De virada é mais gostoso? Maurício coloca Chevrolet a 40 minutos de taça sobre Toyota

A Toyota começou disparando à frente na temporada 2020 da Stock Car. Mas, com só uma corrida faltando no ano, o favorito ao título, de repente, pilota um Chevrolet Cruze: Ricardo Maurício

A Toyota chegou em 2020 para tornar a Stock Car multimarcas. Assim o fez, e desde a primeira etapa tem a liderança do campeonato. Primeiro, com Ricardo Zonta. Depois, com Rubens Barrichello, Cesar Ramos e Thiago Camilo. O título pareceu certo para os japoneses desde a primeira corrida. Mas, no finalzinho da temporada, a derrota pode vir: a Chevrolet está a 40 minutos de virar o jogo e ficar com o título.

De forma simplista, isso acontece pois Ricardo Maurício, que pilota um Cruze, bateu todos os rivais de Corolla neste sábado (12), garantindo a pole para a decisão do próximo domingo. E, como está apenas sete pontos atrás de Camilo, só precisa vencer para ser campeão. É segurar a posição, de ponta a ponta, e a virada se consolida.

Conheça o canal do Grande Prêmio no YouTube! Clique aqui.
Siga o Grande Prêmio no Twitter e no Instagram!

Os candidatos ao título da Stock Car: 6 com Chevrolet, 5 com Toyota (Foto: Luís França/Vicar)

Por mais que Maurício e a RC Eurofarma, equipe que levou os últimos três títulos com Daniel Serra e que tem Rosinei Campos, o Meinha, no comando, seja merecedora do título (tal como a Ipiranga de Camilo) pelo trabalho que fez para se igualar ao carro adversário, a possível virada não é tão óbvia de se explicar. São diversos fatores que, somados, possibilitaram essa chance.

Lastro. Dois pacotes de atualização. Descartes. As mudanças de regulamento para 2020 acabaram, todas, influenciando no desempenho dos carros da Toyota. O objetivo era esse mesmo – ou quase: impedir que alguma marca disparasse na frente. Mas a Toyota mesmo assim conseguiu, até que tais fatores agiram.

O peso extra no carro esteve, em sua maioria das vezes, nos Corolla – afinal, os cinco primeiros em toda etapa viam de 30 kg a 10 kg serem colocados em seus “bancos do carona”, e estes usualmente eram pilotos que guiavam Toyota, já que lideraram todo o campeonato. O resultado? Cesar Ramos, por exemplo, despencou de líder para sétimo, Zonta para quarto, Barrichello para sexto.

Rubens Barrichello é um dos que pilotam um Corolla (Foto: Carsten Horst/Hyset)

Já os pacotes de atualização chegaram cedo para os Chevrolet: eles seriam liberados quando uma montadora somasse mais de 30 pontos que a outra com os dois carros melhores colocados em um etapa, e isso ocorreu rapidamente. Já na Corrida do Milhão, a terceira etapa do ano, os Cruze puderam usar o ‘Pac-1’.

A diferença seguiu e, em Londrina, etapa seguinte, o ‘Pac-2’ teve o uso autorizado. O pacote 1 consiste em dois pontos aerodinâmicos: um splitter dianteiro maior, que vai de 100 mm a até 120 mm, e também aumento de downforce na asa traseira. Já o pacote 2 permite a diminuição de até 5 cm na altura do carro em relação ao solo – baseado nos 60 cm regulamentados.

Com as atualizações, os Chevrolet foram diminuindo a diferença, mas só na etapa final, em Interlagos, os Toyota tiveram o ‘Pac-1’ liberado. Ou seja: a demora para se obter vantagem foi tanta, que os Cruze acabaram por ‘segurar’ atualizações dos rivais.

Daniel Serra tem um Cruze nas mãos (Foto: Duda Bairros/Vicar)

Por fim, os descartes: quem andou na frente por mais vezes perdeu mais pontos, a conta é simples. E, em sua maioria, quem andou na frente estava de Toyota. Ao final, os descartes cortaram as chances de quem andava de Corolla, ou diminuiu o suficiente para que dois Chevrolet, Serra e Maurício, dependam só de si na decisão, contra um só Toyota, Camilo.

Não é exagero: o GRANDE PRÊMIO recebeu contato de chefes de equipe que sentiram a diferença entre as marcas, tal como pilotos comentaram publicamente. A desvantagem existiu – mas poderá ser esquecida se a virada, de fato, ocorrer.

Para a Stock Car, tudo bem: o que fica na memória é o final, e ele é completamente apertado e imprevisível até a bandeira quadriculada. Mas fica a questão: vale manter lastro e descartes para 2021?

As curvas de Interlagos prometem emoção até o fim (Foto: Duda Bairros/Vicar)

Agora é decisão! A corrida acontece no domingo (13), a partir de 12h15. O GRANDE PRÊMIO acompanha todos os detalhes do encerramento da temporada da Stock Car.

Ouça os programas do GRANDE PRÊMIO no formato de podcast:
Anchor | Apple | Spotify | Google | Pocket Cast | Radio Public | Breaker

GOSTA DO CONTEÚDO DO GRANDE PRÊMIO?

Você que acompanha nosso trabalho sabe que temos uma equipe grande que produz conteúdo diário e pensa em inovações constantemente. Mesmo durante os tempos de pandemia, nossa preocupação era levar a você atrações novas. Foi assim que criamos uma série de programas em vídeo, ao vivo e inéditos, para se juntar a notícias em primeira-mão, reportagens especiais, seções exclusivas, análises e comentários de especialistas.

Nosso jornalismo sempre foi independente. E precisamos do seu apoio para seguirmos em frente e oferecer o que temos de melhor: nossa credibilidade e qualidade. Seja qual o valor, tenha certeza: é muito importante. Nós retribuímos com benefícios e experiências exclusivas.

Assim, faça parte do GP: você pode apoiar sendo assinante ou tornar-se membro da GPTV, nosso canal no YouTube