Petrucci resiste a chuva e vence GP da França. Álex Márquez é 2º e Quartararo, nono

O italiano fez as pazes com a vitória e conseguiu o primeiro triunfo desde o GP da Itália de 2019. Álex Márquez surpreendeu e ficou em segundo, com Pol Espargaró completando o pódio

Danilo Petrucci levou a melhor em uma corrida de tirar o fôlego da MotoGP. No GP da França deste domingo (11), o italiano fez ótima largada, segurou os colegas de Ducati e fez as pazes com a vitória, garantindo o primeiro triunfo desde o GP da Itália de 2019.

Álex Márquez foi outro que surpreendeu na disputa em Le Mans. O estreante de 2020 escalou o pelotão e fez uma ultrapassagem certeira em Andrea Dovizioso para terminar em segundo, seu primeiro pódio na classe rainha do Mundial ― e o primeiro da Honda no ano. No final, Pol Espargaró também ultrapassou o italiano e completou o top-3.

Dovizioso chegou a brigar na ponta do pelotão, mas teve de se contentar com a quarta posição da prova. O italiano precisou lidar com a constante pressão de Miguel Oliveira nos últimos metros, mas o português ainda perdeu o quinto posto para Johann Zarco.

Danilo Petrucci, Ducati, MotoGP 2020, GP da França
Danilo Petrucci conseguiu o primeiro pódio de 2020 (Foto: Ducati)

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram.

Quem não teve dia nada positivo foi Fabio Quartararo. Após largar da pole-position, o atual líder da classificação não conseguiu acompanhar o ritmo dos primeiros colocados, escorregando no pelotão e terminando o dia em nono.

Outro postulante ao caneco que também não conseguiu se dar bem na França foi Joan Mir. Após sair do fundo do pelotão, terminou a disputa apenas em 11º.

A vitória de Petrucci significa que o italiano é o sétimo piloto diferente a ganhar em nove etapas do campeonato. Ainda, o mais novo do clã Márquez é o 14º competidor a passar pelo pódio na temporada 2020.

Com o resultado, Quartararo segue na liderança da classificação, estendendo para dez pontos de vantagem para Mir, o segundo. Dovizioso subiu para o terceiro posto e está com 18 tentos de atraso para o francês ponteiro.

Saiba como foi o GP da França de MotoGP:

O domingo em Le Mans amanheceu para lá de nublado. Antes da largada da MotoGP, nuvens carregadas cobriam o circuito Bugatti, com a ameaça de chuva pairando no ar. O frio também se fez presente, com os termômetros medindo 14°C e a pista chegando só aos 17°C. A velocidade do vento estava na casa dos 10 km/h.

Por conta do frio, a escolha de pneus foi simples e unificada: todos optaram por um par de macios.

Faltando apenas 5 minutos para a largada, a chuva chegou em Le Mans, o que provocou um adiamento. As motos e os pilotos voltaram imediatamente os boxes para os ajustes necessários para a nova situação. Na sexta-feira, a MotoGP já tinha experimentado o traçado francês com chuva.

Chuva começou em Le Mans pouco antes da largada (Foto: Reprodução)

A direção de prova adotou o procedimento de chuva no grid, o que adiou os trabalhos por cinco minutos. A corrida também foi declarada com pista molhada, o que significa que os pilotos estavam livres para entrar nos boxes para trocar de moto em caso de necessidade.

Na nova escolha de pneus, a maioria optou por um par de calçados de chuva macios, mas alguns arriscaram com o composto médio.

No apagar das luzes, Cal Crutchlow saltou brevemente para a ponta depois de uma boa saída, mas viu Jack Miller tomar a ponta na curva 1, com Quartararo assumindo o segundo posto rapidamente. Ainda nos primeiros metros, Valentino Rossi perdeu a traseira na curva 3 e caiu, e acabou atrapalhando Maverick Viñales, Mir e Aleix Espargaró.

As Ducati, então, foram para o ataque. Miller manteve a ponta, com Petrucci e Dovizioso formando um 1-2-3. Ainda na segunda volta, Danilo tomou a liderança. Mais atrás, Pol Espargaró passou a pressionar Quartararo pelo quarto posto.

Ainda na segunda volta, Dovizioso passou Miller pelo segundo posto e começou a perseguir Petrucci, que tinha se afastado um pouco, cerca de 0s5.

Pol Espargaró conseguiu consolidar a ultrapassagem para cima de Quartararo, que ainda perdeu para Álex Rins e Crutchlow, caindo para sétimo. Rival pelo título, Rins era apenas o 20º e corria com um par de médios, assim como o piloto da Suzuki #42, que vinha em quarto.

Na volta 4, Bradley Smith, que liderou o treino de sexta-feira na chuva, lançou um ataque para cima de Quartararo e tomou a sétima colocação. Na sequência, Miguel Oliveira atacou Fabio, e Álex Márquez aproveitou o lance para passar os dois numa tacada só e assumir a oitava posição.

Na frente do pelotão, Petrucci tinha 0s614 de margem para Dovizioso, mas ainda restavam 21 voltas para o italiano de Terni, que largou com um pneu médio na dianteira e um macio na traseira.

Mais atrás, Takaaki Nakagami tirou Quartararo do top-10, deixando o francês para se defender de Aleix Espargaró.

A margem de Petrucci, porém, caiu rapidamente com um erro na curva 2, descendo para 0s226 na volta 7. Miller não vinha muito longe de Dovizioso, com Rins rodando bastante rápido para tentar descontar um atraso que já era de 2s6.

Quem também vinha com ritmo forte era Álex Márquez, que tinha deixado Smith para trás pelo sétimo lugar. Oliveira acompanhou o espanhol de Cervera e era agora o oitavo.

Apesar das condições traiçoeiras, Danilo conseguiu abrir um bom respiro mais uma vez, se aproximando de uma vantagem de 0s4. Rins, porém, seguia diminuindo o atraso e as Ducati já tinham sido alertadas sobre a aproximação do titular da Suzuki.

Na volta 10, aquela que vinha sendo a melhor apresentação de Smith na temporada chegou ao fim com uma queda na última curva. O britânico se afastou do local do acidente se arrastando, visivelmente com dores, e foi levado ao centro médico de Le Mans.

Com 16 giros para a bandeirada, Johann Zarco passou Quartararo, que caiu para 11º, 14s289 atrás de Petrucci. 12º, Bagnaia não vinha tão longe assim do francês líder do Mundial.

Quem também imprimia um ritmo forte neste ponto da disputa era Álex Márquez. Sétimo, o espanhol ia descontando o atraso em relação a Crutchlow. O melhor passo, porém, era mesmo de Rins, que foi o primeiro a rodar na casa de 1min44s.

Na volta 13, Rins já estava colado em Miller. O espanhol ganhou o primeiro ataque, mas o troco foi imediato. Enquanto isso, Márquez passou Crutchlow pelo sexto posto.

Na metade da corrida, os quatro ponteiros vinham separados por só 0s883, com Petrucci já menos folgado do que antes, com um respiro de só 0s337.

Rins, então, atacou Miller na entrada da curva 3 e assumiu o terceiro posto. Jack, porém, não deixou barato e tratou de dar o troco rapidamente, na freada da Garage Vert, a curva 8.

O quarteto da ponta colocou de vez, com 1s3 de frente para Pol Espargaró, o quinto. Álex Márquez, porém, vinha mais rápido que todo mundo, tentando encostar na briga pelo pódio pela primeira vez na carreira.

Faltando dez voltas para o fim, Franco Morbidelli caiu na curva 4, mas conseguiu voltar para a pista, em último. Pouco depois, foi Crutchlow quem despencou.

Na volta 18, Dovizioso foi ao ataque e tomou a ponta de Petrucci pela primeira vez na La Chapelle. Miller também respondeu a Rins e assumiu o terceiro posto.

Danilo reagiu e recuperou a ponta, mas levou o troco de imediato. Petrucci insistiu na curva 9, ficou lado a lado com Dovizioso, com Rins e Miller indo cada um para um lado para avançar. O piloto da moto #9 ficou com a liderança, seguido por Jack, Álex e Andrea.

Um dos pontos altos do GP da França (Foto: Reprodução)

Com 8 voltas para o fim, Miller precisou sair da pista por conta de um problema com a moto, o que promoveu Dovizioso de volta ao pódio. Instantes depois, foi Rins quem caiu na curva 3, se despedindo do sonho de vitória.

No meio da bagunça, Petrucci abriu 2s5 de margem para Dovizioso, com Álex Márquez aparecendo em terceiro, pressionando Dovizioso.

Depois de alguns minutos de tirar o fôlego, as coisas acalmaram em Le Mans, com Dovizioso cortando um pouco da margem de Petrucci, mas sem conseguir se livrar do Márquez caçula. Pol Espargaró também vinha pertinho.

Assim como tinha acontecido com Morbidelli mais cedo, Rins voltou para a pista, mas recebeu bandeira preta e laranja, uma orientação para abandonar. O piloto da Suzuki estava rodando com uma fita presa na câmera traseira da GSX-RR.

Enquanto isso, Petrucci seguia na ponta com 1s6 de folga. Dovizioso era o segundo, mas com Álex colado atrás. Pol também vinha escoltando.

Na volta 24, Márquez passou Dovizioso por dentro na La Chapelle e assumiu o segundo posto. O espanhol de Cervera tinha 1s7 de atraso para Danilo. Sem aderência na traseira, Andrea logo perdeu o terceiro posto para Pol Espargaró.

Restando duas voltas para a bandeirada, Márquez subiu o ritmo e passou a cortar a vantagem de Petrucci. Dovizioso, por sua vez, caiu mais um pouco, agora ultrapassado por Oliveira. Mesmo quase sem pneu, Andrea deu o troco e recuperou o quarto lugar.

Nos metros finais, Quartararo errou e perdeu a oitava posição para Bradl, com Viñales passando Mir para ficar em décimo. Petrucci confirmou a segunda vitória da carreira com 1s273 de margem para Álex.

MotoGP 2020, GP da França, Le Mans, corrida

1D PETRUCCIDucati45:54.73626 voltas
2A MÁRQUEZHonda+1.273 
3P ESPARGARÓKTM+1.711 
4A DOVIZIOSODucati+3.911 
5J ZARCOAvintia Ducati+4.310 
6M OLIVEIRATech3 KTM+4.466 
7T NAKAGAMILCR Honda+5.921 
8S BRADLHonda+15.597 
9F QUARTARAROSRT Yamaha+16.687 
10M VIÑALESYamaha+16.895 
11J MIRSuzuki+16.980 
12B BINDERKTM+27.321 
13F BAGNAIAPramac Ducati+33.351 
14A ESPARGARÓAprilia Gresini+39.176 
15I LECUONATech3 KTM+51.087 
16A RINSSuzuki+1:14.190 
17J MILLERPramac DucatiNC 
18F MORBIDELLISRT YamahaNC 
19C CRUTCHLOWLCR HondaNC 
20T RABATAvintia DucatiNC 
21B SMITHAprilia GresiniNC 
22V ROSSIYamahaNC 
22B SMITHAprilia GresiniNC 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube