Com incertezas da pandemia, equipes deixam integrantes por um mês no Catar

Ao GRANDE PRÊMIO, a Suzuki confirmou que quase todos os integrantes da equipe vão permanecer em território catari até o fim do GP de Doha, segunda etapa da temporada. A Aprilia, por outro lado, vai permitir que todos retornem para a casa

A Repsol Honda apresentou a moto de 2021 que Marc Márquez e Pol Espargaró vão usar (Vídeo: Honda)

A pandemia segue ditando as ordens na organização das equipes para a temporada 2021 da MotoGP. Por conta das restrições e do risco de contágio, vários integrantes do paddock terão de ficar no Catar por todo o mês.

A MotoGP já está testando em Losail, que vai acolher todos os teste da pré-temporada, uma vez que as atividades na Malásia precisaram ser canceladas. Depois, realiza o GP do Catar em 28 de março e o GP de Doha em 4 de abril.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

Aprilia liberou os funcionários para viajarem (Foto: Reprodução)

VEJA TAMBÉM
As imagens do segundo dia de testes da MotoGP em Losail

Ao GRANDE PRÊMIO, a Suzuki confirmou que quase a totalidade dos integrantes da equipe permanecerá no país até depois da segunda corrida em Losail. No caso da Honda, os japoneses seguem no Catar, mas o restante está liberado para voltar para casa.

A SRT informou ao GP que alguns de seus integrantes ficarão no país, mas a maioria poderá viajar. A KTM também confirmou que parte do time segue no Catar, mas outros estão livres para voltar para a Europa e para a fábrica.

Ao contrário das demais fábricas, a Aprilia informou ao GRANDE PRÊMIO que todos os funcionários poderão viajar. A Ducati, por sua vez, explicou que provavelmente todos voltarão para casa, mas o assunto ainda não está 100% fechado.

No ano passado, a MotoGP adotou medidas para evitar o contágio dentro do paddock, mas viu Valentino Rossi, Jorge Martín e Iker Lecuona perderem corridas por testarem positivo para Covid-19. Tony Arbolino também ficou de fora de uma corrida da Moto3, mas por ter viajado ao lado de um caso positivo.

Em 2020, além de reforçar as medidas de higiene, o Mundial adotou um esquema de bolha, impedindo o contato entre os integrantes de todas as equipes. Além disso, todos precisam apresentar testes negativos antes de entrarem no paddock.

Para este ano, a exigência de teste já barrou o acesso de um dos mecânicos da Ducati, que teve um teste positivo para Covid-19 na chegada ao país.

LEIA TAMBÉM
Bastianini, Martín e Marini: os novatos da MotoGP em 2021

https://open.spotify.com/episode/56EWZtjjXZerTSc5mEGdpr?si=dXJwGloaQQ6ZEGdY1gUInQ&nd=1

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube