Marc Márquez ainda tem em lesão limitador, mas segue sendo piloto vigoroso de antes

Se alguém tinha dúvidas, o GP de Aragão mostrou que hexacampeão ainda é o mesmo de antes. Só a fratura no braço direito que ainda insiste em trabalhar

Francesco Bagnaia e Marc Márquez travaram um intenso duelo em Aragão (Vídeo: MotoGP)

Faz tanto tempo que a gente não vê Marc Márquez sendo Marc Márquez que é até razoável que surja a pergunta: mas será que ele ainda é o mesmo de antes? Só que está aí o GP de Aragão para dar resposta. Sim, o hexacampeão da MotoGP ainda é o mesmo piloto vigoroso antes.

É claro que ninguém esperava que uma fratura no braço fosse causar um transtorno tão grande para alguém de 27/28 anos, mas é fato que lesão sofrida ainda na abertura da temporada 2021 segue sendo um limitador na performance do piloto de Cervera.

▶️ Inscreva-se nos dois canais do GRANDE PRÊMIO no YouTube: GP | GP2

Marc Márquez perdeu para um rival que foi melhor, mas não para ele mesmo (Foto: Divulgação/MotoGP)

Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

Depois de nove meses e 15 GPs de ausência, o mais velho dos irmãos Márquez voltou à ativa no GP de Portugal, mas, desde então, foram poucas as vezes em que ele conseguiu ser tão competitivo quanto sempre mostrou que era. Em 11 GPs, foram só dois top-5: a vitória no GP da Alemanha e o segundo lugar do MotorLand.

E o que essas corridas têm em comum? A orientação anti-horária do circuito. Não é de hoje que aqueles que acompanham a MotoGP sabem da predileção do espanhol pelas curvas para a esquerda, mas, muito mais do que um gosto pessoal, essa configuração de traçado alivia a condição física de Marc. E se isso não o permite ser exatamente o mesmo de antes, é quando ele está mais perto de ser aquele Marc que todos nós conhecemos.

Quando o corpo permite, o filho de Roser e Julià ‘sai da jaula’. Quando o físico deixa, Marc volta a ser Marc. Quando a lesão peça despercebida, o melhor de Márquez vem à tona.

No fim de semana no MotorLand, Marc conversou com o diário espanhol AS e admitiu que não sabe se voltará a ser o mesmo de antes. O piloto da Honda, porém, disse que se conforma em ser diferente, desde que seja lutando na ponta e por títulos.

Se eu e você às vezes não conseguimos enxergar o Márquez de antes, imagina ele? E é claro que isso dói, machuca, incomoda. Marc sente falta de ser ele mesmo. Mas, depois de tantos meses vivendo essa epopeia, me parece justo assumir que ele sabe que o tempo é o único aliado. Como diz o ditado, a pressa é inimiga da perfeição.

Com o passar das corridas, Marc tem aparecido mais forte. Na Grã-Bretanha, por exemplo, a expectativa era de que ele brigasse ao menos perto do pódio. E talvez tivesse sido assim se ele não tivesse pesado a mão ainda nos primeiros metros.

Mas se a vitória na Alemanha serviu como um carinho, um lembrete de que ele ainda pode vencer, o segundo lugar em Aragão tem um sabor diferente. Márquez não venceu, mas brigou até o fim. E contra alguém que ele próprio assumiu ser mais forte. E não fisicamente forte, mas em termos de ritmo.

Marc perdeu, pois Francesco Bagnaia esteve impecável. O mérito da vitória é todo do italiano. Pecco respondeu a altura a cada um dos sete ataques de Marc, cuidou dos pneus, planejou bem a estratégia e tudo mais. O irmão de Álex perdeu para o outro, para o adversário, mas não para ele mesmo.

Fisicamente, Márquez resistiu à corrida. Diferente de Sachsenring, onde a distribuição de curvas é bastante desequilibrada ― com dez esquerdas e três direitas ―, o MotorLand de Alcañiz é muito mais equilibrado, com dez esquerdas e sete direitas. Ou seja, o traçado ajudou, mas não fez tudo.

Diferente do GP da Alemanha, Marc não conseguiu escapar. Mas ele conseguiu se manter colado em Bagnaia durante todas as voltas. No intervalo de três giros, os três últimos, os dois trocaram de posição 14 vezes. Desta vez, Marc foi batido. Como já foi outras vezes, quando a sombra da lesão não estava lá para assombrar.

O segundo lugar em Aragão não foi um carinho. Foi uma demonstração. Uma evidência de que aquele Márquez que encantou tanta gente desde as classes menores do Mundial de Motovelocidade segue vivo. E, uma hora ou outra, a condição física vai permitir que ele volte para ficar. Até nos traçados horários.

CLASSIFICAÇÃO DA MOTOGP
Vitória de Bagnaia em Aragão diminui vantagem de Quartararo na MotoGP

A MotoGP volta às pistas no próximo domingo (19) para o GP de San Marino e da Riviera de Rimini. O GRANDE PRÊMIO acompanha todas as atividades do Mundial de Motovelocidade 2021.

LEIA TAMBÉM
Bagnaia se agiganta em duelo com Marc Márquez e vence no melhor estilo em Aragão

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar