Indy

Pagenaud brilha na chuva, supera Dixon no final e vence GP de Indianápolis. Leist é 4º

Simon Pagenaud cresceu com a chuva em um animadíssimo GP de Indianápolis, passou Scott Dixon na penúltima volta e venceu pela primeira vez no ano. Matheus Leist teve sua melhor corrida na Indy e fechou em quarto

Grande Prêmio / GABRIEL CURTY, de São Paulo
Simon Pagenaud teve um de seus melhores dias neste sábado (11). Contando com uma chuva providencial, o francês cresceu com a pista molhada e passou Scott Dixon na penúltima volta para vencer pela primeira vez no ano. 

O francês deu uma resposta necessária após o pior começo de ano em muito tempo. Já contestado na Penske, o campeão de 2016 conseguiu sua 12ª vitória na categoria e terceira no misto do IMS, encerrando um jejum que durava desde a final de 2017 em Sonoma.

Apesar de ter sentido o gostinho da vitória e perdido no final, Dixon sai como grande vencedor entre os principais candidatos ao título. O neozelandês foi segundo e viu Josef Newgarden e Alexander Rossi ficarem bem para trás com alguns problemas no misto do IMS.

As zebras apareceram com força do terceiro ao sexto lugar. Jack Harvey beliscou o primeiro pódio da carreira e primeiro da Meyer Shank em grande atuação no final de semana todo. Nos giros derradeiros, ainda aguentou improváveis investidas de Matheus Leist, que fez o primeiro top-10 na Indy com ajuda da chuva, mas excelente performance.

A dupla da Carpenter veio logo atrás. Spencer Pigot conseguiu superar Ed Jones no fim e chegou em quinto, enquanto Will Power salvou apenas um sétimo lugar com uma Penske que sofreu, apesar da vitória maiúscula de Pagenaud. Felix Rosenqvist, Graham Rahal e Santino Ferrucci completaram o top-10.

Newgarden largou no meio do grid, mas fazia uma prova bem interessante em estratégia e tinha tudo para brigar nas primeiras posições. Só que a Penske demorou para colocar os pneus de chuva e Josef foi de quinto para 19º, conseguindo se recuperar até apenas a 15ª colocação.

Rossi teve uma prova tenebrosa. Logo na largada, o americano foi tocado por Pato O'Ward e bateu, perdendo um monte de voltas e saindo do misto de Indianápolis bem comprometido no campeonato.
Simon Pagenaud venceu em Indianápolis (Foto: IndyCar)
Confira como foi o GP de Indianápolis

A largada para o GP de Indianápolis aconteceu pontualmente às 16h50 (em Brasília). Felix Rosenqvist saiu bem e abriu, enquanto Jack Harvey fez um grande trabalho para superar Scott Dixon. Apesar da pista seca, algumas poucas gotas caíam, com a previsão dando possibilidade de chuva.
 
Lá atrás, Alexander Rossi vivia um tremendo pesadelo. Antes mesmo de largar de fato, o americano tomou um toque de Pato O'Ward e foi para o muro, quebrando a suspensão e dando adeus a qualquer tipo de chance na corrida, indo aos boxes com o carro todo danificado.
 

O mexicano recebeu um drive-through minutos depois, mas nada que mudasse a cotação do dólar na prova e nem que fizesse o vice-líder do campeonato voltar para a disputa. Josef Newgarden teve mais sorte e saltou para 12º, enquanto Spencer Pigot foi o nome da largada, pulando para sétimo.
 
Rosenqvist abria 2s6 para Harvey nas primeiras dez voltas, com Dixon seguindo sem muito nervosismo o inglês da Meyer Shank. Aliás, Herta vinha mais perto de Dixon, puxando Jones junto.
 
Veio a volta 11 e a primeira bandeira amarela surgiu. Enquanto a chuva parecia cada vez mais próxima, Ericsson rodou sozinho e foi parar no muro do traçado oval. Não foi fim imediato da prova para o sueco, mas praticamente.
Scott Dixon chegou em segundo (Foto: Indycar)
Os boxes abriram e vários pilotos resolveram mudar de estratégia. Newgarden comandou um pelotão que tinha também nomes como Ryan Hunter-Reay e James Hinchcliffe, que parava logo atrás de Ericsson enquanto o sueco abandonava.
 
A bandeira verde voltou a ser acionada na volta 16 e a confusão foi retomada. E aí brilhou Dixon. Com todo seu talento, jantou Harvey e Rosenqvist e viu a confusão acontecer atrás.
 

Harvey tocou em Herta na primeira curva e o americano rodou, mas o toque mais forte veio mais atrás, com Hinch carimbando Hunter-Reay, que ainda deu uma batidinha em Herta, que estava ali parado. Nova bandeira amarela e poucas mudanças além de Dixon na ponta. 
 
E foi durante a segunda bandeira amarela que a chuva se intensificou, abrindo a possibilidade de, em poucos minutos, os pneus de chuva serem acionados. E Hinch recebia um drive-through pelo toque em Hunter-Reay.
 
Os pilotos relargaram na 20ª volta e Rosenqvist pagou caro por entrar na reta principal balançando muito. O sueco foi superado ao mesmo tempo por Harvey e Jones, com o piloto da Carpenter ainda pulando para segundo.
A largada em Indianápolis (Foto: Indycar)
Mais atrás, a Penske começava a mostrar que estava devendo em ritmo e todos os quatro iam perdendo terreno. Pagenaud, inclusive, era superado por Pigot, que fazia grande corrida e já entrava no top-5 ao passar Rahal.
 
Sato resolvia dar ainda mais emoção para a prova e errava feio na primeira curva, ainda quase rodando na volta da grama para a pista. Ali, na volta 24, o top-10 tinha Dixon, Jones, Harvey, Rosenqvist, Pigot, Rahal, Bourdais, Pagenaud, Sato e Castroneves. 
 
A janela de paradas se abriu para os líderes na volta 25, com Pagenaud parando. Logo depois, Harvey e Jones também iam para os boxes. A Ganassi chamou sua dupla por último e até deu certo por alguns segundos, com Rosenqvist entre Jones e Harvey, mas o britânico da Meyer Shank retomou terreno com o rival com pneus frios.
 
Newgarden, O'Ward, Chilton, Leist e Hinch apareciam nas primeiras colocações, mas estavam na estratégia alternativa. Dentre os que estavam na janela original, Dixon, Jones, Harvey, Rosenqvist, Pigot, Pagenaud, Bourdais e Rahal vinham na frente.
 
A chuva apertava e os pilotos da estratégia alternativa finalmente iam todos para os boxes, com Newgarden deixando a liderança para Dixon e, quando a corrida chegava na metade, as coisas se embolavam no pelotão dianteiro. Ou melhor, no pelotão dianteiro exceto Dixon.
Felix Rosenqvist não fez boa corrida (Foto: Indycar)
Rosenqvist perdia bastante ritmo e ficava para trás de Pagenaud, Pigot e Rahal, enquanto Harvey tirava Jones do caminho e já partia para cima de Dixon, iniciando uma perseguição. Pagenaud crescia na corrida também e entrava no top-3 com as paradas de Jones e Rosenqvist.
 
A volta 48 viu as paradas dos três primeiros colocados, com Dixon ainda na frente e Pagenaud conseguindo se posicionar na frente de Harvey em ótimo trabalho da Penske nos boxes. Newgarden vinha em um ritmo bem interessante, mesmo que sua liderança não fosse efetiva pela necessidade de ainda parar.
 
A chuva claramente apertava na volta 57 e já dava para ver spray na pista. Ali, o único com pneus de chuva era Kanaan, retardatário e em 21º. Quem vinha forte também era Pato, segundo na estratégia de Newgarden e apenas 1s9 atrás do americano da Penske.
 

Helio foi o segundo a colocar pneus de chuva, só que voltou para a pista e já rodou ali mesmo, parando na brita. Era claro que viria a amarela, mas a direção de prova deixou que todos parassem. Alguns como Dixon, Pigot e Harvey foram de pneus de chuva, mas Newgarden, Rosenqvist, Jones e outros optaram por pneus de pista seca. Poucos foram os que ficaram na pista, mas viraram líderes com amarela na ordem que tinha Pagenaud, Rahal, Ferrucci, Newgarden, Power, O'Ward, Hinch, Dixon, Harvey e Pigot.

Só que a Penske não pagou para ver a própria sacada nem em uma volta. Newgarden, Pagenaud e Power foram aos boxes para colocarem os pneus de chuva, enquanto Sato rodava sozinho na pista. Mesmo por vias tortas, finalmente todo mundo estava com pneus de pista molhada para as últimas 20 voltas.
Matheus Leist teve sua melhor performance na Indy (Foto: Indycar)
No reposicionamento antes da relargada, Dixon liderava com Harvey e Pigot atrás. Impressionantemente, Leist era o quarto, com Jones, Pagenaud, Rahal, Ferrucci, Hinch e Power no top-10. Newgarden era 12º após parar duas vezes na amarela e ainda ter uma roda solta no meio dos boxes, mas foi punido e caiu para o fim do pelotão dentre os que estavam no mesmo giro.
 
A relargada veio com 17 voltas para o final e Dixon escapou de Harvey, mantendo tranquilo a ponta. Pigot colou no britânico e tentou o segundo lugar, mas acabou sendo atacado por Leist e, por fora, o brasileiro fez ótima manobra para virar terceiro colocado.
 
Pagenaud e Jones também conseguiram passar Pigot, que travou um duelo bem interessante com Rahal. E o ritmo de Leist impressionava. Mesmo com Dixon escapando na frente, as atenções estavam no gaúcho que se aproximava de Harvey e via Pagenaud se aproximando também.

Com 11 voltas para o final, Pagenaud passou Leist, mesmo com o brasileiro oferecendo bastante resistência. E o francês parecia pronto para virar segundo colocado, sobrando para Harvey segurar as investidas do campeão de 2016.
 
Rosenqvist conseguia passar Ferrucci com direito a um toque e tomava a nona colocação, enquanto Pagenaud colava em Harvey e levava junto Leist, que abria bons 3s para Jones e Pigot. 
 
Restavam apenas seis voltas quando Harvey foi muito desatento. O francês claramente tentaria a manobra e o inglês não ofereceu resistência, tracionando por fora e vendo Pagenaud mergulhar sem problemas por dentro e partir para cima de Dixon com bastante fome.


Apesar da diferença desabar, a impressão que dava é que Dixon estava seguro em primeiro, mas Pagenaud estava com a faca entre os dentes. Os dois até trocaram tintas e o francês, com maestria, foi para a dianteira com duas voltas para o final, mostrando todo seu talento na chuva.

No fim, Leist ainda pressionou bastante Harvey, mas teve de se contentar com a quarta colocação. Logo atrás, Pigot foi para cima de Jones e levou a melhor no duelo interno pelo quinto posto.

Indy, GP de Indianápolis, Classificação final:

1 S PAGENAUD Penske Chevrolet   85 voltas
2 S DIXON Ganassi Honda +2.047  
3 J HARVEY Meyer Shank Honda +3.768  
4 M LEIST Foyt Chevrolet +5.438  
5 S PIGOT Carpenter Chevrolet +6.094  
6 E JONES Carpenter Chevrolet +7.103  
7 W POWER Penske Chevrolet +7.585  
8 F ROSENQVIST Ganassi Honda +8.708  
9 G RAHAL RLL Honda +9.180  
10 S FERRUCCI Dale Coyne Honda +12.720  
11 S BOURDAIS Dale Coyne Honda +16.613  
12 Z VEACH Andretti Honda +19.615  
13 M ANDRETTI Andretti Honda +26.999  
14 T SATO RLL Honda +28.035  
15 J NEWGARDEN Penske Chevrolet +28.460  
16 J HINCHCLIFFE SPM Honda +28.640  
17 R HUNTER-REAY Andretti Honda +29.122  
18 M CHILTON Carlin Chevrolet +32.046  
19 P O'WARD Carlin Chevrolet +1:12.040  
20 T KANAAN Foyt Chevrolet +2 voltas  
21 H CASTRONEVES Penske Chevrolet +2 voltas  
22 A ROSSI Andretti Honda +4 voltas  
23 C HERTA Harding Honda +70 voltas NC
24 M ERICSSON SPM Honda +74 voltas NC


 
A partir do GP de Indianápolis, o DAZN vai transmitir as corridas da temporada 2019 da Indy. Experimente grátis por um mês e assista quando e onde quiser.
 
Apoie o GRANDE PRÊMIO: garanta o futuro do nosso jornalismo

O GRANDE PRÊMIO é a maior mídia digital de esporte a motor do Brasil, na América Latina e em Língua Portuguesa, editorialmente independente. Nossa grande equipe produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente, e não só na internet: uma das nossas atuações está na realização de eventos, como a Copa GP de Kart. Assim, seu apoio é sempre importante.

Assine o GRANDE PREMIUM: veja os planos e o que oferecem, tenha à disposição uma série de benefícios e experências exclusivas, e faça parte de um grupo especial, a Scuderia GP, com debate em alto nível.