Miller se defende de críticas por incidente com Mir: “Já estava cansado de tantos toquinhos”

Australiano listou três toques que recebeu do rival da Suzuki e disse que já estava irritado com a situação

Jack Miller acerta Joan Mir na entrada da reta principal (Vídeo: MotoGP)

Jack Miller e Joan Mir não vão chegar a um acordo em relação ao incidente que marcou a disputa entre os dois no GP de Doha. Enquanto o campeão vigente cobra uma punição ao rival, o australiano reclama de três toques que recebeu durante a corrida deste domingo (4) em Losail.

Na 13ª volta, o atual campeão da MotoGP ultrapassou o rival da Ducati na curva dez com um leve toque na traseira. Alguns segundos depois, o australiano devolveu jogando a moto contra o rival na briga pelo quinto lugar.

Joan Mir toca em Jack Miller para assumir quinta posição (Vídeo: MotoGP)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

O incidente chegou a ser investigado pela FIM (Federação Internacional de Motociclismo), mas os dois escaparam de punições.

Após a corrida, Mir falou em toque intencional e classificou o incidente como perigoso. Miller, por sua vez, disse que estava irritado com os toques que recebeu e considerou que seria injustiçado se tivesse sido punido.

“Ele me acertou três vezes na metade da curva”, disse Miller. “A Suzuki vira bem, mas ele me bateu forte. Eu já estava cansado de tantos toquinhos. Não é nada pessoa, entendo que a Suzuki vira bem e podem se enfiar onde quiserem, mas três toques é demais: na segunda curva no início da corrida, aí na curva 6 e depois na dez. Estava cansado de tanto toque”, seguiu.

“Nós todos vimos o que aconteceu. Só isso. Se tivessem me dado bandeira preta, teriam se equivocado. Sei o que aconteceu: ele escapou da trajetória e quis voltar, mas ninguém se preocupa muito com o que acontece com os demais”, disparou.

Assim como aconteceu na corrida da semana passada, Miller ficou longe de ser o destaque da Ducati e recebeu a bandeirada só em nono, 5s365 atrás de Fabio Quartararo, o vencedor.

“Eu me sentia relativamente bem na maior parte da corrida. Depois do contato com o Mir, precisei me recuperar e ganhar posições. Comecei a sofrer, pois o meu braço me incomodava. Em termos de sensações, foi melhor do que na semana passada, acabamos mais próximos do primeiro, mas o que conta é que de novo terminamos na nona colocação”, reconheceu.

Por fim, Jack afirmou que espera encontrar nos médicos uma solução para o incomodo que sentiu no braço.

“Com certeza, vou operar o mais rápido possível para ver se podemos resolver. Eu me sentia bem até as últimas quatro voltas, nas quais só consegui sentir a mão, não conseguia frear e nem acelerar. No ano passado, sofri bastante em Jerez”, recordei. “Já tentei vários tratamentos, com agulhas e tudo mais. Estou perfeito fisicamente, mas não é a forma como quero pilotar, sem contato com o freio e o acelerador”, encerrou.

VEJA TAMBÉM
⇝ GP de Doha entra no livro dos recordes com top-15 mais apertado da história da MotoGP

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube