Ferreira morre aos 29 anos após grave acidente na etapa de Interlagos da Moto 1000 GP

O gaúcho foi atropelado logo na segunda volta da prova ao sofrer uma queda depois de perder o controle da moto. Ele foi levado em estado grave ao Hospital Geral de Pedreira, mas não resistiu aos ferimentos

O piloto Cristiano Ferreira, de 29 anos, morreu na tarde deste domingo (23) durante a disputa da categoria GP Light da Moto 1000 GP, no autódromo de Interlagos. Conhecido como ‘Padeiro’, o gaúcho, que competia com a moto de número 84 da equipe de Carlos Barcelos, sofreu uma queda na segunda volta na segunda perna do 'S do Senna' e foi atropelado por outro competidor. Ainda na pista, ele teve uma parada respiratória, foi levado ao Hospital Geral de Pedreira em estado grave, mas não resistiu aos ferimentos.

Essa é a terceira morte recente após acidentes de moto em Interlagos. Em 24 de fevereiro de 2011, João Lisboa morreu no track day, em um dia que a pista estava aberta para alunos da escola de pilotagem. No dia 14 de julho de 2012, o piloto Renan Alves morreu vítima de uma parada cardíaca. Ele havia sofrido um acidente em Interlagos, na disputa da Moto 1000 GP há um ano e pedia apoio para lutar contra as sequelas.

Cristiano Ferreira perdeu a vida em um acidente em Interlagos (Foto: Moto 1000 GP)

No comunicado oficial emitido pela organização da Moto 1000 GP, a competição "lamentou profundamente" a morte de Ferreira e explicou os motivos e os procedimentos realizados após o acidente que, horas mais tarde, resultaria na morte de 'Padeiro'.

Gilson Scudeler, organizador da Moto 1000 GP, representou a categoria ao falar sobre o caso. “Eu lamento profundamente. Como ex-piloto conheço os riscos do esporte. Eu tenho obsessão extrema pela segurança dos pilotos. É uma tragédia, uma fatalidade. O Cristiano teve uma queda comum, numa parte da pista de baixa velocidade. Provavelmente, teria sido um simples acidente se não tivesse sido atingido por outra moto”, lamentou Scudeler.

Segundo o comunicado, Cristiano foi prontamente atendido pelo serviço médico do evento chefiado pelo doutor Marcos Kourukian, de acordo com o protocolo de suporte avançado de vida (ATLS). 
 
“Constatou-se no atendimento traumatismo craniano grave e traumatismo grave no tórax . O piloto estava com hemorragia importante e em parada cardíaca. Foram realizados procedimentos de RCP — Reanimação Cardiorrespiratória, com manobras de entubação e colar cervical. Pela gravidade do caso, foi realizado o deslocamento para o Hospital Geral de Pedreira”, explicou a organização da Moto 1000 GP.
 
“Ele teve outra parada cardíaca no percurso entre o autódromo e hospital, sendo reanimado pelo doutor Ricardo Duprat. Deu entrada pela emergência do hospital, e reanimação pela equipe da emergência, mas veio a falecer às 15h07 deste domingo”, continuou. “Em função da tragédia, em sinal respeito ao piloto, à família e colegas não houve cerimônia de pódio nem premiação da corrida. O evento guardará três dias de luto sem qualquer tipo de atividades”, encerrou Scudeler em comunicado.
 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube