Hildebrand admite temporada “muito dura” em 2017, mas mostra esperança em voltar ao grid pela Dreyer & Reinbold

JR Hildebrand está sem equipe na temporada 2018 da Indy, mas acredita que pode voltar a ser titular pela Dreyer & Reinbold. O americano, no entanto, reconheceu que não teve um grande campeonato em 2017 com a Carpenter

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

JR Hildebrand vive mais um ano sem estar no grid da Indy como titular. Com apenas três temporadas completas na carreira, o americano de 30 anos mira no retorno com a Dreyer & Reinbold, ainda que reconheça que o desempenho em 2017 como titular do #21 da Carpenter não foi dos melhores.

 
A Dreyer & Reinbold tem falado muito em retornar definitivamente ao grid da Indy e bateu bastante na tecla de que precisaria ter uma boa Indy 500. Aí, então, está a vantagem de Hildebrand – 11º – em cima de Sage Karam, que bateu mais uma vez.
 
JR, que foi campeão da Indy Lights em 2009 e defendeu a própria Dreyer & Reinbold em seu ano de novato na Indy, falou com exclusividade ao GRANDE PRÊMIO dos planos para o futuro e do quão difícil foi a experiência com a Carpenter em 2017.
 
"Eu venho de uma temporada muito complicada, no geral. Ao mesmo tempo em que consegui fazer dois pódios e ter boas performances no meu primeiro ano completo em muito tempo, também tive alguns momentos muito ruins que me jogaram para baixo na classificação do campeonato", disse.
JR Hildebrand sonha em voltar ao grid (Foto: Rodrigo Berton/Grande Prêmio)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Para Hildebrand, no entanto, apesar dos resultados terem sido pouco constantes, alguns fatores alheios a sua performance também apareceram.

 
"Vários pilotos que terminaram na minha frente não conseguiram ir ao pódio duas vezes, isso é algo significativo. Acho também que várias provas nossos resultados foram bem piores do que deveriam por diversos fatores que foram acontecendo durante a corrida", seguiu.
 
O californiano não desistiu de retornar ao grid de forma integral e acha que a antiga – e atual também – parceira Dreyer & Reinbold é a melhor das oportunidades.
 
"Voltar para o grid em tempo integral é obviamente a minha meta, mas sei que não é uma questão simples. A Dreyer & Reinbold quer fazer a temporada completa, fiz a Indy 500 com eles, temos uma boa relação, então vamos ver como as coisas acontecem", completou.
 

PADDOCK GP ESPECIAL BAR DO ZÉ #1

AFINAL DE CONTAS, MÔNACO MERECE OU NÃO CONTINUAR NA F1?

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar