Na Garagem: Blundell bate De Ferran na chegada mais apertada da Indy em mistos

Há exatos 20 anos, Mark Blundell superava Gil de Ferran na chegada mais apertada da história da Indy em circuitos mistos. Apenas 0s027 separaram os dois na linha final. Raul Boesel, o terceiro, também saiu na foto, 0s055 atrás do britânico

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

A CART viveu uma temporada 1997 de consideráveis reviravoltas e muitas alternativas. Das suas 17 provas, certamente a que melhor representou o todo do campeonato foi o GP de Portland, disputado em 22 de junho daquele ano.

 
A corrida, marcada por uma forte chuva que caiu no circuito misto e fez a prova acabar no limite das duas horas com apenas 78 voltas disputadas, entrou para o livro dos recordes da Indy como a que teve a chegada mais apertada da história dos circuitos mistos.
 
Apenas 0s027 separaram Mark Blundell, da PacWest, de Gil de Ferran, da Walker, que parecia pronto para vencer a corrida. De quebra, ainda teve espaço para que Raul Boesel, da Patrick, colocasse o bico de seu carro ao lado dos dois e cruzasse a linha final 0s055 atrás do britânico vencedor da prova. Certamente uma das grandes chegadas da história da Indy.
Na chuva de Portland, Scott Pruett, Alex Zanardi e Mark Blundell (Foto: Reprodução/Twitter)
A categoria, à época, era repleta de brasileiros em seu grid. Maurício Gugelmin, por exemplo, teve uma ótima largada e foi o piloto que mais liderou voltas na corrida, ficando na dianteira por 38 giros até o momento de fazer a última parada nos boxes.
 
Christian Fittipaldi era um dos centros das atenções na etapa de Portland. O brasileiro ficou parado por 75 dias se recuperando de um grave acidente sofrido na etapa da Austrália, a segunda do campeonato, e só retornava no misto de Oregon.
 
O final da corrida foi marcado pela estratégia. Com a possibilidade de volta da chuva, De Ferran e Fittipaldi ficaram na pista com os pneus biscoito, enquanto todos os demais optaram pelos lisos. Nos giros derradeiros, Blundell e Boesel eram muito mais rápidos que os dois ponteiros e, assim, alcançaram Gil nos metros finais e protagonizaram a chegada de três carros alinhados.
A chuva castigou Portland antes da corrida da CART em 1997 (Foto: Racebyrace.com)
As 200 Milhas de Portland, que naquele ano viravam excepcionalmente 153, terminaram com a primeira vitória de Blundell na Indy e três pilotos brasileiros nas quatro primeiras posições. 
 
"Como ninguém falava comigo depois que cruzamos a linha, achava que o Gil tivesse ganho", contou Blundell ao jornal ‘Folha de S.Paulo’.
 
Colados no britânico vieram De Ferran e Boesel, enquanto Fittipaldi cruzou em quarto, já mais distante da briga. Gugelmin ficou em sexto, André Ribeiro foi 13º e Gualter Salles abandonou.
Na penúltima volta, Gil de Ferran e Mark Blundell passam por Jimmy Vasser (Foto: Racebyrace.com)
"Fiquei surpreso em ter aguentado tão bem durante a corrida. Forcei bastante o ritmo e não senti as dores que esperava", comemorou o totalmente recuperado Christian também à ‘Folha de S.Paulo’.
 
Alex Zanardi, que se tornaria campeão da temporada 1997 da CART, era apenas o quinto colocado do campeonato depois da nona prova, empatado em 69 pontos com Jimmy Vasser e atrás de De Ferran, Michael Andretti, Greg Moore e do então líder Paul Tracy.
 
1997 também marcou a última temporada de dois icônicos brasileiros na Indy Lights. Tratados como grandes promessas na época, Tony Kanaan e Helio Castroneves tiveram um grande ano. O baiano foi o campeão, enquanto o paulista ficou com o vice. Ambos, na temporada seguinte, já estavam no grid da CART pela Tasman e pela Bettenhausen, respectivamente.
 
NOVA DERROTA EM 2017 MOSTRA QUE TOYOTA E LE MANS SÃO COMO ‘ÁGUA E ÓLEO’

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height:
0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute;
top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube