Por saída da Peugeot, Loeb vê edição 2018 do Rali Dakar como “última chance” de vencer: “É agora ou nunca”

Nove vezes campeão do Mundial de Rali, Sébastien Loeb parte para a terceira participação no Rali Dakar e entende que a edição deste ano será o “agora ou nunca” em termos de vitória, principalmente por conta da decisão da Peugeot em deixar a competição após 2018

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “5708856992”;
google_ad_width = 336;
google_ad_height = 280;

Sébastien Loeb admitiu que vai encarar a edição 2018 do Rali Dakar como "agora ou nunca", especialmente diante da decisão da Peugeot em deixar a competição após a prova deste ano. A marca francesa confirmou no ano passado que esta será sua última participação e, por isso, vem novamente reforçada. Além do multicampeão do Mundial de Rali, a fabricante ainda conta com os franceses Stéphane Peterhansel e Cyril Despres, além do espanhol Carlos Sainz

 
Loeb acredita que a saída iminente da Peugeot faz da competição deste ano "sua última chance" de tornar vencedor do maior rali do mundo. "Para mim, é quase um agora ou nunca em termos de vitória", afirmou o francês de 43 anos. 
Sébastien Loeb acha que 2018 é sua última chance de vencer o Dakar (Foto: Flavien Duhamel/Red Bull Content Pool)

google_ad_client = “ca-pub-6830925722933424”;
google_ad_slot = “2258117790”;
google_ad_width = 300;
google_ad_height = 600;

"É a última chance de ganhar. No ano passado, percebemos que temos a capacidade de vencer. Daniel [Elena, navegador] fez um bom trabalho com navegação, então é bem motivador. Nós sabemos que podemos fazer isso e vamos com o objetivo de vencer", garantiu o gaulês, que vai para sua terceira participação no rali.

 
O piloto, entretanto, reconheceu que o aumento dos trechos de dunas de areia na rota do Dakar deste ano o coloca em desvantagem frente aos concorrentes mais experientes. "Há muitos fatores que entram em jogo no Dakar", disse Sébastien.
 
"É um rali muito longo e você pode perder tudo de uma só vez, especialmente com o retorno das dunas. É positivo para a imagem que as pessoas têm do rali. Mas, por outro lado, é um tipo de terreno com o qual não tenho muita experiência. É claramente uma rota que não está muito a meu favor", explicou.
 
"Quanto ao carro, é mais estável, mais agradável para o piloto. E isso nos dá mais confiança e, portanto, acho que vamos poder atacar um pouco mais", concluiu Loeb.
 
O Rali Dakar acontece de 6 a 20 de janeiro, atravessando o Peru, a Bolívia e a Argentina. Ao todo, serão 14 especiais em mais de 9 mil km de competição. Essa será a 40ª edição do maior rali do planeta. A largada está marcada para o próximo sábado em Lima. 
 

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube