Barreda vence primeira ‘perna’ da etapa Maratona do Dakar nas motos. Benavides perde tempo e Van Beveren volta à ponta

A empolgante batalha pelo título do Rali Dakar nas motos teve mais um capítulo neste sábado na Bolívia, na primeira ‘perna’ da etapa Maratona, entre La Paz e Uyuni. Joan Barreda venceu sua terceira especial na competição e foi seguido por Adrien Van Beveren, da Yamaha, que voltou à liderança da prova após superar Kevin Benavides

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

7ª ETAPA | 13 de janeiro

La Paz (BOL) – Uyuni (BOL)
Trecho cronometrado (motos e quadris): 425 km
Percurso total: 726 km
 
Na retomada do Rali Dakar após o providencial dia de descanso em La Paz, Joan Barreda voltou a dar as cartas e venceu com contundência a sétima especial da prova, entre a capital boliviana e Uyuni, às margens do lendário e belíssimo salar. Barreda, que faz um rali bastante inconstante, tornou-se o maior vencedor de etapas até agora na competição ao triunfar pela terceira vez. Mas não foi uma jornada fácil, longe disso. Diante das fortes chuvas, o piloto caiu e machucou o joelho. Após exames posteriores, os médicos não detectaram nenhuma lesão mais séria que o impeça de seguir rumo a Tupiza neste domingo.
 
Neste sábado (13), durante o trecho cronometrado de 425 km, o piloto da Honda liderou praticamente de ponta a ponta e se colocou, mais do que nunca, de volta à briga pelo título do mais importante rali do mundo.
 
Adrien Van Beveren, da Yamaha, voltou à liderança geral nas motos depois de terminar a especial deste sábado em segundo. O francês fez uma boa etapa e ainda contou com uma relativa perda de tempo do então ponteiro, o argentino Kevin Benavides, da Honda. O dono do numeral #47 ainda conseguiu terminar em terceiro, porém com cerca de 5min de desvantagem em relação a Van Beveren e 8min atrás de Barreda.
O barro e a chuva foram grandes adversários para os pilotos neste sábado (Foto: Dakar/Twitter)
Às 16h03 (horário de Brasília, duas horas à frente de La Paz), Benavides foi o primeiro piloto a alcançar a meta em Uyuni para fechar uma especial marcada por muito barro, frio e chuva na Bolívia, um complicador a mais para os pilotos das motos, que além de guiar, também têm de cuidar da navegação.
 

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Pouco depois, Barreda concluiu a especial e confirmou a vitória em Uyuni com um tempo total de 5h11min10s. Van Beveren terminou em segundo, 2min51s atrás do piloto da Honda, enquanto Benavides fechou em terceiro, mas 8min02s de atraso para o líder. E Toby Price finalizou a especial provisoriamente em quarto. O australiano, campeão em 2016 e vítima de um acidente em 2017, surge agora como a grande aposta da KTM para manter a supremacia nas motos no Rali Dakar.

Pablo Quintanilla, que vem fazendo uma boa prova de recuperação depois de um começo de Dakar bastante difícil, levou a Husqvarna ao quinto lugar, seguido por Matthias Walkner, da KTM. Stefan Svitko também fez uma boa especial e foi o sétimo, à frente da Yamaha de Xavier de Soultrait. Antonie Meo, que venceu a sexta especial da prova, desta vez foi o nono, enquanto Jonathan Barragán Nevado, com uma moto Gas Gas, completou a lista dos dez primeiros.

 
Na classificação geral após sete etapas, Van Beveren agora tem tempo total de 21h49min18s, 3min14s de frente para Benavides, agora o vice-líder da disputa das motos. Joan Barreda subiu para terceiro e diminuiu bem a diferença para o ponteiro. Agora, o espanhol está apenas 4min45s da liderança. Toby Price, por sua vez, surge em quarto lugar, com 13min34s de atraso para Van Beveren.

Medeiros faz bonito nos quadris. E líder Casale administra
 
A competição do Rali Dakar nos quadriciclos teve um novo vencedor em especiais neste sábado (13). Depois de Sergey Karyakin, Axel Dutrie foi o segundo europeu a triunfar em uma etapa na 40ª edição do maior rali do mundo. Mas dá para dizer que o grande destaque do dia foi mesmo o brasileiro Marcelo Medeiros.
 
O maranhense, que faz seu terceiro Rali Dakar, vem fazendo ótima prova de recuperação e consolidou sua condição de um dos melhores do certame ao fechar o trecho cronometrado entre La Paz e Uyuni em segundo lugar. Medeiros esteve entre os primeiros colocados em praticamente todo o percurso e conseguiu finalizar na sua melhor posição nesta edição. Marcelo passou 4min50s atrás do tempo de Dutrie.
 
Em terceiro, terminou o líder geral do Rali Dakar, o chileno Ignacio Casale. Levando em conta que o vice-líder da prova, o peruano Alex Hernández, não teve um dia dos mais positivos, Casale pode até se dar ao luxo de administrar a confortável vantagem que ostenta para marcar seus principais adversários. 
 
Casale foi seguido pelo paraguaio Nelson Sanabria, quarto colocado, enquanto o argentino Giuliano Giordana fechou o top-5, logo à frente de Nicolas Cavigliasso e de Jeremias González Ferioli. Alex Hernández foi o oitavo colocado, com Walter Nosiglia, da Bolívia, e Dmitriy Shilov, do Cazaquistão, completando o top-10. Em contrapartida, Pablo Coetti, que figurava na terceira posição geral dos quadris, teve de abandonar a disputa em razão de problemas mecânicos no seu quadri Yamaha.
 
Com os resultados deste sábado, agora Casale tem um tempo total de prova de 26h55min11s e está 1h01min09s à frente de Hernández. González Ferioli aparece em terceiro, à frente de Cavigliasso e Axel Dutrie, que subiu para quinto lugar após o abandono de Copetti, seguido por Simon Vitse, Kees Koolen e por Marcelo Medeiros. O brasileiro superou Nelson Sanabria e está em oitavo, a 3h30min03s do líder. Detalhe: o maranhense teve de cumprir 2h01min de punição no começo do rali.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube