MotoGP

KTM avalia que “ter duas motos não é o bastante” para se desenvolver e celebra maior estrutura na MotoGP

Diretor da divisão esportiva da KTM, Pit Beirer afirmou que ter apenas duas motos no grid não é o bastante para desenvolver a tecnologia na MotoGP. Dirigente celebrou o aumento na estrutura da marca austríaca no grid de 2019 da classe rainha

Warm Up / Redação GP, de São Paulo
Diretor da divisão esportiva da KTM, Pit Beirer avaliou que ter duas motos não é o suficiente para desenvolver a tecnologia necessária para alcançar o topo da MotoGP. Assim, o dirigente celebrou o aumento da estrutura austríaca com a chegada da Tech3.
 
Depois de 20 anos com a Yamaha, a Tech3 optou ser satélite da KTM e vai para a temporada 2019 com as RC16 nas mesmas configurações do time de fábrica.
 
Falando à imprensa durante o lançamento das motos de 2019, Beirer exaltou a grande estrutura da marca austríaca no Mundial de Motovelocidade, que vai desde a Red Bull Rookies Cup até a MotoGP.
Pit Beirer celebrou o aumento da estrutura da KTM na MotoGP (Foto: Sebas Romero/KTM)
“Para nós, este é outro momento especial na nossa história e é um marco termos uma estrutura como essa”, disse Beirer. “Nosso projeto de road racing tem sido construído de forma consistente desde 2012 em termos de estrutura, confiança e pessoas”, seguiu. 
 
“Eu diria que nós elaboramos uma rota incrível onde você pode ir da moto da Rookies passando por todas as categorias até chegar na MotoGP”, exaltou. “Na classe rainha, ter duas motos não é o bastante para poder desenvolver a tecnologia até o nível mais alto, então ter um segundo time na MotoGP nos dá uma sensação incrível de que o nosso sistema está no lugar”, ponderou.
 
“Vamos trabalhar com esse programa e isso não só significa ter jovens pilotos e fazê-los avançar, mas também motos para cada uma das categorias com line–up e esforços caseiros. É por isso que hoje é bastante especial”, completou.