Morbidelli aproveita queda de Nakagami, escapa e vence GP de Teruel. Mir é 3º

O ítalo-brasileiro fez um passeio no MotorLand, dominou de ponta a ponta e venceu pela segunda vez na temporada. Álex Rins e Joan Mir, ambos da Suzuki, completaram o pódio no circuito espanhol

Franco Morbidelli não deu chance aos adversários no GP de Teruel da MotoGP. Neste domingo (25), o ítalo-brasileiro tratou de dominar as 23 voltas no MotorLand, cruzar a linha de chegada com vantagem de 2s para o restante do pelotão e alcançar a segunda vitória da temporada.

O piloto de 25 anos aproveitou a queda do pole-position Takaaki Nakagami ainda nos metros iniciais para assumir o primeiro posto, de onde não saiu até receber a bandeirada para o terceiro pódio de 2020. Álex Rins, vencedor do GP de Aragão na última semana, terminou o dia em segundo, com o atual líder da classificação Joan Mir fechando o top-3.

Franco Morbidelli conseguiu a segunda vitória da temporada (Foto: SRT)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Pol Espargaró tratou de crescer o ritmo nos giros finais para fechar na quarta posição, imediatamente à frente de Johann Zarco, que encerra o rol dos cinco melhores colocados no nordeste da Espanha.

Entre os postulantes ao título, depois de Mir, o melhor colocado foi Maverick Viñales, sétimo. Fabio Quartararo, oitavo, teve mais uma disputa discreta. Após o revés da classificação, Andrea Dovizioso ainda salvou poucos pontos ao cruzar em 13º.

Na tabela da classificação, Joan conseguiu aumentar ainda mais a vantagem na liderança, pulando para 14 tentos de vantagem para Quartararo, o segundo. Viñales se mantém em terceiro, enquanto Morbidelli passou para quarto e empurrou Dovizioso para quinto.

LEIA TAMBÉM
+ MotoGP nega impacto de maiores restrições por Covid-19 e vê fim da temporada seguro

Saiba como foi o GP de Teruel de MotoGP

Apesar do sol em Teruel, a temperatura seguiu baixa neste domingo. Antes da largada da classe rainha, que neste fim de semana aconteceu após a Moto3, com a Moto2 adiada para fechar a programação, os termômetros mediam 20°C, com o asfalto chegando a 27°C. A velocidade do vento estava em 8 km/h.

Como sempre, os pilotos podiam escolher entre os pneus macios, médios e duros, com o dianteiro mais resistente e os dois extremos traseiros em versões assimétricas, com a borracha mais firme do lado esquerdo, já que o traçado espanhol conta com dez curvas para a esquerda e sete para a direita.

No grid, as opções foram variadas. A maioria optou pelo médio na frente, exceto Viñales, Rins e Francesco Bagnaia, que usaram macios, e Álex Márquez, que escolheu o duro. Na traseira, a maioria calçou macio, menos Quartararo, Morbidelli, Jack Miller e Tito Rabat, que foram de médios.

No momento da largada, Nakagami conseguiu segurar a ponta, com Rins passando Morbidelli depois de um toque para assumir brevemente a segunda colocação. Ainda na primeira volta, porém, o sonho de Takaaki foi por terra, com um erro entre as curvas 4 e 5, que terminou com o piloto da LCR Honda no chão.

Também nos primeiros metros, na curva 2, Brad Binder atingiu a traseira de Jack Miller e os dois caíram e abandonaram. O incidente passou por revisão do Painel de Comissários.

Assim, Morbidelli tomou a liderança, com Rins subindo para a segunda colocação, à frente de Zarco, Viñales, Mir, Quartararo e Cal Crutchlow.

Nakagami terminou a corrida desolado (Foto: Reprodução)

Aos poucos, Morbidelli foi construindo vantagem, mas nada suficiente para ficar confortável. Na volta 4, o ítalo-brasileiro tinha 0s228 de margem para Rins, que já vinha mais de 0s6 à frente de Zarco. Atrás, Álex Márquez ia escalando e já aparecia em sexto após se livrar de Crutchlow e Quartararo.

Morbidelli, então, tratou de manter um ritmo alto, aumentando mais ainda a vantagem, que chegou em 0s5 no fim da volta 5. Apesar de não estar mais tão perto de Franco, Rins foi se isolando mais e mais de Zarco, que ficou quase 1s para trás. Quarto, Viñales também não assustava o piloto da Avintia, mas erra pressionado Mir, que tomou a quarta colocação em meados do giro seguinte.

Com uma opção de pneus diferente dos demais, Álex Márquez também não se deixou segurar por Maverick e logo tomou a quinta colocação com uma manobra bem executada. A Yamaha não tem chance de encarar o motor da RC213V da Honda em linha reta.

Depois de ver o atraso subir até cerca de 0s6, Rins passou a ensaiar uma aproximação com Morbidelli, baixando para 0s3 em meados da volta 8. Enquanto isso, Mir e Márquez vinham chegando em Zarco.

Sem conseguir a mesma boa forma do companheiro de SRT Yamaha, Quartararo caiu para oitavo depois de ser ultrapassado por Pol Espargaró. E ainda era pressionado por Miguel Oliveira, que tampouco tinha Cal Crutchlow muito atrás.

O português da Tech3 logo conseguiu passar o francês de Nice, mas levou o troco quase de imediato. Na ponta, Mir, enfim, tomou a terceira colocação de Zarco, já 2s3 atrás de Rins.

No confronto entre Honda e Ducati, Álex teve um pouquinho mais de trabalho para passar Zarco, mas aproveitou a reta oposta para colar e tomar a posição na saída da curva 17. Johann tentou um bloqueio na primeira curva e recuperou a posição, mas Márquez respondeu metros depois para assumir o quarto posto.

Com 11 giros para o fim, Morbidelli sustentava 0s499 de margem para Rins, que, por sua vez, tinha 2s6 de folga para Mir. Com a demora em passar Zarco, Márquez se afastou 1s3 de Joan. Uma diferença mais do que o esperado pelos treinos.

Na volta 14, porém, Márquez caiu na curva 2 e encerrou a participação na corrida. O espanhol saiu triste, mas sem ferimentos maiores. O irmão de Marc estava calçando um pneu duro na frente da Honda e era o único com essa opção.

Assim, Zarco voltou ao quarto posto, já 3s distante de Mir. Pol Espargaró era o quinto, à frente de Viñales, Quartararo, Oliveira, Dovizioso e Aleix Espargaró.

Pouco depois, Oliveira conseguiu passar Quartararo mais uma vez na freada da 16, mas apesar de ter encontrado alguma resistência, manteve a posição. Fabio, então, se tornou alvo de Dovizioso.

Álex Márquez, MotoGP 2020, Honda, GP de Teruel
A queda de Álex Márquez (Foto: Reprodução)

Com o passar dos giros, as margens na ponta seguiam quase inalteradas. Morbidelli ia sustentando 0s6 para Rins, que mantinha Mir 2s7 afastado.

Quem não defendia diferença confortável era Dovizioso, que perdeu o nono posto para Aleix Espargaró. Pouco depois, o dia piorou ainda mais para o italiano, que foi parar atrás e Crutchlow e Iker Lecuona. O piloto da Tech3, aliás, passou Cal para assumir o décimo posto.

Na 18ª das 23 voltas, Morbidelli começou a se afastar de Rins mais decisivamente, ampliando a vantagem para mais de 1s. Mais atrás, Oliveira passou Viñales pelo sexto lugar.

Faltando três voltas para a bandeirada, Pol Espargaró tomou o quarto lugar de Zarco com uma manobra por dentro. Mais para baixo na tabela, Petrucci passou Dovizioso para se instalar em 11º. O italiano de Forli agora estava ao alcance de Stefan Bradl.

No giro seguinte, Aleix Espargaró teve um problema com a Aprilia e acabou abandonando. O catalão pressionava Quartararo pelo oitavo posto.

Na última volta, Petrucci passou Crutchlow pelo décimo posto, mas levou o troco de imediato. O italiano insistiu e ficou com a posição.

Ouça os programas do GRANDE PRÊMIO no formato de podcast:
Anchor | Apple | Spotify | Google | Pocket Cast | Radio Public | Breaker

MotoGP 2020, GP de Teruel, MotorLand, corrida

1F MORBIDELLISRT Yamaha 23 voltas
2A RINSSuzuki+2.205 
3J MIRSuzuki+5.376 
4P ESPARGARÓKTM+10.299 
5J ZARCOAvintia Ducati+12.915 
6M OLIVEIRATech3 KTM+12.953 
7M VIÑALESYamaha+14.262 
8F QUARTARAROSRT Yamaha+14.720 
9I LECUONATech3 KTM+17.177 
10D PETRUCCIDucati+19.519 
11C CRUTCHLOWLCR Honda+19.708 
12S BRADLHonda+20.591 
13A DOVIZIOSODucati+22.222 
14T RABATAvintia Ducati+26.496 
15B SMITHAprilia Gresini+31.816 
16A ESPARGARÓAprilia GresiniNC 
17A MÁRQUEZHondaNC 
18F BAGNAIAPramac DucatiNC 
19T NAKAGAMILCR HondaNC 
19B SMITHAprilia GresiniNC 
20J MILLERPramac DucatiNC 
21B BINDERKTMNC 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube