.

Takuma Sato liderava a corrida faltando 44 voltas (Foto: IndyCar)

Só que Power não só deixou aquele grupo, mas a disputa da prova, praticamente. O australiano rodou no pit-lane e ficou ali atravessado, perdendo muito tempo, mas sem bater em nada, sem bandeira amarela. A corrida ficava bastante interessante, afinal, o grupo que ainda não tinha parado podia tentar uma tática ousada de só mais um pit-stop. Era o pulo do gato.

Dixon, Bourdais e Jones eram os últimos a parar, já faltando só 40 voltas para o fim. Estava claro: ao menos o trio parecia capaz de ir até o fim da corrida sem mais nenhum pit-stop, embaralhando muito as coisas. No grupo dos que certamente ainda parariam, a ordem era a seguinte: Palou, Castroneves, O’Ward, Hunter-Reay, VeeKay, Herta, Pagenaud, Newgarden, Carpenter e Sato.

Com 31 voltas para a bandeira quadriculada, Newgarden e Daly abriam a janela final de paradas, com Simona junto e rodando no pit-lane, mas no mesmo esquema de Power: sem batida, sem bandeira amarela. Na pista, Helio passava Palou e assumia a dianteira em momento importante.

Pato O’Ward fez mais uma corridaça em Indianápolis (Foto: IndyCar)

O catalão até retomou a posição nos boxes, mas Helio não tomou o menor conhecimento de Palou e deu um passão na reta. Começava uma batalha espetacular entre os dois e O’Ward, que pareciam os três candidatos reais ao triunfo com 25 voltas restando. O brasileiro, então, dançava na reta, cortando o vácuo de Palou da forma que podia.

Álex voltava a passar Helio e os dois iam duelando de forma impressionante. Aquela era a batalha pela quarta colocação, já que Rosenqvist, Hildebrand e Sato ainda tentavam esticar até o fim da corrida sem paradas. A retomada de Castroneves vinha com 18 voltas para o final.

Hildebrand ia aos boxes com 14 giros para o fim e a briga seguia espetacular com Palou, Castroneves e O’Ward vendo Pagenaud chegar junto no bolo. Rosenqvist e Sato mantinham a dianteira, implorando por uma bandeira amarela com só dez giros pela frente, mas virando 10 mp/h mais lentos que os demais.

Simon Pagenaud andou muito bem (Foto: IndyCar)

Faltando 8 voltas, dois momentos que podiam decidir a corrida: Rosenqvist ia finalmente para o pit-stop final, enquanto Castroneves passava Palou. Sato ia aos boxes faltando 7 giros e o cenário estava claro: Helio, Palou, O’Ward e Pagenaud disputavam, de fato, a vitória. E o brasileiro ia na frente.

Palou retomou a dianteira com quatro voltas para a chegada e parecia ter tudo para levar a primeira Indy 500 para a casa, mas parecia que tudo estava escrito para a quarta vez de Castroneves. Quando o catalão pisou muito internamente, o brasileiro aproveitou, deu o bote e reassumiu a liderança para de lá não sair mais.

Nem mesmo um batalhão colossal de retardatários foi capaz de brecar Castroneves, que segurou-se atrás do grupo, não deixou Palou passar e, assim, igualou os maiores vencedores de todos os tempos no oval do IMS.

Indy 2021, 500 Milhas de Indianápolis, Final:

1H CASTRONEVESMeyer Shank Honda2:37:19.385200 voltas
2A PALOUGanassi Honda+0.493 
3S PAGENAUDPenske Chevrolet+0.563 
4P O’WARDMcLaren Chevrolet+0.941 
5E CARPENTERCarpenter Chevrolet+1.242 
6S FERRUCCIRLL Honda+9.088 
7S KARAMDRR Chevrolet+13.436 
8R VEEKAYCarpenter Chevrolet+14.242 
9J MONTOYAMcLaren Chevrolet+14.881 
10T KANAANGanassi Honda+15.443 
11M ERICSSONGanassi Honda+16.517 
12J NEWGARDENPenske Chevrolet+22.305 
13C DALYCarpenter Chevrolet+22.692 
14T SATORLL Honda+23.296 
15J HILDEBRANDFoyt Chevrolet+23.528 
16C HERTAAndretti Honda+28.803 
17S DIXONGanassi Honda+38.641 
18J HARVEYMeyer Shank Honda+40.157 
19M ANDRETTIAndretti Honda+40.359 
20S McLAUGHLINPenske Chevrolet+40.834 
21J HINCHCLIFFEAndretti Honda+40.846 
22R HUNTER-REAYAndretti Honda+41.576 
23D KELLETTFoyt Chevrolet+1 volta 
24M CHILTONCarlin Chevrolet+1 volta 
25P FITTIPALDIDale Coyne Honda+1 volta 
26S BOURDAISFoyt Chevrolet+1 volta 
27F ROSENQVISTMcLaren Chevrolet+1 volta 
28E JONESDale Coyne Honda+1 volta 
29A ROSSIAndretti Honda+2 voltas 
30W POWERPenske Chevrolet+3 voltas 
31S DE SILVESTROParetta Chevrolet+31 voltasNC
32G RAHALRLL Honda+82 voltasNC
33S WILSONAndretti Honda+168 voltasNC

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!
WEB STORIES: Relembre os 10 últimos vencedores da Indy 500

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar