Marc Márquez vê volta à MotoGP como “jogar futebol na escola com caras mais velhos”

Piloto da Honda considerou que esteve fora do lugar no início do GP de Portugal, mas comemorou o fato de voltar a se sentir um piloto

Marc Márquez acabou a corrida em Portimão cansado e emocionado (Vídeo: MotoGP)

Marc Márquez comparou o retorno à MotoGP com um jogo de futebol com colegas de escola mais velhos. O piloto da Honda considerou que esteve fora do lugar no início do GP de Portugal, mas celebrou o fato de ter voltado a se sentir um piloto.

Marc passou nove meses afastado da classe rainha do Mundial de Motovelocidade, resultado de uma fratura no braço direito, sofrida ainda na primeira corrida da temporada 2021. Depois de três cirurgias, o hexacampeão voltou a correr apenas no GP de Portugal deste fim de semana.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

Marc Márquez saiu feliz de Portimão por se sentir um piloto outra vez (Foto: Honda)

VEJA TAMBÉM
⇝ Quartararo leva melhor em revanche com Portimão e mostra maturidade na MotoGP

Sétimo no grid, Marc saltou para a quarta colocação ainda nos primeiros metros, mas levou uma ultrapassagem firme de Joan Mir e, depois de quase tocar o pneu traseiro do campeão vigente, desceu até a sétima colocação, onde encerrou a corrida de Portimão.

“As primeiras voltas foram as mais difíceis”, disse Marc. “Eu não estava no meu lugar. Sabe, como na escola, quando você joga futebol com os caras mais velhos”, comparou.

“Eu não tinha controle da moto, todo mundo começou a me ultrapassar. Esfriei a cabeça. Encontrei meu lugar e aí comecei a minha corrida”, explicou.

Marc relatou que, em determinado ponto da disputa, achava que faltavam dez ou 12 voltas para o fim da corrida, mas se surpreendeu ao descobrir que ainda restavam 18. Já na parte final do GP de Portugal, o espanhol aumentou o ritmo e tentou pressionar Aleix Espargaró, marcou a melhor volta pessoal, mas acabou baixando o ritmo.

“Eu estava tentando alcançar Espargaró mais uma vez, mas, de repente, meu corpo falou [chega]. Nas últimas seis voltas, só fiquei sentado na moto, tentando terminar a corrida”, contou. “Mas o mais importante era terminar a corrida. Terminar a corrida só 13s atrás de [Fabio] Quartararo é algo incrível”, considerou.

Por fim, Marc explicou a reação que teve ao voltar aos boxes da Honda após a corrida. O piloto, que foi aplaudido pela equipe, considerou que estava mais emotivo do que cansado.

“Eu gosto de manter as emoções escondidas, mas quando cheguei nos boxes, com todos os meus mecânicos, eu só explodi e não consegui controlar as emoções”, relatou. “Faz muito tempo que sonho com o dia de hoje, com terminar uma corrida de MotoGP. E este foi o maior passo na minha reabilitação, na minha recuperação”, avaliou.

“Me sentir outra vez como um piloto de MotoGP era um sonho. Foi o que eu fiz hoje, então quando voltei para o box, claro que estava cansado, exausto e tudo mais, mas foi uma explosão de emoções que não pude controlar, mas foi muito bom”, concluiu.

A MotoGP volta às pistas em 2 de maio, para o GP da Espanha, em Jerez de la FronteraAcompanhe a cobertura do GRANDE PRÊMIO sobre o Mundial de Motovelocidade.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube

Saiba como ajudar