119 pontos atrás de Márquez, Viñales deixa 2020 para depois: “Vou pensar no agora”

Maverick Viñales decidiu deixar o futuro para depois e usar o teste coletivo desta segunda-feira (5) para pensar no GP da Áustria. O espanhol considera que ainda resta tempo para olhar para a temporada 2020

Maverick Viñales não é um homem que pensa no futuro. Mesmo já com 119 pontos de atraso para o líder Marc Márquez, o #12 segue focado na temporada atual e diz que não vai perder muito tempo no teste coletivo desta segunda-feira (5) pensando na temporada 2020.
 
Ao contrário de Valentino Rossi, que celebrou o fato de ter um novo motor para testar pensando já na próxima temporada, Viñales acredita que deve usar o exercício coletivo de Brno para pensar no GP da Áustria do próximo fim de semana.
Apesar do grande atraso na tabela, Maverick Viñales quer seguir focando em 2019 (Foto: Divulgação/MotoGP)
Paddockast #27
Schumacher e Vettel: UNIDOS POR UM RECORDE

Ouça: Spotify | iTunes | Android | playerFM

“Quero me concentrar muito na Áustria. Para mim, esta temporada ainda está aqui. Quero estar na frente na Áustria, então tenho de me concentrar em aceleração e freada”, disse Viñales. “Não vou perder muito tempo pensando em 2020. Vou pensar no agora. Para me sentir bem, preciso pensar neste ano”, justificou.

 
“Para mim, o resultado da próxima corrida é mais importante. Nós podemos coletar dados em Misano e Valência. Temos três dias em Valência”, defendeu.
 
Na corrida de domingo, Maverick teve uma largada ruim e perdeu seis posições logo na primeira volta. 
 
“Precisei de seis voltar para passar [Francesco] Bagnaia. Ele era um 1s5 mais lento do que eu e não conseguia passá-lo, então fiquei muito frustrado. A mesma história de sempre. Na largada, é verdade que eu patinei um pouco e fiquei preso. Não pude estar mais à frente e preparar a primeira curva. Então eu perdi muitas, muitas posições”, recordou. 
 
Ainda, Viñales disse que teve seu desempenho afetado pela tração e velocidade máxima da Yamaha.
 
“Primeiro de tudo, a tração. Aí a velocidade máxima. Eu não podia nem mesmo me aproximar para fazer uma tentativa. Só na curva um eu podia ter a possibilidade de ultrapassar em toda a pista”, explicou. “É assim que a Yamaha funciona. Quando não tem aderência, a moto não funciona. Talvez tenhamos dado sorte em Assen e Sachsenring nós tenhamos dado sorte, porque a aderência não era tão ruim”, ponderou.
 
“Quando chove e aí seca, a nossa moto é muito difícil, perde tudo. No warm-up foi realmente bom. Incrível. Era muito fácil pilotar a moto em 57s3. Na corrida, para chegar em 58 baixo, eu quase caí várias vezes. Dá para ver uma grande diferença na moto”, concluiu.
 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube