Barreda Bort põe Honda na frente na 1ª etapa do Dakar. Cavigliasso lidera 1-2 argentino nos quadris

A Honda começa a 41ª edição do Rali Dakar disposta a finalmente encerrar a dinastia da KTM na competição das motos. E a marca japonesa começou bem com a vitória de Joan Barreda Bort na primeira especial — e mais curta da prova, de apenas 84 km. Pablo Quintanilla, chileno da Husqvarna, foi o segundo. Nos quadriciclos, Nicolas Cavigliasso foi o grande protagonista

1ª etapa – Lima – Pisco 
Trecho de especial: 84 km
Deslocamentos: 247 km
Trecho total: 331 km
 
A dinastia da KTM na competição de motos do Rali Dakar já dura 17 anos, tendo como último campeão Matthias Walkner. Mas a Honda, disposta a finalmente encerrar a supremacia austríaca no maior rali do mundo, começou bem a 41ª edição da prova e venceu a primeira especial, disputada nesta segunda-feira (7). Foi o trecho cronometrado mais curto de todo o percurso, de apenas 84 km entre Lima, a capital peruana, e Pisco. Vitória do espanhol Joan Barreda Bort, da equipe oficial da Honda — sua 17ª em especiais no Dakar —, com o chileno Pablo Quintanilla, da Husqvarna, em segundo. A melhor KTM foi a de Sam Sunderland, quinto colocado.
 
Exatamente às 9h50, hora local (12h30 de Brasília) começou oficialmente a 41ª edição do Rali Dakar. Pela primeira vez na história, a maior competição off-road ao redor do mundo tem como palco apenas um único país: o Peru. Coube ao chileno Ítalo Pedemonte, inscrito na competição dos quadriciclos, a primazia de abrir a prova na especial nesta segunda-feira, a mais curta do percurso, de apenas 84 km. Nas motos, a largada foi dada na ordem decrescente, do maior numeral inscrito, do israelense Gee Motzkin, com o campeão Matthias Walkner sendo o último a acelerar, a partir de 14h23.
Joan Barreda Bort venceu a primeira especial do Rali Dakar 2019 (Foto: Honda HRC)

Como os favoritos foram os últimos a largar, a especial foi decidida apenas com a chegada dos respectivos pilotos à zona de meta. Dentre os que largaram primeiro, o melhor colocado na especial foi o peruano César Pardo, mas a especial esteve longe de ser definida aí.

 
Depois, quem apareceu na frente foi o vice-campeão do ano passado e um dos favoritos a vencer a prova em 2019, o argentino Kevin Benavides, da Honda, que chegou a fazer uma provisória dobradinha com o irmão, Luciano Benavides. Mas Kevin, por exemplo, havia largado em 93º, de modo que muitos dos grandes candidatos ao título ainda precisariam cruzar a zona de meta.
 
Com a passagem de todos os principais pilotos pelos dois waypoints, aí o cenário ficou mais claro com a liderança de Joan Barreda Bort, espanhol que defende a Honda. Pablo Quintanilla, chileno da Husqvarna, passou em segundo, e Toby Price, campeão em 2016, em terceiro lugar. A chegada dos pilotos à zona de meta confirmou o resultado e a vitória de Barreda Bort, que completou o trecho em 57min36s, 1min34s à frente do chileno. 
 
Price perdeu um pouco de tempo entre o waypoint 2 e a zona de meta. Assim, o terceiro lugar ficou com outra Honda, a do norte-americano Ricky Brabec, 2min52s atrás do líder, enquanto o francês Adrien Van Beveren, que ficou muito perto de levar a Yamaha à vitória geral no Dakar em 2018, foi o quarto colocado, seguido pela KTM do britânico Sam Sunderland. Price finalizou em sexto, logo à frente de Walkner. Kevin Benavides foi o oitavo, seguido por Corjejo Florimo e Xavier de Soultrait, que completou o top-10. Laia Sanz, espanhola que foi um dos grandes destaques dos últimos anos, fechou a etapa em 31º lugar.
 
O Brasil, que volta a contar com inscritos na competição das motos, teve Marcos Colvero completando sua primeira especial no Rali Dakar com 2h18min21s com sua KTM de numeral #109, alcançando a posição 132 nos resultados provisórios. E Antonio Lincoln Berrocal, que também estreia no maior rali do mundo — e é o mais velho a competir nesta prova nas motos, com 59 anos — fez a primeira etapa com um tempo melhor: 1h37min02s com a KTM de numeral #103, finalizando em 95º no geral.
 

Dobradinha argentina nos quadriciclos
 
A primeira especial nos quadriciclos foi dominada pelos argentinos. A categoria, que perdeu muitos competidores em relação aos últimos anos e conta com apenas 26 inscritos, teve como vencedor Nicolas Cavigliasso, atual vice-campeão do Dakar. O campeão do ano passado, Ignacio Casale, migrou para os SXS, os UTVs.
Nicolas Cavigliasso começou bem a luta pelo título nos quadriciclos (Foto: Twitter)

O piloto, que conta com o numeral #240 e foi o melhor estreante de 2018, com três vitórias em especiais, completou o curto trecho de etapa entre Lima e Pisco em 1h17min15s. O piloto, que corre com um quadri da Yamaha, foi 3min55s mais rápido que o compatriota, Jeremías González Ferlioli, vice-campeão em 2016.

 
O europeu melhor colocado em meio a uma prova que conta com a predominância dos sul-americanos nos quadriciclos foi o tcheco Tomáš Kubiena, que terminou a especial de 84 km 8min22s atrás do tempo de Cavigliasso. Em quarto, terminou outro argentino, Gustavo Gallego, natural de Bahía Blanca, enquanto o francês Axel Dutrie completou o top-5 com 10min41s de atraso para o líder da etapa, sendo seguido pelo experiente paraguaio Nelson Sanabria.

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube