Lorenzo diz que logística relacionada à pandemia impediu testes com Yamaha

Espanhol contou que a Yamaha relatou dificuldades para as pessoas que precisam se locomover a partir do Japão. O tricampeão da MotoGP manifestou o desejo de renovar o contrato de piloto de testes com a equipe de Iwata

Jorge Lorenzo afirmou que não testou com a Yamaha depois da pré-temporada por questões logísticas relacionadas à pandemia do novo coronavírus. O espanhol voltou a trabalhar com a fábrica de Iwata neste ano para atuar como piloto de testes.

Na semana passada, Fabio Quartararo e Valentino Rossi lamentaram que Lorenzo não tenha testado em Misano antes da rodada dupla deste ano. Em maio, as duplas de KTM e Aprilia, além de Sylvain Guintoli e Michele Pirro, pilotos de teste de Suzuki e Ducati, respectivamente, estiveram no traçado para avaliar o novo asfalto. Em agosto, a marca austríaca retornou à pista para uma atividade que contou com Dani Pedrosa.

Jorge Lorenzo, Yamaha, MotoGP 2020
Jorge Lorenzo ia trabalhar com uma equipe comandada por Silvano Galbusera (Foto: Reprodução)

Relacionadas


Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

“De acordo com o que a Yamaha me disse, a situação com o coronavírus criou problemas logísticos para o pessoal deles que viaja a partir do Japão”, disse Lorenzo em entrevista à publicação britânica Autosport. “É uma grande pena que eu não tenha podido colocar minha experiência no projeto”, lamentou.

Ainda assim, Lorenzo afirmou que é sua “prioridade” renovar o contrato de piloto de testes. “Espero que a Yamaha ainda me queira e que ainda exista o desejo de criar uma equipe de testes que possa ajudar a melhorar a moto. Acho que com a minha experiência e sensibilidade, posso acrescentar muito”, disse.

Durante o fim de semana do GP de San Marino e da Riviera de Rimini, Massimo Meregalli, chefe da Yamaha, já tinha explicado que a ausência de Lorenzo nas pistas era resultado das dificuldades impostas pela pandemia.

O tricampeão da MotoGP confirmou que foi abordado por outras fábricas, mas optou por “não dar nomes”. Na mesma entrevista, o piloto de Palma de Maiorca contou que esteve perto de assinar para voltar a defender a Ducati, mas acabou optando por permanecer aposentado.

Chamada Chefão GP Chamada Chefão GP 🏁 O GRANDE PRÊMIO agora está no Comunidades WhatsApp. Clique aqui para participar e receber as notícias da MotoGP direto no seu celular! Acesse as versões em espanhol e português-PT do GRANDE PRÊMIO, além dos parceiros Nosso Palestra e Teleguiado.