Quartararo fica sem explicação para macacão aberto na Catalunha: “Não sei o que houve”

Piloto da Yamaha não soube dizer o que aconteceu, mas afirmou que a Alpinestars vai investigar o motivo de ele ter acabado com o peito completamente exposto com cinco voltas para o fim da corrida em Barcelona

Miguel Oliveira recorreu à torcida para conseguir uma bandeira de Portugal (Foto: MotoGP)

Fabio Quartararo não soube explicar a razão de ter ficado com o peito completamente exposto na reta final do GP do Catalunha. O piloto retalou que o macacão abriu do nada com cinco voltas para o fim da corrida deste domingo (6) e ele teve dificuldade para fechar o zíper novamente.

Questionado sobre o que aconteceu, Quartararo se mostrou perdido, mas disse que a Alpinestars, fabricante do macacão, vai investigar.

Fabio Quartararo livrou-se do protetor durante a corrida (Vídeo: Reprodução/FOX Sports)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

“Não sei o que aconteceu. Só sei que, com cinco voltas para o fim, o macacão abriu completamente na curva um”, disse Fabio. “Tentei colocá-lo na posição normal outra vez, mas não consegui. Foi difícil pilotar, mas, infelizmente, acontece”, continuou.

“Aconteceu hoje, então a Alpinestars está investigando para ver como isso é possível, pois, no fim da corrida, consegui fechar outra vez”, relatou. “Mas foi isso. Hoje não foi o nosso dia. Mas posso ficar feliz com esta quarta colocação… Bom, terceira, mas terminando em quarto”, comentou.

O lance, porém, causou polêmica, já que o regulamento da FIM (Federação Internacional de Motociclismo) exige claramente que o macacão esteja fechado o tempo todo. Fabio, porém, espera que o debate não vá além.

“Bom, já recebi uma punição com a qual não concordo, de 3s, o que me levou de terceiro para quarto”, falou. “Mas acho que essa punição é suficiente. No fim, acabou, a corrida acabou. A segurança… nós terminamos a corrida, está tudo seguro”, considerou.

“No momento, acho que não é necessário falar mais a respeito, pois a corrida acabou, não faz sentido falar de possibilidades”, avaliou.

Mesmo sem o problema no macacão, Fabio não acredita que poderia ter tirado a vitória de Miguel Oliveira, já que não teve no GP a mesma boa sensação com o pneu traseiro duro que teve nos treinos.

“Sim, estava economizando pneus, mas, honestamente, Miguel estava muito forte e eu não tinha a mesma sensação desta manhã com o duro ou a que tive em todo o fim de semana”, revelou. “Acho que todas as Yamaha tiveram esse problema, pois para mim, Franco [Morbidelli] era um dos principais candidates à vitória e terminou distante. Não tive a melhor sensação com o pneu e parece que Maverick [Viñales] também não. Então é estranho, mas com tudo que aconteceu com a gente hoje, acho que o quarto lugar é bem ok”, encerrou.

A MotoGP volta às pistas no próximo dia 20 de junho, para a disputa do GP da Alemanha, em Sachsenring, oitava etapa da temporada 2021. Acompanhe a cobertura do GRANDE PRÊMIO sobre o Mundial de Motovelocidade.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar