MotoGP

Chefe da KTM vê gasto infrutífero com aerodinâmica na MotoGP e justifica: “O show seguiria o mesmo”

Em entrevista ao site italiano ‘GPOne’, Mike Leitner se mostrou contrário ao aumento do investimento com pesquisa aerodinâmica. O dirigente da KTM considerou que impacto no show é mínimo e tampouco beneficia os pilotos

Grande Prêmio / Redação GP, de São Paulo
🏍️ LEIA TAMBÉM
Aerodinâmica: foco ou detalhe nas motos?

Chefe da KTM, Mike Leitner considera que a MotoGP não deveria insistir em investir em aerodinâmica. O dirigente considera que investimento não impacta o espetáculo e tampouco beneficia os pilotos.
 
Mike Leitner (dir.) não vê aerodinâmica como prioridade na MotoGP (Foto: KTM)
Falando ao site italiano ‘GPOne’, Leitner disse que a KTM não vê vantagens em se aprofundar no desenvolvimento da aerodinâmica, mas avaliou que a decisão da FIM no caso da Ducati abre uma série de possibilidades.
 
“Tinham muitas questões no ar em Doha, já que quatro das seis fábricas da MotoGP fizeram um protesto contra a Ducati”, disse Leitner ao site italiano ‘GPOne’. “Agora nós temos uma decisão que nos diz que caminho seguir. E, uma vez que uma coisa está clara, abre um livro todo”, seguiu.
 
“Quero ser claro, nós trabalhamos duro na KTM para restringir a importância da aerodinâmica na MotoGP. Não vemos o benefício dessa pesquisa no nosso esporte”, apontou. “Muito dinheiro seria gasto, mas o show seguiria o mesmo. E também não tem nenhuma vantagem real para os pilotos”, frisou.
 
O dirigente admitiu que a aerodinâmica ajuda em algumas situações, mas insistiu que se trata de um investimento desnecessário.
 
“A MotoGP é um esporte no qual os pilotos podem mostrar suas habilidades. Claro, a aerodinâmica pode ajudar em algumas situações. Mas, com todas essas ajudas, spoilers, anti-wheelie e eletrônica, o nível foi uniformizado. Claro, se eles querem ir nessa direção, ok, vamos agir e fazer isso, mas não é nosso jeito de ver esse esporte”, completou.