Pensando na F1, Pietro Fittipaldi se junta a Carlos Slim e troca Nascar pelos monopostos em 2013

Aos 16 anos, Pietro Fittipaldi toma um novo rumo na carreira em 2013: incentivado pelo avô Emerson e patrocinado pelo mexicano Carlos Slim, ele vai disputar a F4 e a F-Renault Inglesa em 2013

A carreira de Pietro Fittipaldi não visa mais chegar à elite da Nascar. O neto do bicampeão mundial Emerson vai, a partir de 2013, buscar seguir os passos do avô e chegar à F1. Patrocinado pelas empresas de telefonia Embratel e Claro, que pertencem ao magnata mexicano Carlos Slim, Pietro agora faz parte do programa que levou Sergio Pérez e Esteban Gutiérrez à F1 e disputará, neste ano, dois campeonatos: a nova F4 e a F-Renault Inglesa, que não foi disputada em 2012. A estreia será por este último certame e tem data marcada: será nos dias 13 e 14 de abril no circuito de Donington Park.

O anúncio oficial aconteceu nesta quarta-feira (3), em evento realizado na sede da Embratel, em São Paulo. Estavam presentes José Formoso e Carlos Zenteno, presidentes de Embratel e Claro, respectivamente, e Emerson Fittipaldi. O piloto participou por teleconferência direto da Carolina do Norte (EUA), onde vive.

Da esquerda para a direita: Formoso, Pietro, Emerson e Zenteno (Foto: Renan do Couto/Grande Prêmio)

“Eu estou indo para lá para aprender. Se não der certo, eu sei que eu posso voltar. Agora, sei que, com muita determinação e dedicação, eu vou conseguir. Preciso ser muito sério com isso, aprender ao máximo e, se Deus quiser, posso andar bem na F1 um dia”, declarou o garoto.

Ainda cauteloso, pelo fato de nunca ter disputado uma corrida em um fórmula, Pietro exaltou a importância da chance que tem para tentar chegar à F1. “É uma grande oportunidade para mim, porque tudo é uma escola. Vai ser um desafio, vai ser muito difícil, mas é uma grande oportunidade e eu não posso deixar passar”, afirmou.

Esse é o mesmo pensamento de Emerson. O bicampeão demonstrou que prefere ver o mais jovem piloto dos Fittipaldi em ação nos monopostos, na Europa. “Meu coração está muito mais para fórmula do que para Nascar. É uma categoria espetacular, tem pilotos excelentes, mas é muito norte-americana, mas fórmula é mundial. Acho que era um desperdício ele não tentar andar de fórmula”, avaliou o avô. Tanto Pietro, quanto Emerson, porém, deixaram claro que se a carreira na Europa não der certo, é possível voltar para a Nascar e retomar a trajetória no automobilismo dos Estados Unidos.

O contrato, como enfatizou Emerson, é de “longo prazo”, o que foi reforçado pelo presidente da Embratel. “Não se fazem campeões em um ano. Campeões são feitos com muito trabalho e muito tempo”, disse. “O propósito não é vencer a próxima corrida, é desenvolver o piloto. E nós estamos começando a desenvolver isso. É um projeto similar e o Pietro foi um talento que conhecemos e preencheu todos os requisitos”, completou. Esse projeto está aberto a mais pilotos brasileiros no futuro, já que as empresas de telefonia estão dispostas a continuar investindo no automobilismo destas bandas. “O programa da Escuderia Telmex é o máximo, é muito profissional”, elogiou Pietro.

Tecnicamente, o piloto vai se deparar com um desafio bem diferente. Em carros que parecem um “kart grande”, ele lidará com praticamente metade da potência de mais 500 cavalos dos carros da Nascar que pilotava – o que pode ser um facilitador para a adaptação, considera – e uma dirigibilidade completamente diferente. “A expectativa ainda não está muito grande porque ainda não andei muito no carro, mas, se Deus quiser, estarei na F1 um dia”, falou.

A escolha pela F-Renault Inglesa e, principalmente, pela F4, deixou Emerson bastante satisfeito. A proposta partiu de Jimmy Morales, diretor da Escuderia Telmex. “Ele indicou essa categoria nova, a F4. É um carro um pouco mais lento que o F3 e, por coincidência, quem fabrica é o Ralph Firman, da Van Diemen, que foi o meu primeiro mecânico na F3. Achei muito boa a ideia”, opinou. Ele ainda disse que não pensou em mandar o neto para a GP3, como muitos pensavam, para dá-lo mais tempo de adaptação aos fórmulas.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube