Ex-piloto da Suzuki, Viñales lembra força da GSX-RR em 2016 e aponta motivação como causa para má fase na MotoGP

Ex-piloto da Suzuki, Maverick Viñales apontou a falta de motivação como causa para a má fase da equipe em 2017. Time de Hamamatsu soma apenas 28 pontos no Mundial de Construtores

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Maverick Viñales acredita que a falta de motivação está por trás da performance apagada da Suzuki na temporada 2017 da MotoGP. Ex-piloto do time, o líder da MotoGP lembrou que a GSX-RR é capaz de fazer mais do que tem feito neste ano.
 
Passadas as sete primeiras provas deste ano, a Suzuki ocupa a quarta colocação no Mundial de Construtores, com 28 pontos, 111 pontos atrás da líder Yamaha. Neste mesmo ponto do ano passado, a equipe comandada por Davide Brivio tinha 78 pontos, 87 a menos que a líder.
Maverick Viñales vê motivação como problema da Suzuki (Foto: Divulgação/MotoGP)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

No que diz respeito ao Mundial de Pilotos, Andrea Iannone aparece na 15ª colocação, com 21 pontos, 90 a menos que o líder Viñales. Ano passado, Maverick tinha a quinta posição na tabela, 53 pontos atrás de Marc Márquez, que ocupava a liderança.
 
Neste ano, a Suzuki encara a temporada da MotoGP completamente repaginada. Após perder Viñales para a Yamaha, a equipe nipônica contratou Iannone, que tinha sido dispensado pela Ducati, e optou por não renovar o vínculo de Aleix Espargaró para promover Álex Rins da Moto2.
 
Além da performance apagada de Iannone, a Suzuki também sente o impacto das constantes lesões de Rins. O #42 conseguiu correr em apenas duas corridas — Catar e Argentina —, somando apenas sete pontos.
 
Falando à imprensa na Catalunha, Viñales lembrou que a GSX-RR é capaz de fazer mais e considerou que a motivação é o maior problema do time.
 
“É difícil opinar sem estar dentro, o que eu sei é que no ano passado nós sempre estávamos lá”, disse Viñales. “Especialmente nos treinos, nós tínhamos os mesmos tempos de volta e fazíamos no Q2 voltas similares as dos pilotos mais rápidos. Isso te ajuda a criar uma atmosfera de motivação, de superação e de trabalho”, seguiu.
 
“Não sei se eles têm a mesma motivação do ano passado, onde a cada fim de semana estávamos entre os primeiros”, comentou. “Na corrida, nos custava mais, mas, queira ou não, de um GP a outro você melhorava. Talvez essa motivação não os esteja ajudando muito”, opinou.
 
“Mas essa é a minha opinião. A moto funcionava bastante bem no ano passado. Certamente melhor do que os resultados que estão fazendo. Realmente, eles têm de melhorar, porque estando sempre em décimo ou 11º e sem sair dali, vai ser difícil motivar”, concluiu.

#GALERIA(7077)
 
O GP DO CANADÁ É PARA HAMILTON O QUE O GP DE MÔNACO FOI PARA SENNA?

.embed-container { position: relative; padding-bottom: 56.25%; height: 0; overflow: hidden; max-width: 100%; } .embed-container iframe, .embed-container object, .embed-container embed { position: absolute; top: 0; left: 0; width: 100%; height: 100%; }

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube