Marc Márquez devora adversários e reestabelece reinado no Circuito das Américas

O hexacampeão da MotoGP conseguiu acertar a receita e entregou uma sobremesa caprichada para a Honda na 15ª etapa da temporada 2021. Como se fossem donuts, os rivais foram engolidos pelo espanhol em uma única bocada na tarde deste domingo (3)

Grave acidente envolveu diversos pilotos da Moto3 e encerrou a prova (Vídeo: Reprodução/DAZN)

Roser Alentá certamente ensinou aos filhos que com comida não se brinca. Depois de a Honda, a Dorna e até Jett Lawrence investirem em donuts a espera de um triunfo de Marc Márquez no GP das Américas deste domingo (3), o espanhol tratou de caprichar nos ingredientes para ser fartar na sobremesa depois de conquistar a sétima vitória em oito corridas da MotoGP em Austin.

Nada disso faz muito sentido, né? É que na quinta-feira, Marc e Lawrence fizeram uma aposta após se enfrentarem em uma pista de kart a bordo das Honda NSF100: em caso de vitória do espanhol no circuito do Texas, o campeão do AMA Pro Motocross, na classe MX250 do campeonato nacional, teria de dançar nos boxes da marca da asa dourada, enquanto o hexacampeão da MotoGP teria de comer um donut no pódio.

WEB STORY
Como terminou o GP das Américas de MotoGP?

Marc Márquez jantou os rivais e comeu a sobremesa ainda no pódio (Foto: Honda)

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

E trato, é trato. Ainda mais quando envolve comida e uma das delícias da culinária tradicional dos Estados Unidos.

De olho na sobremesa ― ou no topo do pódio, como queira ―, Márquez usou uma receita tão certeira como aquelas da Palmirinha:

Ingredientes:
1 Marc Márquez
1 Honda RC213V
1 Pneu dianteiro duro
1 Pneu traseiro macio
1 Circuito das Américas

Modo de preparo:
Misture os quatro primeiros ingredientes e leve à pista do Circuito das Américas por 41min41s435. Sirva no pódio. Pode ser acompanhado por Cava espanhola.

E assim foi.

Brincadeiras à parte, Márquez conseguiu executar o plano perfeitamente. Ainda que tenha visto cair a invencibilidade de poles ― que ficou com Francesco Bagnaia ―, o piloto famoso pelo #93 foi decisivo na largada, controlou o ritmo da prova no começo e surpreendeu os rivais ao aumentar o passo quando julgou que era necessário. Os adversários sequer tiveram chance.

Fabio Quartararo ainda tentou acompanhar o passo no começo da corrida, mas não esteve nem perto de tentar lançar um ataque na direção do rival.

“Não esperava ganhar deste jeito, tudo tinha de se encaixar. Largar primeiro, controlar o ritmo nas primeiras voltas e forçar quando quisesse, não quando os outros quisessem”, apontou. “Controlei bem os pneus e consegui baixar meio segundo em uma volta para pegar os demais desprevenidos. Saiu tudo como eu queria”, resumiu.

Ainda pagando as consequências da fratura que sofreu no braço direito na abertura da temporada passada, Marc foi para a capital texana esperando sofrer menos, já que o traçado tem mais curvas para a esquerda ― 11 ― do que para a direita ― nove. Mas não foi bem isso que aconteceu.

Em um traçado de muitas ondulações, especialmente no trecho entre as curvas 2 e 10, todos os pilotos sofreram fisicamente.

“Até a metade da corrida, eu podia pilotar como nos treinos. Nas últimas voltas, estávamos todos cansados. Aqui, todos nós sofremos. Nos outros circuitos, eu sofro sozinho”, comentou. “Mas aqui, com mais curvas para a esquerda, pude controlar melhor. Conseguimos vencer e vamos ver se podemos ir nos aproximando da ponta pouco a pouco nas próximas corridas”, declarou o piloto, que agora ocupa a sétima colocação na classificação, 137 pontos atrás de Fabio Quartararo, o líder.

A presença do francês na segunda colocação, aliás, serviu até para dar certa tranquilidade a Márquez, especialmente no final da corrida.

“Consegui manter um bom ritmo quase até o final. Nas últimas três ou quatro voltas, baixei muito, porque não interessava para Fabio arriscar e eu podia ficar mais confortável”, relatou.

A vitória em Austin foi a segunda de Marc no ano e também o terceiro pódio desde a fratura que o manteve afastado das pistas por nove meses.

“A vitória da Alemanha foi mais esperada, como um presente. Esta vitória foi mais buscada”, comparou. “Desde sexta-feira, não me escondi, disse que queria estar no pódio. Na sexta-feira, nós começamos bem, no sábado tinha dúvidas, mas encontramos o caminho. Eu me coloquei um pouco de pressão, às vezes as coisas não saem como você espera, mas, no fim, conseguimos a vitória”, declarou.

O irmão mais velho de Álex ressalta, no entanto, que o processo de recuperação segue em ritmo lento.

“Não são ainda os resultados que queremos para o ano que vem, mas não dá para passar de uma hora para outra de estar lutando entre os dez para brigar pela vitória a cada corrida”, encerrou.

CLASSIFICAÇÃO DA MOTOGP
Quartararo amplia vantagem e tem primeiro match-point do título em Misano

A MotoGP volta às pistas em 23 de outubro para o GP da Emília Romanha, em Misano. O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades do Mundial de Motovelocidade 2021.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar