Kimball surpreende em classificação totalmente dominada pela Honda e crava pole para etapa do Texas. Kanaan é 4º

Charlie Kimball vai vivendo seu grande dia na Indy. O americano, que foi segundo no TL1, bateu o companheiro de Ganassi Scott Dixon e cravou sua primeira pole na categoria. Tony Kanaan sai em quarto

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

Charlie Kimball conquistou sua primeira pole na Indy nesta sexta-feira (9) no Texas. Surpreendente, o americano, que faz uma de suas piores temporadas na categoria, bateu o companheiro de Ganassi Scott Dixon e, com 46s586, puxou um top-8 todo da Honda no grid de largada.

A Ganassi só não vai ter uma trinca no grid porque Alexander Rossi voltou a andar muito forte. O vencedor da Indy 500 de 2016 superou por 0s1 Tony Kanaan, que vai partir do quarto lugar. 

Tristan Vautier foi a grande zebra do dia. Estreando na temporada neste final de semana, o francês botou a Dale Coyne no quinto posto, superando Max Chilton, Mikhail Aleshin e Takuma Sato, também da Honda.

O melhor piloto da Chevrolet no grid é Will Power, que vai partir da nona colocação. Helio Castroneves teve desempenho parecido com o do colega de Penske e sai na décima posição.

Charlie Kimball cravou a pole no Texas (Foto: IndyCar)

Confira como foi a definição do grid no Texas

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Marco Andretti foi o primeiro a ir para a pista, pontualmente às 17h15 (em Brasília). O americano andou forte e comprovou que os tempos de 2017 vão ficar bem abaixo dos de 2016. O piloto do #27 somou 47s059 em seus dois giros. Na sequência veio Ed Jones, que não parecia muito solto na pista. O britânico combinou para 47s7.

Graham Rahal foi o terceiro a ir para a pista e conseguiu superar Andretti, tendo sido o primeiro a baixar de 47s. Conor Daly veio depois e mostrou que era grande candidato a largar em último, somando 48s107.

Ryan Hunter-Reay e Josef Newgarden eram dois postulantes ao primeiro lugar no grid, mas não tiveram desempenhos tão bons assim. Hunter-Reay superou Andretti por pouco, enquanto Newgarden ficou atrás do piloto do #27.

Scott Dixon (Foto: IndyCar)

Aí foi a vez de Takuma Sato manter o grande momento que vive. Vencedor da Indy 500 e pole da corrida 2 em Detroit, o japonês cravou 46s817 e foi voando para o primeiro lugar. Principal aposta da Chevrolet para a classificação, Ed Carpenter não fez grandes coisas e ficou em quarto dentre os oito já com tempos aferidos.

Will Power e Tony Kanaan foram os pilotos seguintes e fizeram grandes trabalhos. O australiano superou as expectativas e se colocou provisoriamente em segundo, mas logo virou terceiro com uma atuação impressionante do brasileiro, que fez uma exceente primeira volta e somou 46s701, tornando-se líder.

Na sequência, foi para pista um duo que não teve lá grande impacto no grid. James Hinchcliffe fazia o oitavo melhor tempo, enquanto Simon Pagenaud ia um pouco melhor e ficava em quinto.

Depois foi a vez do fenômeno Scott Dixon tentar a sorte. Mais uma vez, o ainda não 100% fisicamente neozelandês teve uma atuação monstruosa, combinando seus giros em 46s594, ficando muito perto da pole. Helio Castroneves veio depois e também mostrou força, colando no companheiro Power, em quinto.

JR Hildebrand, que geralmente guia muito bem em ovais, teve um desempenho opaco, sendo apenas o 13º. Logo depois, a zebraça do dia: Tristan Vautier, em sua estreia na temporada 2017, aproveitou o ótimo carro da Dale Coyne e tomou a terceira colocação de Sato.

A Honda seguia impressionando. Alexander Rossi conseguiu bater Kanaan e colou em Dixon, mas isso logo virou uma terceira posição com um desempenho assustador de Charlie Kimball. O vice-líder do TL1 mostrou que não era fogo de palha e, cravando 46s586, foi para a pole provisória.

Mikhail Aleshin até teve um desempenho bom, mas nada que pudesse assustar os primeiros colocados. O russo se posicionou em sexto, enquanto Gabby Chaves, com a novata Harding, não passou de 19º.

Max Chilton acabou levemente destoando dos companheiros de Ganassi. O britânico ficou no sexto lugar e encerrou a atividade. Tudo isso porque Carlos Muñoz, com problemas mecânicos, não foi para a pista.

Indy, GP do Texas, grid de largada:

1 83 Charlie KIMBALL EUA Ganassi Honda 46.586  
2 9 Scott DIXON NZL Ganassi Honda 46.594 +0.008
3 98 Alexander ROSSI EUA Andretti Honda 46.610 +0.024
4 10 Tony KANAAN BRA Ganassi Honda 46.701 +0.115
5 18 Tristan VAUTIER FRA Dale Coyne Honda 46.745 +0.159
6 8 Max CHILTON ING Ganassi Honda 46.776 +0.190
7 7 Mikhail ALESHIN RUS Schmidt Peterson Honda 46.811 +0.225
8 26 Takuma SATO JAP Andretti Honda 46.817 +0.231
9 12 Will POWER AUS Penske Chevrolet 46.855 +0.269
10 3 Helio CASTRONEVES BRA Penske Chevrolet 46.872 +0.286
11 15 Graham RAHAL EUA RLL Honda 46.924 +0.338
12 1 Simon PAGENAUD FRA Penske Chevrolet 46.947 +0.361
13 28 Ryan HUNTER-REAY EUA Andretti Honda 46.976 +0.390
14 20 Ed CARPENTER EUA Carpenter Chevrolet 47.023 +0.437
15 27 Marco ANDRETTI EUA Andretti Honda 47.059 +0.473
16 5 James HINCHCLIFFE CAN Schmidt Peterson Honda 47.126 +0.540
17 2 Josef NEWGARDEN EUA Penske Chevrolet 47.139 +0.553
18 21 JR HILDEBRAND EUA Carpenter Chevrolet 47.351 +0.765
19 19 Ed JONES ING Dale Coyne Honda 47.710 +1.124
20 88 Gabby CHAVES COL Harding Chevrolet 48.098 +1.512
21 4 Conor DALY EUA Foyt Chevrolet 48.107 +1.521
22 14 Carlos MUÑOZ COL Foyt Chevrolet    

A NOVA F1 SE APROXIMA MAIS DA INDY. E ÁUDIO EM MÔNACO É PROVA

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube