Honda e Repsol encerram parceria na MotoGP após 30 anos e 15 títulos mundiais

Honda e Repsol estão juntas no Mundial de Motovelocidade desde 1995. Agora, porém, a petrolífera parece ter novos planos para 2025, especialmente a saída de Marc Márquez para correr na Gresini

Honda e Repsol são parceiras de longa data no Mundial de Motovelocidade. Desde 1995, para ser mais exato, quando a petrolífera espanhola estampou a NSR500 de Mick Doohan e Álex Crivillé. A união ininterrupta é uma das maiores da MotoGP, mas está próxima do fim.

De acordo com o site Autosport, a saída de Marc Márquez no fim da temporada de 2023 para correr na Gresini fez com que a multinacional ativasse uma cláusula de redução no apoio financeira e, por consequência, menos presença na pintura da moto atual.

Apesar disso, a Repsol segue praticamente como única patrocinadora do time japonês, especialmente pela saída da Red Bull no fim da última temporada.

Juntas, Honda e Repsol conquistaram 15 títulos mundiais, 183 vitórias e 455 pódios na classe rainha do Mundial de Motovelocidade. As duas partes não se buscaram para uma renovação de contrato. A publicação destaca que a Honda já possui diversas propostas de empresas dispotas a patrocinar a moto do próximo ano.

A petrolífera Repsol está com a Honda desde 1995 no Mundial (Foto: Repsol)

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2
▶️ Conheça o canal do GRANDE PRÊMIO na Twitch clicando aqui!

A publicação aponta que a Repsol segue interessada na MotoGP para o futuro, especialmente por ser uma das fornecedoras do novo combustível sustentável adotado pela categoria, mas ainda não definiu se vai patrocinar alguma equipe do grid.

No fim do ano passado, o Mundial anunciou a mudança para combustíveis 100% sustentáveis em 2027, mas com uma mudança gradual, adotando uma especificação com 40% de origem não-fóssil já em 2024.

A fase da Honda não é ruim apenas fora das pistas, mas também dentro. Joan Mir é o 18º colocado após seis etapadas, com 13 pontos conquistados, enquanto Luca Marini é o 23º, ainda zerado. A montadora amarga a última posição na disputa entre construtoras.

A  MotoGP volta a acelerar entre os dias 31 de maio e 2 de junho para o GP da Itália, em Mugello, com a 7ª etapa da temporada 2024. O GRANDE PRÊMIO faz a cobertura completa do evento, assim como das outras classes do Mundial de Motovelocidade durante todo o ano.

Chamada Chefão GP Chamada Chefão GP 🏁 O GRANDE PRÊMIO agora está no Comunidades WhatsApp. Clique aqui para participar e receber as notícias da MotoGP direto no seu celular! Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.